A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

15/02/2014 08:58

O Titanic e a safra agrícola de 2013

Por Helio Brambilla (*)

A safra agrícola brasileira correu bastante bem, exceção de algumas questões pontuais referentes ao tempo, pois o frio foi muito forteno ano passado, chegando mesmo a nevar nos três estados da região sul, o que prejudicou as pastagens, a produção do trigo, cevada, milho, até mesmo alguns reflorestamentos de eucalipto.

Com efeito, o Brasil atingiu quase 200 milhões de toneladas de grãos, indubitavelmente o segundo país maior produtor de alimentos do mundo, pois para este efeito não vale contar a produção das 28 nações que compõem a Comunidade Europeia como a que segue à produção americana.

Se papel aceita tudo, a calculadora não faz menos, dependendo de quem a opera, mas na política as coisas não são assim. Basta perguntar aos dirigentes da Europa Unida como funciona aquela colcha de retalhos da qual a todo o momento solta um pedaço.

Quanto ao aporte de divisas, a safra do ano passado não conheceu menor êxito: US$ 99,970 bilhões. Subtraídas as importações, o saldo representou US$ 88,291 bilhões.

Há 10 anos, o ex-ministro Luiz Fernando Furlan ao dirigir um painel sobre a indústria, comércio e agropecuária, em Presidente Prudente-SP, exortou os empresários para que exportassem. À época, dos cerca de 200 empresários da região, apenas quatro deles exportavam.

Lembro-me do depoimento sobre a sua primeira viagem de “mascate” a fim de vender os produtos da Sadia. Procurou ele transmitir a agradável sensação que sentiu ao assistir a montagem do primeiro container a ser transportado para o exterior. E concluiu exclamando: “Vocês não sabem como é gostoso exportar!”

Na ocasião, seu grande anelo era de que o Brasil atingisse o valor bruto de exportação se 100 bilhões de dólares, pois até então não excedia a 50 ou 60 bilhões. Hoje, apenas o agronegócio poderia bater à porta do ex-ministro e declarar em tom solene: “Fizemos a lição de casa, pois apenas nós atingimos os 100 bilhões de dólares exportados”.

A propósito, cabem algumas perguntas sobre os demais setores de produção, se fizeram ou não suas respectivas tarefas. Antes, o governo fez a sua parte? A indústria de manufaturados – que já deu apreciáveis saldos ao Brasil – no ano passado, teria feito igualmente a sua?

De acordo com o jornal OESP, 15/01/14, o setor amargou déficit de 105 bilhões de dólares. E, caso não fossem incluídas algumas plataformas que a Petrobrás “exportou ficticiamente” para a filial do Panamá, o déficit teria subido para 112 bilhões de dólares...

O ex-presidente Lula gostava de articular que nunca o pobre teve tanto remédio à sua disposição e a tão baixo preço como os medicamentos agora fabricados no Brasil, sobretudo os “genéricos”. Aliás, tal iniciativa foi do governo anterior ao dele. Mas uma coisa é o dito e outra é o fato.

Não sei se por primariedade ou velhacaria, nunca se falou que os ingredientes dos remédios são todos importados, cabendo ao Brasil tão-só adicionar o amido e distribuí-los... O certo é que o resultado dessa iniciativa no ano passado resultou num déficit superior a 30 bilhões de dólares!

Não vamos nos ocupar aqui da Petrobrás, pois todos sabem em que condições ela se encontra depois de politizada pelo PT. Basta recordar que a maior dívida mundial de uma empresa é exatamente a da Petrobrás, com 250 bilhões de reais!

E atente o leitor que o seu capital que já chegara a quase 800 bilhões de reais, hoje está reduzido pela metade.
Xico Graziano, em artigo para a imprensa, afirmou que o governo Lula/Dilma, em razão da crise da Petrobrás, levou cerca de 100 usinas de açúcar/álcool ao estado pré-falimentar, ou seja, o combustível verde do qual o Brasil se orgulhava encontra-se sepultado num buraco negro...

(*) Helio Brambilla é colaborador da ABim

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



O Brasil precisa de melhores administradores,principalmente aqueles que valorizem e incentivem sua natural vocação agropecuária.A negação de vários governos a esta dádiva divina que nos fez afastar daquela máxima:"Brasil é o país do futuro"
O crescimento das exportações nacionais deve-se muito a bravura e a garra de seus produtores rurais...
 
gladis alaia em 15/02/2014 14:19:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions