A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

29/01/2015 15:27

Teatro é arma para conscientizar pais em campanha para evitar fila dupla

Flávia Lima
Atores fazem performances em frente às escolas para chamar a atenção dos motoristas. (Foto:Marcelo Calazans)Atores fazem performances em frente às escolas para chamar a atenção dos motoristas. (Foto:Marcelo Calazans)
Ivanise Rotta entrega panfleto educativo para mãe em frente ao colégio Maria Montessori. (Foto:Marcelo Calazans) Ivanise Rotta entrega panfleto educativo para mãe em frente ao colégio Maria Montessori. (Foto:Marcelo Calazans)

Esquetes cênicas musicais têm sido o instrumento utilizado pela Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) para conscientizar os pais durante a campanha de volta às aulas, iniciada esta semana, na Capital.
A ação se concentrou nesta quinta-feira (29) na escola Maria Montessori, na rua Abrão Julio Rahe. Durante o período de saída dos alunos, fiscais da Agetran sinalizaram a rua com cones para orientar os motoristas que paravam em frente a escola para o embarque dos filhos, evitando as filas duplas. Também foi observada a travessia correta dos alunos na faixa de pedestres.

Veja Mais
Mototaxistas e taxistas se juntam e percorrem Afonso Pena contra Uber
Homem que morreu atropelado tinha 51 anos e foi identificado pela mãe

Enquanto os agentes e fiscais distribuíam panfletos de orientação, a trupe teatral Chicomaria, que há mais de um ano trabalha com a Agetran nesse tipo de atividade, cantava paródias de músicas chamando a atenção dos pais e alunos sobre a importância da educação no trânsito. A diretora presidente da Agetran, Elizabeth Félix explica que o objetivo da campanha é conscientizar os pais de forma lúdica, atingindo também as crianças e jovens. “Queremos fazer uma campanha com alegria e nada melhor do que o colorido e a música para chamar a atenção na porta das escolas”, destaca.

Para a atriz Rane Abreu, as apresentações divertidas levam o público alvo a repensar a questão do trânsito de uma forma mais leve, sem a sisudez das campanhas tradicionais. “É um novo jeito de discutir um problema que os pais estão cansados de viver, mas que sempre se repete. O humor é um chamariz que ajuda a fixar nos adultos e crianças a proposta da campanha”, diz.

Além das filas duplas, a campanha tem como foco o uso dos equipamentos de segurança, como cadeirinhas e o cinto. Segundo a chefe da divisão de Educação da Agetran, Ivanise Rotta, os acidentes no trânsito são a quarta causa de morte relacionada a fatores externos que mais matam crianças de zero a 14 anos no Brasil. Ela diz que durante a campanha as filas duplas são 100% eliminadas, mas que após o início das aulas o problema volta. “Estamos elaborando um estudo para ver qual o índice de pais que continua seguindo as orientações, mas informações preliminares apontam que ainda é preciso investir muito nas campanhas educativas”, ressalta.

Os pais que foram surpreendidos pela ação, aprovaram o método de usar as artes cênicas como forma de educar quem insiste em infringir as leis de trânsito. É o caso da bibliotecária Gilza Marroni, que recebeu um panfleto sobre o uso de equipamentos de segurança para o transporte de crianças e lembrou que já presenciou muitos pais carregando os filhos no veículo de forma inadequada. “É preciso ficar atento a isso. Não basta apenas colocar no banco de trás”, disse.

Ela diz que muitos pais saem da vaga sem sinalizar obrigando o motorista que chega atrás a frear bruscamente. “É aí que a criança pode se machucar”, ressalta. A pressa dos motoristas que buscam as crianças na porta da escola também é criticada pelo comerciante Antonio Marcos Mortari. Ele acredita que a solução do problema seria colocar agentes de trânsito nas escolas com maior fluxo de veículos, ajudando a organizar as filas. “Os pais brigam por causa de vagas”, revela.

Para evitar confusão, a dentista Andréa Franci procura chegar com antecedência e agilizar o embarque da filha. “O problema é que falta educação nas pessoas. Já vi gente parar no meio da rua atrapalhando o fluxo de veículos, mesmo tendo vaga na frente do colégio”, diz.

Apesar da fiscalização em frente ao colégio, a reportagem do Campo Grande News flagrou um veículo parado em fila dupla aguradando o embarque de um estudante.

Educação contínua - Ivanise Rotta diz que é impossível colocar fiscais todos os dias em frente aos 300 colégios existentes na Capital, por isso a Agetran, em parceria com as escolas, investe em programas e ações educativas ao longo do ano que são realizadas nas aulas e através de feiras pedagógicas.

Ela conta que em 2014, 50 escolas firmaram parceria com o órgão e desenvolveram atividades teatrais, abordagens educativas, feiras culturais e até estudos sobre o entorno da escola para elaborar sugestões que melhorem o trânsito na região.

Foi o que aconteceu na escola Maria Montessori, que fica no cruzamento da Abrão Julio Rahe com a rua Bahia. No final do ano, após um abaixo assinado e mobilização da comunidade escolar, a Agetran instalou um semáforo na esquina, evitando as batidas que aconteciam, muitas delas com pais da escola. “Os jovens serão os motoristas de amanhã, por isso é importante inserir a educação no trânsito no currículo escolar”, afirma a proprietária da escola, Sheila Saldanha.

As alunas Maria Bertucci, 14 e Maria Fernanda Patussi, 14 aprovam a campanha e apoiam as ações contínuas de educação no trânsito durante o ano letivo. “Tem pai que não respeita o próprio filho e não cuida da sua segurança”, critica Maria Fernanda.

O comerciante Antonio Marcos apoia a campanha e diz que ações deveriam acontecer o ano todo. (Foto:Marcelo Calazans)O comerciante Antonio Marcos apoia a campanha e diz que ações deveriam acontecer o ano todo. (Foto:Marcelo Calazans)
Uso correto da faixa de pedestre também será alvo da fiscalização. (Foto:Marcelo Calazans)Uso correto da faixa de pedestre também será alvo da fiscalização. (Foto:Marcelo Calazans)

Esquema e revitalização - A Operação Volta às Aulas prossegue até o dia 20 de fevereiro. Segundo Elizabeth Félix, neste primeiro momento haverá apenas orientações, mas que no futuro serão aplicadas notificações, caso os pais não observem as regras de trânsito. Ao todo, oito colégios receberão a campanha até o dia seis de fevereiro. Como as escolas municipais transferiram o início das aulas do dia nove para o dia 19, seguindo o calendário da rede estadual, a Agetran terá que refazer o cronograma de ações. Ao todo, 16 escolas serão atendidas pela campanha.

A ação irá abranger os principais colégios particulares e da Reme (Rede Municipal de Ensino) no centro da cidade e, também em vias de bairros com grande fluxo de carros e pedestres. Aliada a campanha, a diretora presidente da Agetran explica que 87 escolas terão a sinalização vertical e horizontal da rua revitalizadas. Desse total, 58 já estão prontas. Os 12 Ceinfs da Capital também terão a sinalização das ruas próximas revitalizada e receberão as apresentações artísticas.

Elizabeth Félix explica que as ações acontecem nas escolas onde são constatados conflitos e reclamação da população usuária do trânsito. Essas unidades escolares estão em avenidas e ruas movimentadas, entre elas Mato Grosso, Pernambuco, Albert Sabin, Salgado Filho e Fernando Corrêa da Costa

Apesar da fiscalização, motorista para em fila dupla para pegar filho. (Foto:Marcelo Calazans)Apesar da fiscalização, motorista para em fila dupla para pegar filho. (Foto:Marcelo Calazans)



Fiz uma proposta a um tempo atrás que consiste na seguinte ideia: Durante seis meses os agentes de transito ou quem de direito irão orientar os motoristas sobre todos os aspectos da direção. Durante seis meses os agentes de transito irão multar sem piedade (dentro da LEI). A saber – seta – fila dupla – moto e chinelo – habilitação – documentação vencida - C E L U L A R ao volante etc. Ao final de um ano saberemos o que dá mais resultado.
 
Alex André de Souza em 02/02/2015 14:36:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions