A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

03/06/2013 09:50

A morte justificada, mais um indígena tombado!

Por Igor Vitorino da Silva (*)

O silêncio cotidiano sobre o genocídio indígena no Mato Grosso do Sul tortura-me. O grito e ação política dos indígenas e de seus apoiadores ecoam para muitos cidadãos sul-mato-grossenses como ação infundada, despropositada e inconsequente. Mais do que a indiferença política e social, como acusam muitos militantes, aterroriza-me certa cumplicidade social com o uso da violência e a celebração do extermínio social, ou seja, aceita-se e enaltece-se socialmente a morte como solução para a questão indígena tanto no Mato Grosso do Sul como no resto do país.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Talvez, haja certo exagero na minha afirmação. Ou uma “cegueira política”, dirão os conversadores, alimentada pela indignação e revolta que sinto ao ver as notícias de indígenas assassinados ou de povos que foram expropriados das condições de construírem a sua vida livre e digna, mas não há como não perceber que os povos indígenas constituem os seres “matáveis” do desenvolvimentismo projetado pelo Estado Brasileiro em articulação com tecnocracias, grandes empresas, elites econômicas e oligarquias políticas locais-regionais.

A percepção social dos povos indígenas como entraves, gargalos, usurpadores, aproveitadores e bloqueadores do “sonhado progresso e desenvolvimento” minimiza e negligencia as forças sociais e políticas descomunais e perversas que lhes ceifam dia-a-dia o direito de viver em suas terras ancestrais. Essas imagens sociais depreciativas difundidas pedagogicamente, de maneira descontextualizada e generalizada, por parte das mídias nacional e local associadas aos interesses dos grandes proprietários, buscam descredibilizar socialmente a luta sediciosa e crítica dos indígenas. Não é à toa que se ouve gente simples ou bem educada pelos botecos e palácios de qualquer cidade do país afirmando: Invadiram a propriedade alheia!

Eles queriam o quê? Carinho? Tiveram o que mereciam. Esses bandos de marginais, bandidos, falaciosos! Tem que matar mesmo!

Oziel Gabriel será mais um? Transformá-lo-emos em mais um corpo a compor os índices do extermínio histórico da população indígena brasileira? Aceitaremos o discurso de que fora uma simples fatalidade?

Creio que o debate não pode paralisar-se na discussão sobre se as Forças Públicas de Segurança podiam ou não levado as armas para a desocupação, mas, sim, deve-se avançar na problematização (e visibilidade pública) se, realmente, o que levou ao seu uso foi a compreensão etnocidária, que é partilhada infelizmente por vários indivíduos e grupos sociais sul-mato-grossenses e brasileiros, de que o corpo indígena não vale nada e que é um corpo eliminável, um corpo que pode ser imolado em nome da sagrada propriedade e da soteriologia desenvolvimentista.

Esse holocausto está tão arraigado e justificado socialmente que não se discute e nem se percebe uma grande incoerência patente na imagem de indígenas, que resistem com pedras e foices às forças de segurança que exigem o cumprimento da ordem judicial com bombas de efeito moral, treinamento policial para momentos de crise e armas de fogos para “segurança” da tropa. E qual é a incoerência? Desproporcionalidade de força e organização entre a resistência indígena Terena e as forças de segurança pública. Desproporcionalidade vivida no dia da resistência que significa enfrentamento da violência dos jagunços, da estigmatização negativa da mídia, do preconceito social, do peso da corrupção e da articulação política e econômica de proprietários de terras com membros dos poderes judiciário, legislativo e executivo e a mídia nacional, denunciados diariamente por movimentos sociais, pesquisadores personalidades políticas e ONG’S.

A morte do indígena Terena Oziel Gabriel nos impõe uma grande questão política: houve incompetência e ineficiência das forças policiais ou uma operação de extermínio indígena? A justiça não se fará apenas punindo os culpados e apurando-se os fatos, mas, sim, produzindo ações que levem a sociedade brasileira a repudiar e a combater a prática social, corriqueira e rotineira, de eliminação física e social de indivíduos e grupos sociais indesejáveis ou descartáveis para o “bom funcionamento da vida social”.

Como construir uma ordem social democrática respeitada se alguns grupos sociais e indivíduos querem se colocar acima dela e colocar outros fora dela? Ou melhor, como falar em império da Lei se há cidadãos mais iguais do que os outros? Não seria essa a primeira violência a ser combatida? A violência do monopólio privado da Justiça e dos Direitos? Solidarizo-me com a população indígena sul-mato-grossense que resiste sem medo e destemor, dando a vida e o sangue, contra o poder instituído que lhes nega o direito de viver.

(*) Igor Vitorino da Silva é historiador e professor de História Campus Nova Andradina/IFMS, e especialista em gestão integrada em segurança pública.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Poema de Emmanuel Marinho

Um moço chegou gritando:
Mataram um índio..mataram um Índio…

Mais UM

pensou o encostado na parede.

A

… ÏNDIA DOS CABELOS LONGOS E DOS LÁBIOS SORRINDO
… LINDOS COMO A NOITE QUE NÃO TEM LUAR…

Ficou terenamente triste

Uma camionete passou cheia de barulhos
E gás carbônico
Ensurdecendo a madrugada.

O gado pastando indiferente.

TIROS, tiros…

O cego tocando sua sanfona…

avenida cheia de carros.

QUEM MATOU ? QUEM MATOU ?

Perguntava um outro, que ouvia a história.

E aquele que era tratado como louco disse:

Fui eu que matei! Fui eu !
Eu matei !

Você matou!

Todos nós matamos!

SOMOS TODOS ASSASSINOS!!!
 
Priscila Anzoategui em 03/06/2013 12:53:29
Acorda! se forem reaver a terra ancestral dos indígenas, desocupem o Brasil!!!!
Era tudo deles...
 
Thelma Lima em 03/06/2013 11:24:14
eu sou a favor da razão e da lei !!!! porem nunca se ira resolver problemas sociais querendo punir alguem por ter pecado diante as leis de DEUS !!! o que acontece no brasil é preconceito racial contra os nativos verdadeiros donos dessas terras!!! eu sou descendente de italianos !! meus avós chegaram aqui depois dos ditos erradamente indios !!! aqui não existem indios!!indios são os moradores das indias !!!! morador do brasil é brasileiro!!!quem chamou os moradores da america de indios foi vasco da gama !!que pensou que tinha chegado as indias ocidentais!!quando na verdade estava no brasil!!!quem mora no brasil!!! e não é descendente dos ditos então indios !!! veio de fora e no caso chegou depois!!então quem comprou terra no brasil e não comprou dos indios comprou de invasor !!!!!
 
paulo da costa silva em 03/06/2013 10:33:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions