A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

03/05/2013 14:02

Mãos limpas estarão mais seguras

Luciana Barbosa (*)

O cuidado com a saúde e o simples ato da higienização das mãos são essenciais para prevenir doenças e reduzir infecções. Transformar a lavagem das mãos e o uso do álcool em gel em um hábito frequente é benéfico para todos e pode salvar mais vidas. Principalmente durante a transição das estações do ano, em que o clima está mudando e com isso a circulação do vírus da gripe aumenta, ocasionando um festival de espirros, coriza e tosse, que normalmente são desencadeados por gripes, resfriados e alergias.

Segundo dados do Ministério da Saúde do Brasil, pelo menos duas mil pessoas morrem ao ano em consequência da gripe sazonal, que é a gripe comum. De acordo com autoridades em saúde pública, como o Centro de Controle e Prevenções de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e a Agência de Saúde Pública do Canadá, a proliferação do vírus influenza cresceu neste ano na América do Norte que se deparou com alguns tipos de vírus influenza mais difíceis de serem combatidos.

Tendo em vista a importância deste ato, desde 2007, a Organização Mundial da Saúde (OMS) realiza uma campanha mundial e comemora em 5 de maio o Dia Mundial da Higienização das Mãos. A data escolhida pela OMS associa o quinto dia do quinto mês aos cinco momentos da Higiene das Mãos (antes de contato com o paciente; antes da realização de procedimento asséptico; após risco de exposição a fluidos corporais; após o contato com o paciente; Após contato com as áreas próximas ao paciente).

A campanha “Salve Vidas: Higienize as Mãos”, tem como objetivo melhorar a higienização das mãos e reduzir as infecções relacionadas com a assistência à saúde, promovendo a segurança de pacientes, profissionais e demais usuários dos serviços de saúde e conscientizar, principalmente, pacientes e profissionais da área da saúde, que essa é uma das medidas mais eficaz e prática para prevenção de doenças e infecções contagiosas.

(*) Luciana Barbosa, farmacêutica-bioquímica é mestre e doutora em Saúde Pública pela USP, especialista em saúde da pele do trabalhador e gestão da infecção hospitalar. Atualmente é gerente de Qualidade e Regulatory Affairs e Pesquisadora da GOJO América Latina.

Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions