A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

29/11/2011 13:00

Vandalismo no trânsito causa prejuízo de R$ 8 mil por mês na Capital

Fabiano Arruda

Na Rua 13 de Maio, comerciante, portadora de necessidade especial, conta que placa que destina vaga para deficientes físicos foi retirada

Depredação de placas de sinalização é o crime mais comum. (Foto: João Garrigó)Depredação de placas de sinalização é o crime mais comum. (Foto: João Garrigó)

A recuperação de equipamentos depredados pela ação de vândalos, entre as mais comuns, coluna de semáforos e placas dos mais diversos tipos de sinalização, custa entre R$ 5 e R$ 8 mil por mês, segundo informações da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

O diretor-presidente do órgão, Rudel Trindade, relata que há uma equipe composta por três funcionários, que trabalham com um caminhão, destinada prioritariamente para atender a recuperação de sinalização por conta da ação de vândalos. Todos os dias eles são acionados.

“Na avenida Eduardo Elias Zahran as colunas dos semáforos haviam sido pintadas recentemente e vândalos colaram propaganda em todas ao longo da via. Cada uma custa R$ 150. Teremos que recuperar todas na Zahran”, relatou.

"Sempre que é possível identificar o autor, abrimos boletim de ocorrência", completa.

Em relação às placas, Rudel conta que a depredação é variada. Os criminosos dobram as placas, picham e arrancam. Uma placa de Pare, por exemplo, custa R$ 140.

Ainda segundo o diretor-presidente da Agetran, além do prejuízo financeiro, algumas ações provocam bastante confusão no trânsito como nos casos em que placas que reservam vagas a idosos e portadores de necessidades especiais são arrancadas.

Foi o que ocorreu com a comerciante Maria de Fátima Correa, de 56 anos, proprietária de uma loja que fica na Rua 13 de Maio, quase esquina com a 15 de Novembro.

Portadora de necessidade especial, ela conta que a destinação de uma vaga em frente à sua loja já gerou muitos problemas.

Região central tem 48 vagas reservadas para deficientes físicos.Região central tem 48 vagas reservadas para deficientes físicos.

“Já tive que pagar umas três multas e recorri de outras três pelo menos. Agora, disseram que não vou mais ser multada”, conta ela, que tem uma autorização para estacionar na vaga.

Segundo informações da Agetran, vândalos retiraram, na semana passada, a placa que reserva a vaga para deficientes em frente à loja. Alguns dias depois, conta Maria de Fátima, um ponto de parquímetro foi fixado no local.

Agora, ainda conforme a agência de trânsito, uma nova placa deve ser fixada em três dias. Além disso, o órgão afirma que casos semelhantes foram registrados nas ruas Barão do Rio Branco, Antônio Maria Coelho e 15 de Novembro.

A região central de Campo Grande possui 48 vagas reservadas para portadores de necessidades especiais, o que representa 2% do estacionamento. A destinação para idosos corresponde a 118 vagas (5%).

“Gostaria que as vagas pudessem ser utilizadas por deficientes e idosos em conjunto. Estou em fase produtiva e preciso disto”, comenta Maria de Fátima. Outro problema, para ela, comum, é notar motoristas que estacionam na vaga para deficientes. “Um desrespeito”, protesta.

Comerciante, portadora de necessidade especial, reclama de retirada de placa em frente à sua loja na Rua 13 de Maio.Comerciante, portadora de necessidade especial, reclama de retirada de placa em frente à sua loja na Rua 13 de Maio.
Proprietária do estabelecimento mostra autorização para estacionar em frente a seu estabelecimento.Proprietária do estabelecimento mostra autorização para estacionar em frente a seu estabelecimento.
Motociclista sofre várias fraturas após colidir moto em poste
O motociclista Rolson Ribeiro, 34 anos, sofreu várias fraturas após colidir a motocicleta que pilotava contra um poste, por volta das 4h deste doming...
Motorista escapa de capotamento com ferimentos leves
Acidente aconteceu na rua Fernão Dias. Motorista bateu em carro estacionado....



"Segundo informações da Agetran, vândalos retiraram, na semana passada, a placa que reserva a vaga para deficientes em frente à loja. Alguns dias depois, conta Maria de Fátima, um ponto de parquímetro foi fixado no local."

Isso parece ter pouco a ver com vandalismo. Me parece mais um jeitinho do FlexPark de aumentar o numero de parquimetros. Pois colocar parquimetro ao lado da placa ia dar BO...
 
João da Souza em 30/11/2011 12:18:49
Visão administrativa não é para qualquer um não, isso é Dom adquirido e conservado.
 
luiz alves pereira em 30/11/2011 08:22:43
A Educação tem que ser executada pelos pais diariamente, desde criança e assim não ficará rebelde. Em 2º lugar o serviço é mau feito, deveria colocar prego no tronco e concretar, dificilmente alguem arranca. 3º com a metade desse prejuizo, eu pagaria guarda de rua por mês e seria bem cuidada a s ruas´é pra isso que pagamos o mais alto custo de imposto do país.
 
luiz alves pereira em 30/11/2011 08:21:34
O que ocorre é: na colocação das placas de sinalizações cava o buraco e colocam s/ prender bem nos buracos e o material deve ser de metal e usar concreto nas sua bases aí sim será dificil arrancarem. E isso s/ falarmos nas sinalizações horizontais que não recebem manutenção a muito tempo, estão todos apagados.
 
Felipe Salinas em 29/11/2011 10:15:46
esses delinquentes, quando a policia prender deveria além de pagar multa por eles para trabalhar, recuperar o que danificaram pintar recontruir tudo, além de levar uma surra bem dada eles só entende assim, aqui agora está pegando a moda da pichação dos grandes centros.
 
hilibio junior em 29/11/2011 05:52:19
Isso só reflete a educação do povo. Destrói tudo: lixeiras nas ruas, placas de sinalização e por ai vai... Onde não há educação, não há civilidade.
 
Regina Lima Almeida em 29/11/2011 01:31:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions