A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

26/01/2014 09:11

Para governantes, não é bom negócio ser eficiente no Brasil

Por Marco Asa (*)

Você já deve ter parado para pensar no quanto as obras públicas foram mais adequadas e duráveis e no quanto os serviços públicos já foram mais eficientes no Brasil. Aliás, eficiência é uma palavra que causa calafrios nos governantes. Sabe por quê? Se tudo der certo, ficar pronto no prazo, sair nas especificações adequadas e correr dentro do orçamento, como teremos os “aditivos de contrato”? Como teremos “as verbas emergenciais nas licitações”?

Veja Mais
Convenções internacionais e competitividade
A Odisseia da Chape

Além disso, no Brasil temos alguns absurdos, tais como:
- Nas ruas da cidade, observe: existem ruas e avenidas pavimentadas nas décadas de 70 e começo de 80 que estão lá, até hoje, lisinhas. Outras, inauguradas já nos anos 2000, parecem colchas de retalhos de tanto remendo. Nas minhas produtivas aulas do curso de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, aprendi que, para um asfalto durar, ter qualidade, é preciso se atentar a base, que fica sob a manta asfáltica, o piche. Esta base deve ter pedra brita de dureza adequada, ser profunda e de qualidade. Caso contrário, com as chuvas, as pedras se dissolvem e aparecem os buracos. Acontece que, para o eleitor, aparece só a parte de cima, o piche. Aí temos o “nossa, que prefeito bom, olhou por nós e asfaltou nosso bairro esquecido”. Só que o asfalto tem prazo de validade e, em um ano, na época das chuvas, temos que contratar outra empreiteira amiga para fazer a famosa “operação tapa-buraco”. Mais dinheiro, mais propina e mais “deixa o homem (ou a mulher) trabalhar”, quando alguém reclama da administração...

- O Nordeste brasileiro é um dos locais mais propícios à geração de energia eólica (dos ventos) no planeta. E, lá, foi construído um dos maiores parques eólicos do Brasil. Lindo! Era para estar funcionando há anos, caso não “esquecessem” de projetar um linhão que transporte a energia produzida nas torres para a companhia distribuidora.

Agora, depois de quase uma década de pás rodando em vão, um primeiro linhão, bem tímido, ficará pronto no primeiro trimestre deste ano. Quem é o culpado por esse absurdo? Ninguém sabe e ninguém nunca vai saber. Alguém vai ser punido por esse absurdo? Faz-me rir...

-O sistema ferroviário no Brasil foi sucateado a mando de não sei quem. Todos no Mato Grosso do Sul ou no interior de São Paulo têm saudade dos tempos das românticas viagens de trem. Tem até música: “Enquanto este velho trem, atravessa o Pantanal. O meu coração está batendo desigual”. Pois é. Não tem mais trem de passageiro, mas o trem continua velho. A linha da antiga Rede Ferroviária Federal foi privatizada e os trilhos e dormentes continuam velhos. No interior de São Paulo, acidentes são frequentes, causando até mortes. Em Campo Grande (MS), espaços da antiga RFFSA apodrecem, assim como antigas carcaças de vagões e máquinas apodrecem e viram maternidade do mosquito da dengue por esse Brasilzão de meu Deus...Você sabe onde foi aplicado o dinheiro da privatização da malha ferroviária brasileira? Nem eu! Na conservação e modernização da malha é que não foi. Pra onde foi o dinheiro então?

- Há muitos anos, quando eu era “foquinha” no extinto jornal Diário da Serra, em Campo Grande (MS), lembro de ter feito uma matéria para o caderno de Economia sobre a integração de sistema de saúde. Tempos depois, já quando era sócio do Jornal O Mirante, em Peruíbe (SP), lembro de ter publicado um material sobre a integração do então cartão do SUS, Sistema Único de Saúde. Era uma maravilha. O brasileiro, com seu “supercartão”, seria atendido em qualquer posto de saúde do Brasil e, em instantes, todo o seu prontuário, da vacina do Zé Gotinha ao remédio do Alzheimer, apareceria para o médico e, voilá, saberíamos o remédio a ser aplicado, se o cidadão é alérgico etc. Mas (viu, sempre tem um “mas”), o sistema de informatização não era único. Cada prefeitura ficou responsável de computar os dados e administrar a central. Cada prefeito e secretário de saúde vislumbrou, então, uma possibilidade de ganhar dinheiro e, mais uma vez, ficou no projeto e no capital inicial empregado...

- Lembra quando cada prefeitura era responsável pela coleta de lixo? Que havia uma frota que funcionava e os coletores eram felizes funcionários públicos? Pois bem. Em nome da “economia” na redução das folhas de pagamento, começou a farra das licitações para a contratação de empresas de lixo. Aí, a cada troca governo, há uma briga para vem quem recolhe nosso lixo. Ganha (claro) quem oferece a melhor propina. Enquanto isso, não há uniformidade da coleta, a limpeza do mato das calçadas sempre fica a desejar (exceto perto das eleições, é claro). Além disso, algumas empresas “milagrosamente” cresceram tanto que estão presentes em Capitais e cidades do interior. Existem “monstros” do setor como Litucera e Vega Sopave, dentre outras. Conheço caso de prefeitos que “sumiram” com as frotas próprias de coleta da prefeitura para justificar a contratação das empresas particulares. E a folha de pagamento não encolheu um centavo, justificativa para a demissão de servidores públicos responsáveis pela limpeza e a contratação de empresas particulares...

Temos inúmeros outros exemplos, como o lobby de empresas que “deram ideias” aos políticos, que nos obrigaram a compras coisas e, depois, fica tudo por isso mesmo. Lembram-se dos kits de primeiros socorros que todo brasileiro era obrigado a ter no carro? Todo mundo comprou. Alguém ganhou com isso. Mas, não precisa mais.

Aliás, o Brasil é o país do “deixa pra lá”, do “fazemos como podemos”, do “ah, dinheiro público não é de ninguém”. De ninguém, cara pálida? Ano passado fomos obrigados a pagar mais de R$ 1 trilhão em impostos. Isso é o equivalente ao Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina, ou seja, pagamos de impostos (só os federais) o mesmo que os Argentinos produzem durante todo o ano. Temos retorno? Quase nenhum. Quase tudo vai para custeio, ou seja, para pagar políticos, seus assessores, seus carros, seu combustível, seu material de escritório, seu gasto com postagens, passagens, hotéis, seguro Premium máster blaster de saúde para os distintos e seus familiares etc. etc. etc.
Ah, esqueci. E tem a Copa do Mundo em junho. Olé Brasil!

(*) Marco Antônio dos Santos Araújo, Marco Asa, é jornalista, publicitário e escritor. Contato pelo e-mail marcoasa2003@hotmail.com

Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...
Ponte com o futuro
O agronegócio brasileiro é carta importante no jogo geopolítico mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agri...



Enquanto os governantes não valorizarem a educação ao alcance de toda a nação brasileira e o brasileiro criar consciência política de valorizar bem o seu voto que tem poder de mudar muita coisa, exemplo: não banalizar o seu voto em troca de alguns tijolos, sacolão, dinheiro para viajar, compra de roupa, compra de sapato comprar até de bebidas alcoólicas e drogas, etc. etc. etc. enquanto não houver mudança desta mentalidade medíocre toda sociedade é penalizado. É preciso banir de vez o corrupto e também o corruptor, isso se faz com educação colocada em prática. Neste ano de 2014 temos a oportunidade de mudar algumas coisas com o nosso voto. Portanto, exerce com muita dignidade o seu voto, escolhendo pelo menos, os melhores entre os piores candidatos, que vão trabalhar em benefício do povo.
 
João Alves de Souza em 26/01/2014 14:37:50
Se os governantes, prefeitos, fizerem obras à semelhança dos países europeus, onde o asfalto dura décadas sem reparos, e o mesmo empenho for feito para sanar os problemas na: saúde, educação, segurança pública, moradia, saneamento básico, água, energia, problemas do transito, transporte coletivo,etc,etc, se tudo isso for prestado com serviço de altíssima qualidade, nos vem a seguinte pergunta: Que assunto vão se utilizar os futuros políticos como bandeira de campanha política se tudo vem funcionando a contento na e da sociedade.? Então, é justamente a ineficiência desses serviços prestados à sociedade que gera a pauta de bandeira de campanha política num circulo vicioso interminável. Exemplo: O problema de falta de água no nordeste tem solução já foi demonstrado e porque não resolvem?
 
João Alves de Souza em 26/01/2014 14:24:09
Tudo isso que está em seu artigo os governantes e prefeitos sabem muito bem como devem fazer para um trabalho eficiente e de qualidade. E porque não fazem? Não fazem por causa da famosa corrupção das verbas destinadas na execução das obras. É uma roubalheira desgraçada.Porque será que ficam malucos para se tornarem prefeitos, governadores,senadores,deputados,vereadores? Declaram para a justiça eleitoral um patrimônio e dentro de pouco tempo o patrimônio aumentou em 1000% da para explicar? Esse aumento é somente dos salários? Outra coisa se fizerem bem feito como fica as empresas tapas buracos? Vão viverem de que?. Portanto, é um acerto envolvendo muitos interesses onde cada qual leva uma fatia muito grande do bolo. Não há para o eleitor uma transparência nos gastos públicos. Vergonhoso!!!
 
João Alves de Souza em 26/01/2014 14:03:43
PAREM DE VOTAR !
 
EFIGENEA MORAES em 26/01/2014 11:26:34
Muito bom esse artigo escrito pelo amigo Marco Antonio desabafando a realidade dos nossos politicos continue assim.
 
EUDE FERREIRA DA ROSA em 26/01/2014 10:40:25
Parabéns pelo artigo!! só esqueceu de comentar em seu breve desabafo que "cada povo tem o governante que merece" e essa realidade amigo infelizmente não tem prazo pra acabar. Enquanto formos uma nação de "ignorantes" e mal educados, pessoas que repudiam o ato político, a importância do voto, renegado ao simples ato obrigatório, sem consciência nenhuma, seremos uma nação de faz de conta...O simples ato de jogar um papel de bala na rua já revela quem somos, pense nisso!
 
caio junior em 26/01/2014 09:49:19
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions