A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

13/05/2013 09:55

Geração de energia: a busca por fontes mais limpas

Por Henrique Mendes (*)

Na semana passada, o governo anunciou que irá desligar quatro termelétricas até o final de maio, apresentando como justificativa um nível seguro de água nos reservatórios das hidrelétricas. Com essa medida, será possível economizar aproximadamente R$ 100 milhões por mês, uma vez que a geração elétrica nestas usinas é muito mais cara do que na hidroeletricidade.

Lendo assim, parece que temos tudo sob controle e que estamos no caminho certo em relação às questões ligadas a geração de energia no país. Mas o que faltou ser dito pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, é o que realmente deveria ser a notícia. De alguns anos pra cá nossas reservas energéticas não estão mais atingindo o nível de segurança que atingia antes. Os reservatórios das hidrelétricas estão hoje em seu menor índice desde 2001, o qual, antes no período de chuva chegavam a cerca de 95% de sua capacidade, hoje temos 55% desta reserva e sem perspectiva de mais chuvas para garantir o abastecimento.

O que aconteceu no final do ano passado tende a se repetir. Notícias, reuniões e especulações a respeito de um novo apagão devem voltar a ter destaque, pois sem dúvidas o cenário está ficando cada vez mais preocupante. Ao final de 2012 as usinas hidrelétricas estavam operando com seus reservatórios no mínimo, enquanto que todas as térmicas estavam ligadas para atender a demanda de energia do país. Ou seja, alguns dias a mais sem chuva e não teríamos mais alternativas para suprir a demanda energética da população neste período.

Desde então, todas as usinas termoelétricas continuaram ligadas para tentar dar fôlego aos reservatórios e garantir uma reserva para o que vem pela frente - Copa das Confederações agora em 2013, Copa do Mundo em 2014, e em 2016 as Olimpíadas. Grandes eventos que irão atrair muitos turistas os quais irão consumir, dentre outras coisas, bastante energia. Fora estes e outros grandes eventos já agendados no Brasil, existe também a perspectiva de crescimento do país, o que significa mais produção e também maior consumo, sendo a energia a peça chave desta cadeia de acontecimentos que temos pela frente.

O preocupante é que as novas usinas hidrelétricas que estão sendo construídas são do tipo “fio d´água”, que significa que não tem os grandes reservatórios para garantir a geração em tempos de seca. As usinas existentes (térmicas e hidrelétricas) são antigas e necessitam de reparos para evitar danos e perdas recorrentes, assim como as linhas de transmissão que acabam não suportando o uso intenso sem a correta manutenção. Tudo isso sem contar a falta de planejamento, como o exemplo das novas linhas que deveriam estar disponíveis no nordeste onde temos uma usina eólica pronta, gerando energia limpa, mas sem poder agregá-la à rede nacional pelo fato da estatal responsável não ter construído as linhas de transmissão necessárias.

Um relatório publicado pela Ernst & Young descreve um cenário onde a perspectiva é que no mundo, 70% de todas as novas usinas de geração de energia elétrica serão de fontes renováveis - principalmente solar e eólica, e o Brasil tem todo o potencial para continuar sendo a referência em geração de energia limpa. O nordeste tem capacidade para originar cerca de 300 GW apenas com a energia eólica, mais que o dobro do total que temos instalado hoje no Brasil. Mas o que vemos o governo apresentar são usinas térmicas, exploração no pré-sal, importação e subsídio à gasolina, incentivo à indústria automobilística e construção de grandes hidrelétricas na Amazônia - com gastos extraordinários para construção e transmissão, baixa eficiência na geração e uma série de questões éticas e ambientais envolvidas.

Pelos dados disponibilizados no site do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, podemos acompanhar como nossa energia está se tornando mais “suja”. Estamos emitindo mais carbono por unidade de MWh consumido, o que vai completamente contra o proposto pelos acordos internacionais de reduzir emissões de carbono e buscar combater o aquecimento global. Os estados já estão começando a se mobilizar para tentar lançar luz a esta questão e assim traçar metas para fazer com que as indústrias se preparem para novas exigências e regulamentações referentes à gestão das emissões de carbono em sua produção.

A CETESB em São Paulo já exige de determinados setores da indústria a entrega do inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa, assim como faz o INEA no Rio de Janeiro tornando obrigatória a apresentação deste inventário para fins de licenciamento ambiental. Logo, este é um assunto que estará cada vez mais presente no cotidiano dos gestores e responsáveis técnicos das empresas, relacionando cada vez mais a questão das emissões de carbono e o uso da energia no país.

(*) Henrique Mendes é Bioquímico com MBA em gestão ambiental.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions