A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

24/06/2013 08:40

A festa de São João, os neopentescostais e a umbanda

Por Jorge Eremites de Oliveira (*)

Em junho de 2008, quando ministrava aulas de Antropologia no curso de Ciências Sociais da UFGD, levei uma turma de alunos para um pequeno trabalho de campo em Corumbá, no noroeste de Mato Grosso do Sul, fronteira com a Bolívia. A proposta era fazer uma pequena etnografia da Festa de São João, aplicando procedimentos metodológicos consagrados na disciplina.

Veja Mais
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas

Depois de aulas e leituras obrigatórias sobre o assunto, partimos de ônibus para a Capital do Pantanal no dia 22 de junho. Escolhemos observar a Festa de São João em um terreiro de Umbanda, haja vista que lá há várias festas para o santo: a oficial, promovida pela Prefeitura, e as que ocorrem em igrejas católicas, escolas públicas e privadas, residências de festeiros devotos, comunidades de bairros, fazendas, terreiros de Umbanda e Candomblé etc. Umas são meramente lúdicas, outras misturam o sagrado com o profano e há aquelas que são apenas sagradas. Escolhemos a terceira situação para o observar.

Alguns alunos estavam receosos e pensavam que o local seria uma espécie de "casa do mal" ou "moradia de Satanás", segundo aprenderam por meio de programas evangélicos na televisão. Outros, contudo, estavam entusiasmados com o proposta e com a beleza e a sociodiversidade da região.

Ao chegarmos ao terreiro no dia 23 de junho, às vésperas do dia do santo, fomos muitíssimos bem recebidos pela dona da casa e por outras pessoas que lá frequentam. Ali encontrei até uma velha amiga dos tempos de criança, quem há muito é praticante da religião. Depois de me ver e certificar-se que era eu mesmo, disse em tom de brincadeira às pessoas da casa: "Esse aí é mais macumbeiro que todos nós!" - referindo-se aos tempos que acompanhava meus pais ao terreiro que frequentavam na cidade.

E começaram a nos explicar o que era Umbanda e como eram as práticas religiosas naquela casa, mostrando-nos cada parte do lugar. Deram-nos uma valiosa aula sobre a Festa de São João, quem na Umbanda geralmente é representado por Xangô, orixá justiceiro e dono dos raios e trovões. Em dado momento, a dona da casa explicou que foi evangélica de uma conhecida igreja pentecostal por cinco anos.

Depois retornou para a Umbanda porque ali era seu lugar, onde se sentia bem e era feliz. Seus filhos, todavia, seguiam evangélicos, inclusive um que era pastor e vez ou outra ali comparecia para tomar conselhos de um Preto Velho. Quando disse isso, muitos alunos ficaram surpresos e depois me perguntaram como aquilo era possível. Respondi que conversão religiosa era uma via de mão dupla: uns vão, outros vem e também há aqueles que ficam aqui e acolá. Além disso, certos ritos praticados pelos (neo)pentecostais são percebidos como idênticos aos da Umbanda e de outras religiões afro-americanas.

Portanto, não era surpresa o que havíamos observado. É por isso que milhares de pessoas vão à missa ou aos cultos em uns dias e, em outros, seguem frequentando os terreiros de Umbanda. Mas quando inquiridos sobre qual é sua religião, respondem: católica ou evangélica, algo que não denota contradição alguma à luz da Antropologia Social.

Depois disso, acompanhamos os preliminares da festa: rezamos um terço e saboreamos um delicioso arroz carreteiro. Por volta das 22 horas fomos levar o andor do santo para o tradicional "Banho de São João", ocasião em que ele é (re) batizado nas águas do Rio Paraguai e milhares de pessoas fazem pedidos dos mais diversos, passando por debaixo dos andores. Há ainda os que pagam promessas e/ou fazem pedidos ao santo: curas, amores, emprego etc.

A partir daquela pequena experiência, a maioria dos alunos tornou-se menos preconceituosa com as religiões afro-americanas e passou a valorizar a sociodiversidade marcante na sociedade brasileira.

(*) Jorge Eremites de Oliveira é pProfessor de Antropologia e Arqueologia.

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...



"Ninguém poderá servir a dois senhores; porque, ou há de odiar um e amar o outro, ou há de se chegar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom. Lucas Capítulo 16, versículo 13".
 
Damares Ramos em 24/06/2013 13:20:23
Parabéns Prof Jorge pelo excelente texto. Precisamos de assuntos dessa forma para desmistificar o preconceito religioso e quebrar os tabus da sociedade que não aprende amar o que não conhece!!!
 
Elson Borges em 24/06/2013 10:17:55
Infelizmente, o grande problema da sociedade hoje é a falta de informação ou informação errada.
Por isso eu penso que antes de criticar, conheça.
 
Afonso Netho em 24/06/2013 09:58:18
Parabéns professor, desta forma, o senhor prova aos alunos e às pessoas de que não existe mal.. o mal está na mente de quem o vê...

O mal está na cabeça dos líderes religiosos, que colocam na cabeça de seus seguidores, de que a palavra dele é a correta e todos os que não estão seguindo a sua linha de pensamento, trabalha com o "capeta", e que esta ou outra religião ou culto, são voltados para o mal...

VIVA A LIBERDADE RELIGIOSA... VIVA A LIBERDADE DE CRENÇA...
 
odracir siarom em 24/06/2013 09:09:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions