A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

04/01/2012 13:30

A morte de Maikon

Por Marcos Alex Azevedo de Melo*

No sopé da montanha em que se transformou o lixão de Campo Grande no dia 30 de dezembro próximo passado, escavadeiras com suas garras de gancho executavam movimentos monótonos para quem está habituado a esse trabalho. Num sobe-e-desce lento seus braços mecânicos procuravam no interior daquela gigantesca massa de detritos a céu aberto, algo diferente da sua penosa missão diária de amontoar, revolver e manipular as toneladas de lixo despejadas pela grande, rica e progressista cidade.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

As garras mecânicas das máquinas e os olhos ansiosos de seus operadores procuravam um menino de 9 anos, que mais de 20 horas antes havia desaparecido no meio daquela montanha. Maicon, filho de um pedreiro e de uma dona-de-casa, tinha sido engolido pela pirâmide de lixo urbano.

Naquele momento de tamanha perplexidade, entre os ecos surdos da multidão que se aglomerou no local – familiares, amigos, vizinhos, repórteres, bombeiros, Defesa Civil – era possível ouvir murmúrios de uma teimosa esperança, a torcida por final feliz com a possibilidade de Maicon ser encontrado ainda com vida. Outra expectativa girava em torno da remota possibilidade de Maikon estivesse longe daquele lugar, fugidio, para livrar-se da dura reprimenda da sua humilde família à sua malograda aventura.

Porém, essa última esperança, nobre sentimento que nos acompanha em todas as fases da vida, particularmente arraigado e incrustrado na consciência dos brasileiros –e está ai o ufanismo do lema “Sou brasileiro, não desisto nunca” – foi desfeita quando a busca acabou com o resgate do corpo da criança, já em fase de decomposição. Era a forma dura e impositiva com que a realidade, adversária frontal do otimismo, se mostrava.

A realidade estava ali revelando ao mundo sua necessária, insensível, única e exclusiva razão de existir, que é a de contrariar sonhos e devaneios. Ao lado do corpo inerme de Maikon estava o seu jazigo provisório, o próprio lixão. E ainda ao lado do lixão a sua penúltima morada, o Bairro D. Antonio Barbosa, uma das comunidades mais carentes da periferia da cidade, destas que ainda existem aos montes em terra brasilis, sem qualquer perspectivas. Diante de um cenário tão fértil e pleno e na esteira dessa triste combinação envolvendo o ser

humano- lixo-dependência o resultado não poderia ser outro: a realidade goleou impiedosamente o otimismo.

A brutalidade da morte de Maikon sensibiliza e se faz maior por ele ser apenas um menino, por ter ocorrido tragicamente em um lixão que funciona há décadas a céu aberto em uma cidade rica e progressista, por ocorrer em uma época em que os adultos, pela tradição religiosa e em função dos efeitos do espírito natalino, costumam presentear as crianças do mundo todo, a tragédia veio contrariar esse espírito.

Oferece um retrato frio de que ainda precisamos percorrer uma longa e desafiadora estrada na busca da justiça social. Para enxergar isso, obviamente não seriam necessários mártires inocentes nem a existencia de mãos esfomeadas à procura de restos de comida, de brinquedos e de sonhos nos milhares nos lixões a céu aberto espalhados Brasil afora.

É este um dos retratos reais e atuais de um Brasil que se diz moderno, mas que não consegue alfabetizar de maneira correta as suas crianças e que não consegue estender o tratamento sanitário adequado a milhões de brasileiros; que produz incentivos fiscais para impulsionar a economia estimulando a sociedade ao consumo, mas não consegue dar uma solução definitiva para a questão dos resíduos e do lixo urbano. São contradições das quais emerge o desequilíbrio de valores que dói na consciência das pessoas do bem.

Maikon morreu e o seu triste exemplo ficou. O que estamos fazendo pelas nossas crianças é muito pouco. Não é apenas a sua singular morte no lixão de Campo Grande que nos dá esse veredito. Esta realidade se manifesta nas constantes tragedias ocorridas nas encostas dos morros, nas favelas, nas cracolândias que funcionam também a céu aberto e na dolorosa ciranda dos moradores de rua.

O corpo de Maikon teve dois sepultamentos. Um provocado pela avalanche do consumismo desenfreado, outro pela histórica marca da exclusão e desigualdade social, que, insaciável, continua devorando e a mutilando vidas pelo Pais. A menos que não seja transformada radicalmente esta realidade, novos Maikons estão por surgir.

(*) Marcos Alex Azevedo de Melo (Alex do PT) ´´e líder da bancada do PT, presidente da Comissão de Permanente de Segurança Publica e membro da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Câmara Municipal de Campo Grande.

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



De que adianta palavras bonita, isso não vai trazer o menino Maikon de volta, temos que nos atentar a uma coisa, isso acontece somente e na pura realiadade da exclusão social, por que nossos deputados, vereadores, prefeitos entre outros não pense melhor em seus salarios enquanto eles ganham de R$ 13000,00 a 30000,00 essas familias não recebem nem 1/100 do que eles ganham.......
 
Vanessa Magalhães em 04/01/2012 04:00:26
Parabéns nobre vereador pelas belas palavras, se é que são de sua autoria e não de um de seus assessores. Agora, resta saber até onde a sua pessoa, eleita pelo povo para proteger nossos interesses, irá se dedicar para buscar a igualdade social tão clamada nesta nossa sociedade consumista e imediatista. Espero estar julgando-o de forma errônea, e que suas atitudes digam o contrário!
 
Carlos de Moraes em 04/01/2012 03:58:30
entendo sua endignação, pois a anos que me revolto com essas injustiça, desigualdade, mas penso o que podemos fazer, se somos tão fraco diante de forças maiores que estermina sonhos e impõe as suas condiçoes, e nós tendo que acata para sobreviver, pois certas atitude podem causar danos tragicos a nós mesmo. O que fazer para mudar isso, por onde começar, pois a cada dia se torna mais dificil!!
 
Vânia F. Caceres em 04/01/2012 02:38:21
Lindas palavras,mas algo será feito para que nenhum outro Maikon se desfaça pelo caminho? Omesmo bla bla bla de todas as tragedias...publicar palavras bonitas é tão facil né!MAS É POUCO...
 
EDNA GOMES em 04/01/2012 02:34:52
É muito triste tudo o que aconteceu com esse menino, espero que essa perca não fica só em notícias, mas sirva como exemplo que algo precisa ser feito, realmente se vivemos em uma capital rica, por que existe tantas crianças que vão até esse local em busca de alimentos ou brinquedos? É uma lástima!
 
Pâmela Rodrigues em 04/01/2012 02:16:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions