A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

11/01/2011 12:13

2011 e os "furúnculos" da presidente Dilma

Por Valdivo Begali (*)

Problemas procrastinados criaram situações que exigirão coragem da presidente; mudanças criarão oportunidades para os empresários que refinarem suas estratégias de negócios e planejarem como tornar suas equipes mais eficientes, num mercado cambiante.

2010 foi um ano tão tedioso que cheguei a pensar em não renovar a assinatura de jornais. Nem mesmo a Lei da Ficha Limpa – que tinha tudo para ser a reforma do ano - foi pra valer, pois um velhaco mudou um verbo na última hora e os colegas aceitaram. Longamente presos ao clima “não faça marola, temos que ganhar a eleição a qualquer custo”, nenhum político faria reformas.

A falta de reformas criou alguns furúnculos na economia, que intumesceram e estão vindo a furo: a inflação saiu da meta; as contas externas apontam para um estouro de US$ 64 bi, segundo o Banco Central; e, o pior de tudo, não tem sobrado dinheiro para pagar os juros da dívida pública, que só cresce. As bactérias estão aí e, por isso, os furúnculos incham. É o resultado da paralisia política dos últimos anos.

Essa situação aflitiva vai obrigar a presidente Dilma a fazer intervenções, para evitar o descalabro. Mas há um lado positivo: 2011 traz em seu DNA esperança para os empresários que lutam num mercado competitivo.

Algumas opções são: a presidente vai onerar as importações; ou vai desonerar os custos de produção interna; ou vai dar incentivos aos exportadores, melhorando a margem; ou vai baixar o custo de capital para a pequena e média empresa; ou vai manter o câmbio flutuante apenas para países que também deixam sua moeda flutuar (política do olho por olho).

Comum a todas essas alternativas, a presidente Dilma vai esfriar o consumo, amenizando o apagão da mão de obra que tortura os empresários e é fonte de inflação. Viva 2011.

Os furúnculos que estão vindo a furo vão exigir a atenção da presidente logo no começo. Isso agrada os verdadeiros empresários, pessoas que têm pressa. Outra conseqüência boa: a situação interna não deixará tempo disponível para que seja mantido o protagonismo almejado nos últimos anos no cenário mundial. Foi um fracasso. Dilma já sinalizou. Nossas trapalhadas jogaram para longe o assento importante na ONU que pretendemos. Foi trabalho de amadores. Agora é dar tempo para que os líderes mundiais esqueçam nossas contradições.

Mais pressão em cima da presidente: Copa e Olimpíadas têm data pra valer, e não dão espaço para a maneira “faz de conta” de tocar projetos. Ou aprontamos os estádios ou teremos um fiasco histórico. Ou expandimos os aeroportos ou sofreremos uma vergonha. Ou melhoramos o transporte ou o distinto público não assistirá os jogos.

Essas questões cabeludas exigem planejamento e execução por profissionais de primeira, raramente recrutáveis no meio político. Quanta oportunidade o ano de 2011 está trazendo para os empresários!

As exigências de 2011 estimularão empresários e jornalistas a arregaçarem as mangas; os empresários, refinando suas estratégias de negócios e planejando como tornar suas equipes mais eficientes num mercado cambiante; e os jornalistas, imaginando matérias que despertem a paixão do assinante. Uma prece não vai atrapalhar, porém.

(*) Valdivo Begali é mestre em Administração e possui cursos de especialização em Planejamento Estratégico nas Universidades Columbia e Michigan State, dos EUA.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Caro Ronaldo, esse medicamento, ação, é produto em falta no mercado brasileiro. O que se encontra de quando em quando são alguns placebos completamente inócuos (ou talvez não) a que se dá nomes pomposos como PAC e congêneres. Vergonha, caríssimo, é outro remédio difícil de encontrar.
 
Marly Siqueira Caramalack em 19/01/2011 08:09:28
Sr.Valdivo,para furúnculo,o remédio é unguento de basilicão.Para "puxar",e logo vir à furo.No "furúnculo' Brasil,o remédio é unguento "ação".E rápida e eficiente.E também é preciso uma boa pomada cicratizante,para "curar" lesões cutâneas deixadas pelo inepto que largou o poder(tomara que largue as tetas).Senão,passaremos vergonha perante o mundo.Lembrem-se da Colômbia de 1986. Lembrem-se,PELO AMOR DE DEUS.
 
Ronaldo Ancél Alves em 11/01/2011 02:18:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions