A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

06/08/2013 16:07

Porque o movimento contra a terceirização

Por Elvio Marcos Vargas (*)

A terceirização é o processo de transferência de execução de serviços de uma empresa para outra empresa; ou de uma organização para uma empresa. Em praticamente todos os ramos de trabalho (indústria, comércio e serviços) existem atividades que hoje são realizadas por trabalhadores subcontratados.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Consultores empresariais apontam a terceirização como o caminho para a redução de custos e aumento da qualidade, mas a realidade é bem diferente e no âmbito da relação de trabalho, a terceirização equivale à redução de direitos, maior instabilidade e condições de trabalho adversas.

Estudos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apontam que o trabalhador terceirizado:

1) Tem uma maior rotatividade, permanecendo 2,6 anos a menos no emprego do que um trabalhador contratado diretamente;

2) Tem uma jornada semanal de três horas a mais e uma maior rotatividade ficando 2,6 anos a menos no trabalho do que o trabalhador direto;

3) Recebe 27% a menos do que o contratado direto;

4) De cada dez acidentes de trabalho, oito ocorrem entre trabalhadores terceirizados;

5) 72,5% dos terceirizados tem menos direitos trabalhistas do que os contratados diretamente pela empresa;

6) Há uma maior incidência de calote nos impostos entre as empresas terceirizadas.

Está em movimentação no Congresso Nacional um Projeto de Lei 4330/2004 de autoria do Deputado Sandro Mabel (PMDB-GO) que representa um imenso retrocesso aos trabalhadores e caso seja aprovado, ataca os direitos trabalhistas, principalmente em dois pontos como: a liberação da terceirização em atividades fins, ou seja, os bancos por exemplo poderão terceirizar praticamente todo o atendimento à população, afetando diretamente a qualidade do serviço prestado.

Outro ponto é que o PL acaba com a responsabilidade solidaria, assim, caso uma empresa terceirizada não cumpra com suas obrigações, ou vá a falência, a tomadora de serviço não precisará arcar com qualquer responsabilidade.

A principais proposta e bandeiras de lutas das Centrais Sindicais para a regulamentação da terceirização são pela igualdade de direitos, condições de trabalho e salários; pela proibição da terceirização em atividade-fim; pela responsabilidade solidária entre as empresas contratante e contratada e pela penalização das empresas infratoras.

(*) Elvio Marcos Vargas é presidente do Sindicato dos Eletricitários de MS (Sinergia-MS), secretário de Relações do Trabalho da FNU (Federação Nacional dos Urbanitários) e participa do GT (Grupo de Trabalho) da CUT Nacional (Central Única dos Trabalhadores).

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



E também a péssima qualidade dos serviços realizados...
 
Airton Junior em 06/08/2013 17:14:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions