A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

23/12/2011 14:31

Formatação do STF deve ser alterada

Por Carlos Henrique Abrão*

A Corte Constitucional do Brasil tem sido reiterada e sistematicamente afligida por uma série de problemas, e muitas críticas lhe são destinadas em razão da falta de celeridade e agilidade nos casos mais polêmicos. Diríamos que a atual formatação do Supremo Tribunal Federal deveria ser alterada para que fosse alcançada uma reconstrução da jurisdição soberana.

O primeiro elemento a ser modificado diz respeito ao número de ministros, pois, de 11, a ideia é que passassem a 15 e formariam, com isso, 3 Turmas, cujo funcionamento seria concomitante, por matéria e assuntos específicos, de competência originária ou derivada.

Ponto outro que merece realce se refere à escolha dos ministros e tempo de duração do mandato. Ponderaríamos que, em razão da composição, dois terços seriam provenientes da classe dos magistrados, com 25 anos de experiência, notável saber jurídico, ilibada reputação e idade mínima de 55 anos.

Estariam em condições de se candidatarem os desembargadores estaduais e federais que comprovassem as respectivas qualidades e fossem submetidos à sabatina para formação de uma lista sêxtupla que, depois, tornaria-se tríplice.

Em função dos 5 restantes, correspondentes a um quinto da Corte Constitucional, um adviria da nobre classe dos advogados, outro do Ministério Público Federal, mais um do Ministério Público Estadual, mais um das Procuradorias e o último mediante indicação da sociedade.

O mais importante é que os futuros indicados poderiam permanecer por 10 anos no cargo e, com isso, abriria-se a oportunidade para reoxigenação da Corte. Ao invés de se aguardar a aposentadoria compulsória com 70 anos, melhor seria que, completado o período de uma década, o ministro deixasse o cargo e desse chance para que novo entrasse, conforme o critério seletivo.

Verdadeiramente, a indicação, como feita atualmente, é deveras de natureza política e não atende aos anseios e aos reclamos da sociedade civil.

Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) poderia objetivar mudança substancial e, com isso, a Corte Constitucional ganharia formato bastante adequado. A feitura do modelo no qual dez ministros seriam originários da classe de magistrados visa dar transparência e, acima de tudo, experiência.

No STF, ao contrário dos demais Tribunais, o ministro deve ser versado em todas as áreas do Direito, ter um conhecimento multiforme, plural e amplo, não se justificando, portanto, a mera nomeação por força a amizade ou conhecimento de alguém de peso da classe política.

A maioria dos processos entrados no STF demora uma eternidade para julgamento e, com a nova composição, ao lado da digitalização e meio eletrônico, todos os ingredientes favoreceriam uma consolidação jurisprudencial melhor para o tamanho do Brasil e as questões internamente relevantes.

Um país que se aproxima de 200 milhões de habitantes e que possui um volume processual incalculável não pode se permitir a ter apenas 11 ministros, ou demorar tempo inaceitável para o preenchimento do cargo na vacância.

Entendemos que o STF deve se adaptar com o novo tempo, arejar sua memória e, principalmente, responder com precisão às demandas individuais e coletivas da sociedade. Ninguém desconhece que o STF, no último lustro legal, avançou, e muito, abriu o debate para questões polêmicas, alterou a análise dos recursos, criou o critério de repercussão geral, reclamações e outros modelos.

Entretanto, tudo se mostra insuficiente e insatisfatório para o reclamo da sociedade, notadamente quando a circunstância envolve delito do colarinho branco, crime tributário, formação de quadrilha, corrupção, responsabilidade penal econômica, ou de políticos.

Não tem conseguido, ao longo dos anos, o STF encontrar um mecanismo que possa superar o impasse, e a lentidão geral traz desconfiança e descrédito. A partir da PEC que perfilhasse uma nova composição, e a integrasse ao modelo de uma maioria predominante de magistrados, com prazo de 10 anos de mandato, tudo isso impactaria na instrumentalização de formas, com ferramentas modernas e capazes de diminuírem a sobrecarga e a relevância do assunto.

Em pleno século XXI, a Corte Constitucional tem sido testada e chamada invariavelmente para se pronunciar, porém, a conotação política que preside o certame retira muito da credibilidade da população, nada obstante se reconheça nos Ministros a sistematização dos requisitos exigidos.

No entanto, o problema é visto sob o prisma do funcionamento, da integração e, sobretudo, de trazer à baila a necessidade da maioria ser proveniente da classe de juízes, mesclando, com os demais, todos os predicamentos que governam a jurisdição soberana.

(*)Carlos Henrique Abrão é desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



Ao meu ver, pode colocar 50 ministros que não vai resolver o problema da lentidão. A lógica é quanto mais pessoas mais inrrolação; é so ver o desempenho das duas casas o Congresso e a Câmara. Quantos projetos relevantes para o país deslanchar mas só agem com rapidez quando se trata de votar o próprio salário. Isso é uma vergonha. O ano que vem é ano de eleição...
 
João Alves de Souza em 23/12/2011 06:10:41
Essas e outras tantas mudanças de relevância para a sociedade brasileira dependem tbém da participação e comprometimento diretos de cada cidadão.
É preciso q saibamos melhorar nosso voto, eleição após eleição. Urge a necessidade de, dentre muitas outras, q cada um de nós introduza na sua rotina cidadã, maior participação na vida política e q sejamos tbém honestos e dignos em nosso dia a dia.
 
Fernando Silva em 23/12/2011 03:32:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions