A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

18/07/2013 17:29

Lento e quase parando, ônibus urbano anda a 12 km/h na Capital

Leonardo Rocha e Edivaldo Bitencourt
Usuários reclamam de demora na viagem de ônibus em função do trânsito caótico (Foto: Cleber Gellio)Usuários reclamam de demora na "viagem" de ônibus em função do trânsito caótico (Foto: Cleber Gellio)

O transporte coletivo em Campo Grande anda, em média, a apenas 12 quilômetros por hora. O número, que comprova as queixas da lentidão do sistema dos cerca de 220 mil usuários transportados diariamente, é do presidente da Assetur (Associação das empresas de transporte público urbano de Campo Grande), João Rezende. Ele admite que o ideal é a velocidade do ônibus ser o dobro, de 20 Km/h. Se alguém fosse para Terenos de ônibus, sem os corredores do transporte coletivo, demoraria 2 horas para percorrer os 23 quilômetros até o município. Uma viagem normal levaria menos de 30 minutos. 

Veja Mais
Tarifa de ônibus pode ter 2ª queda, de R$ 0,14, com redução do ISS
Transporte piora, reclamam usuários em audiência sobre ônibus

Rezende destacou que esta dificuldade de se locomover acontece pela falta de mobilidade urbana na cidade. “As ruas estão abarrotadas de carros, motos e ônibus, podemos dizer que a cidade é um organismo vivo, mas as artérias estão entupidas”, destacou.

Segundo ele, a melhor alternativa para esta situação seria a implantação de corredores de ônibus e faixas exclusivas para o transporte coletivo. “O usuário não reclama das condições do transporte e sim da demora para chegar ao serviço ou na sua casa, uma viagem que seria de 20 minutos, hoje dura 40”, apontou.

O presidente destacou que algumas medidas, como alterar os horários das escolas, poderiam contribuir nos horários de “pico”, que são justamente as principais reclamações. “Porque não sincronizar horários diferentes entre as escolas municipais, estaduais e particulares? A entrada poderia ser depois do horário das pessoas que vão trabalhar”, ressaltou.

Em relação aos pontos críticos, Rezende apontou as avenidas Afonso Pena, Mato Grosso, Elias Zahran e Júlio de Castilho, além das ruas tradicionais no centro da cidade como Rui Barbosa, 14 de Julho, 13 de Maio e Calógeras. “É preciso ter um estudo e planejamento nestes locais, o serviço fica prejudicado por falta deste fluxo, os carros ainda podem pegar atalhos, o ônibus tem que seguir seu roteiro”, indicou.

João destacou que é preciso ter faixas definidas e horários específicos para que o trânsito não prejudique a população. “Nas manifestações, as pessoas reclamaram do serviço, mas esqueceram que é preciso ter condições para que este aconteça, o trânsito é fundamental”.

Usuários – As pessoas que frequentam o transporte coletivo descrevem que a demora ocasionada pelo trânsito para se fazer o percurso casa-serviço e serviço-casa geram as principais reclamações do setor. “Fico cerca de 1 hora dentro do ônibus para chegar em casa, o cansaço fica maior, o trânsito poderia ser mais rápido para melhorar as condições”, descreveu Gisele Nunes, que trabalha no centro em serviços gerais e mora no bairro Paulo Coelho.

Já o vigilante Robson Fernandes destacou que até prefere usar sua bicicleta, pois demora 40 minutos de ônibus para chegar ao serviço. “Esta tudo mais lento e devagar, são ônibus misturados com carros é uma bagunça, eles deveriam ter pistas separadas”, apontou ele.

Abrilhana Coeneme, dona de casa, ressaltou que os corredores de ônibus propostos pela prefeitura poderá ser uma alternativa, mas prefere esperar para comemorar. “Tem muitas promessas, se a situação vai melhorar é preciso ver para crer”, ponderou. A estudante de educação física, Andressa Bacargi, ressaltou que além de vias diferentes de acesso, deveria se aumentar a frota nos horários de pico. “Facilitaria a situação”.

Adriano França, estudante, destacou que a melhor alternativa seria os corredores e faixas exclusivas. “O transporte é muito devagar, deve se criar alternativas para mudar este quadro”, indicou ele.

Corredores - A Prefeitura da Capital vai utilizar parte dos R$ 432 milhões, que foram autorizados pela Câmara Municipal, para implantar corredores do transporte coletivo. No entanto, o projeto será diferente do encaminhado na gestão anterior, quando a proposta era implantar 25 corredores na cidade. 

Inicialmente, a proposta da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) é dobrar a velocidade dos ônibus urbanos. Diariamente, em torno de 220 mil passageiros são transportados na Capital. 

Outra reclamação dos usuários é o alto custo da passagem, em R$ 2,75 atualmente. O valor pode cair mais R$ 0,14 se o prefeito Alcides Bernal (PP) seguir o exemplo da presidente Dilma Rousseff (PT) e isentar o setor da cobrança de ISS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias). 

O vereador Eduardo Romero (PTdoB) estima que essa redução poderá ocorrer só com a redução da alíquota atual de 5% para 2%. No entanto, a prefeitura admite que estuda a medida, mas não tem data para reduzir o preço da passagem, uma das mais altas do País. A primeira redução, em vigor desde o dia 1º deste mês, foi de R$ 0,10 em decorrência da isenção dos tributos federais, PIS e Cofins. 




Ops, uma correção quanto à ciclovia: onde escrevi "Karina Rodrigues", leia-se "Adriana Costa". Se bem que a Karina também argumentou bem acerca das faixas de ônibus.
 
Marcel Ozuna em 19/07/2013 11:38:46
Estacionamento no canteiro da Afonso Pena, nunca mais. Era sempre um tormento a quem precisasse usar a faixa rápida (à esquerda). E a legislação federal não permite mais esse uso dos canteiros. Como está, melhorou da água para o vinho.
Também a ciclovia não impede, por si mesma, a existência de uma faixa exclusiva a ônibus na Afonso Pena, mesmo se ao lado do canteiro. Mesmo com o canteiro atual e uma ou outra "preservacionice", é possível adotá-la. Isso, por outro lado, demandaria o fim do estacionamento na Afonso Pena, mas nesse caso não dá para se esperar medidas que "agradem a gregos e a troianos". Aí convém pesar na balança o que é melhor: se transporte coletivo de melhor qualidade, ou se satisfazer os egos de quem tem carro e quer "tapete vermelho" ao ir trabalhar ou fazer compras.
 
Marcel Ozuna em 19/07/2013 11:35:35
Claro que a ciclovia "não é usada", Rodrigo Ferreira. Só nesta semana vi dois ciclistas atrapalhando o trânsito usando as mesmas faixas dos carros... Imagina o que aconteceria se um motorista de ônibus visse um ciclista "aparecer do nada" na frente dele ao fazer conversão à esquina!...
No que pesem os obstáculos surgidos dos erros de execução da obra, se isso fosse desculpa para um e outro acomodado ou desatento abrir mão da ciclovia, eu andaria com meu carro na calçada a cada rua esburacada que me aparecesse.
Faço minhas as palavras da Karina Rodrigues. Mais: eu mesmo já vi, a ciclovia na Afonso Pena é sim frequentada, mas nos horários de pico, logo tem que ficar, claro que devem ser feitos os ajustes necessários. E a AGETRAN deve fazer os ciclistas "perdidos" saírem do meio dos carros.
 
Marcel Ozuna em 19/07/2013 11:22:01
VOCES ACHAM QUE OS POLITICOS QUEREM MODERNIZAR OS TRANSPORTES URBANOS, CLARO QUE NÃO POIS OS EMPRESARIOS DONOS DOS TRANSPORTES SÃO OS QUE PATROCINAM AS CAMPANHAS MILIONARIAS DESTES POLITICOS QUE ESTÃO NO PODER SEMPRE
SE QUEREM MODERNIZAR TIREM ESTAS SUCATAS DE ONIBUS E COLOQUEM TRENS DE SUPERFICE, OU SEJA METRÔS, USEM O DINHEIRO QUE PAGAMOS OS MAIS ALTOS IMPOSTO DO MUNDO E TEMOS, TRANPORTES ZERO, SAUDE ZERO, EDUCAÇÃO ZERO, SEGURANÇA ZERO. ACORDA POVO JA
 
ANTONIO CARLOS em 19/07/2013 11:13:44
Desculpa esfarrapada. Compreendo que os ônibus do centro tem a dificuldade do trânsito, mas no meu bairro não tem congestionamento e parece que o motorista está carregando, ao invés de dirigindo o ônibus. E isso não em um só bairro, mas em vários que já morei.
 
Rodrigo Souza em 19/07/2013 09:40:31
Claro que ele vai andar devagar num trânsito que tem de tudo! Será que não perceberam que a cidade está crescendo? Está na hora de modernizar, fazer via exclusiva para os ônibus, quem sabe melhora o problema...
 
Karina Rodrigues em 19/07/2013 09:17:51
Não tem que tirar a ciclovia da Afonso Pena,
Utilizo a Afonso Pena todos dos dias no período da manhã e final de tarde, é um caos.
Na minha opinião deveria tirar o estacionamento e fazer via de ônibus, os carros pequenos respeitar essa via.
Na verdade todas as ruas estão cheias de carros e não tem estacionamento para tanto carros.
A cidade cresceu em número de pessoas e de veículos.

 
Adriana Costa em 19/07/2013 08:27:27
O Alexandre ta certo em parte; o político não substitui ônibus e carretas por trens, porque perderia muito politicamente. Imagine quantos ônibus e carretas deixariam de ser vendidos, de pagar impostos, por apenas 2 ou três trens? Quantos metros de ferrovia o FHC fez em 8 anos e assim vem desde o Sarnei. Os grupos do poder manipulam tudo, até quando nós deixarmos.
 
luiz alves em 19/07/2013 08:25:58
As pessoas reclamam da demora e também das condições, não venha o presidente da Assetur dizer que as pessoas reclamam apenas do tempo perdido, ninguém quer "andar" nessas latas de sardinha ambulantes, o fazem por necessidade.
 
Kaio Gleizer em 19/07/2013 08:17:36
Reflexo de uma administração pública de 8 anos que não se preocupou em nenhum momento com o bem estar do cidadão. Agora provavelmente vão colocar a culpa na atual administração que está ai a apenas 6 meses. Acorda BRASIL
 
Mey Moura em 19/07/2013 07:51:25
a onde arrumaram essas velocidades, esses ônibus não anda menos de 80km de jeito nenhum, procura andar de carro de lados deles.
 
eraldo a bento em 19/07/2013 07:12:18
Outro fato dos ônibus andarem tão lentos, é que tem um sonso na Agetran que não sabe dimensionar as tabelas e aí tem motorista que sai feito doido do terminal e chegando 100 metros do outro terminal estaciona o ônibus para cumprir a tabela mal feita, aí perdemos o outro no transbordo, se tivesse um esquema de uma demora um pouco maior nos terminais para as linha que apenas passam e não são os pontos finais, poderia melhorar um pouco isso.
 
Junior Ferreira em 19/07/2013 01:03:45
Pior para o tempo que se leva para chegar ao destino é a falta de possibilidade de mudar de linha. Transbordo só em terminal, o que faz que o trajeto fica o dobro do necessário. Passou da hora de podar mudar de ônibus em qualquer ponto da cidade. Assim como em qualquer cidade no mundo desenvolvido. Horas, a velocidade dos ônibus parece baixo, mas a velocidade médio do meu carro, registrado pelo computador de bordo, é 23 km/h só. E isso sem parar em pontos, como um ônibus deve fazer.
 
Marcos da Silva em 18/07/2013 23:11:30
Este mês eu presenciei quatro ônibus com defeito atrapalhando o transito no centro da cidade . Isso pode causar acidentes pois podem perder o freio , já são bem velhos com mais de seis anos ....
 
mauro escobar em 18/07/2013 22:23:08
A mobilidade urbana em C.G significa 50%, e os outros 50% chama-se burrice dos usuários urbanos. É só sair nas ruas que vão perceber gente que não tem nada para fazer dirigindo com o braço para fora devagar demais na faixa da direita, e se alguém que tem compromisso o alertar com um pequeno toque na buzina é xingado, mudam de faixa sem sinalizar e não deixa quem sinaliza mudar. Uns correndo de mais em lugar proibido, outros devagar demais em vias expressas, não posso chamar isto de inteligência.
 
jorge ferreira em 18/07/2013 20:55:05
O Transporte coletivo de campo grande é ultrapassado , mal organizado e de qualidade baixa; temos empresa nova de ônibus velhos e motorista novos e mal trenados, a gente só tem noticia de acidente com transp. de campo grande alem de tudo a 13 de maio e a 14 não via para transporte campo grande concentra mal seu transp. coletivo no centro da cidade
 
wellington martinez em 18/07/2013 20:26:31
A principal avenida da cidade - Afonso Pena - tem apenas 3 faixas de rolamento, sendo que o ônibus não cabe na da direita, ocupa uma faixa e meia. Sobra para os carros só a faixa da esquerda na principal avenida da cidade!!!!!!!!!!!!!! Coloquem 4 faixas na Afonso na Afonso Pena, reservem a da direita aos ônibus, ACABEM COM A CICLOVIA que ninguém usa mesmo e voltem com as vagas de estacionamento. Pioraram o trânsito para priorizar o gramado. Sacanagem!
 
RODRIGO FERREIRA em 18/07/2013 19:26:27
“O usuário não reclama das condições do transporte e sim da demora para chegar ao serviço ou na sua casa, uma viagem que seria de 20 minutos, hoje dura 40”, apontou.

Este senhor só pode estar de BRINCADEIRA com os leitores do CGNews!!! Ou por acaso, quer tentar desdizer o que o Vereador Chocolate confirmou, in loco, ao utilizar o transporte coletivo em horário de pico, conforme relatado por matéria do próprio site (http://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/vereador-tem-estreia-traumatica-em-horario-de-pico-do-transporte-coletivo).

A CGU já preparou novos métodos para se planilhar os custos do transporte coletivo, onde o índice de eficiência operacional é determinante para mensurar o lucro dos permissionários. PRECISAMOS ADOTAR ESSA METODOLOGIA AQUI.

 
Teamajormar ALmeida em 18/07/2013 18:11:10
Minha nossa me senti em São Paulo agora hein presidente da Assetur, só tem transito pra valer mesmo nos horários de pico, fora isso é barbeiro fazendo barbeiragem e falando em barbeiragem nossos motoristas de ônibus devem fazer aula de auto escola no exterior, provavelmente no Paraguai, porque nunca vi motoristas tão irresponsáveis, sem noção e folgado, sei que isso é uma tendencia em todas as cidades do pais, os motoristas de ônibus acham que são donos das vias, todas as ruas em que eles estão são preferenciais e sinal só serve pra carro e moto mesmo, ônibus tem passagem livre, portanto o problema da velocidade média, o senhor me desculpe, mas não é do transito não...
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 18/07/2013 17:57:56
ALEM DESTES PROBLEMAS TODOS, NÃO SOMOS EDUCADOS, MORO EM FRENTE A UM PONTO DE ÔNIBUS NA JULIO DE CASTILHO, E CONSTANTEMENTE VEJO VEÍCULOS ESTACIONADOS NESSES PONTOS, DIFICULTANDO O TRANSITO DOS ÔNIBUS E VEÍCULOS, MUITA GENTE ACHA QUE É DONO DA AVENIDA, EM FRENTE A MINHA CASA, TEM MOTORISTA QUE SOBE NA CALÇADA ATÉ MESMO ENTRA EM MEU QUINTAL PARA FAZER CONVERSÃO INDEVIDA, IMAGINA COM OS PONTOS DE ÔNIBUS, ISSO É QUESTÃO DE EDUCAÇÃO. SOMOS MUITOS MAL EDUCADOS, FALAMOS DOS OUTROS MAS NÃO FAZEMOS NOSSA PARTE.
 
mario roque em 18/07/2013 17:56:09
Transporte coletivo no Brasil esta ultrapassdo e é pior que uma viagem para o inferno! Cadê os trens, mêtros, vias rápidas(4 faixas) e avenidas duplas? Não melhora porque político anda de carro de luxo, helicóptero ou jatinho! O povo banca tudo isso e não anula o voto! O povo tem de se lascar mesmo, anulo o voto mas não elego ladrão!
 
Alexandre de Souza em 18/07/2013 17:35:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions