A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

22/12/2011 18:28

Escolaridade em ascensão

Por Luiz Gonzaga Bertelli*

A educação é o maior instrumento de transformação social que existe. Não há desenvolvimento econômico e social sem ensino de qualidade. Nas últimas décadas, muitos foram os exemplos de investimentos no setor que trouxeram resultados positivos, caso das citadíssimas Coréia do Sul e China. Também não se pode dizer que não houve avanços no Brasil. Apesar de pecar na qualidade do ensino – é só ver o desempenho pífio de nossos alunos nas áreas de ciência e tecnologia nas avaliações internacionais – houve avanços significativos, principalmente no tocante ao acesso à escola.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

A universalização do ensino, mesmo que lentamente, está surtindo efeito. Um dado interessante revelado pelo programa Todos pela Educação e pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) mostra que mais da metade dos adolescentes de 14 anos já superaram a escolaridade de suas mães. Entre os jovens dessa faixa etária, 71% cursam os três últimos anos do ensino fundamental e 9,5% estudam no ensino médio. Os prognósticos para o futuro são animadores, já que, quanto mais avançado é o ano em que a criança nasceu, maior é a chance de ela completar o ensino médio.

Os dados mostram também uma preocupação importante: a baixa escolaridade dos adultos, que vem preocupando em maior escala as empresas que buscam por mão de obra qualificada. O alento é que temos uma nova geração que chegará ao mercado de trabalho, no futuro, com mais escolaridade. Mas para que chegue mais bem preparada, será necessário que o poder público invista maciçamente na qualidade de ensino. Há problemas sérios desde o ensino fundamental até o superior que precisam ser resolvidos com urgência. Não é admissível, em pleno século 21, que crianças saiam da escola sem saber ler nem escrever corretamente, ou incapazes de realizar operações aritméticas básicas.

Fatores como a desigualdade social agravam ainda mais o quadro das deficiências da educação brasileira. De acordo com a pesquisa já mencionada, existe um abismo entre o ensino privado e o público. Para se dimensionar a defasagem, basta uma comparação: aos 14 anos, 60% dos estudantes da rede pública já atingiram a escolaridade de suas mães, enquanto, entre os alunos da escola particular, apenas 10% chegaram a esse patamar. Isso indica que as mães de alunos dos estabelecimentos privados têm escolaridade mais elevada. Essas famílias entendem a importância da educação para a formação do indivíduo e podem investir no futuro de seus filhos. E é o que pode acontecer com as novas gerações da classe média emergente no País.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions