A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

16/08/2015 09:00

Redução do preço do adicional provisório da bandeira não gera benefício

Por Reginaldo Gonçalves (*)

A redução da tarifa relativa à bandeira vermelha em 18% não trará benefício significativo aos bolsos dos usuários. Isso por que os aumentos contínuos da tarifa de energia feitos ao longo de 2015 foram bem superiores à possibilidade de mudança da tarifa da bandeira.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Há mais de 10 anos, infelizmente, não se faz qualquer investimento em hidrelétricas que possa ser considerado significativo e que poderia minimizar o uso da energia das termelétricas. Estas têm custo bem mais alto e criam impactos maiores, inclusive no meio ambiente.

A redução da chuva prejudica o nível dos reservatórios e também a chance de a energia ficar mais em conta. Nos últimos dez anos o volume de chuva foi significativo - não houve preocupação do governo em melhorar o sistema energético e partir para políticas alternativas como biomassa, aeólica, captação de energia com painéis fotovoltáicos ou ondas do mar, por exemplo.

Os gastos com o sistema de energia alternativa ainda são altos. Mas, com o barateamento do processo de captação de energia solar, em breve este poderá ser um caminho que estimule a queda das tarifas.

A proposta de implantação da bandeira já foi, de certa forma, uma alternativa do governo de repassar a responsabilidade pela má gestão do sistema hidrico e elétrico à população. Depois de todos os aumentos que impactaram no bolso, as pessoas conseguirem uma redução de 2% na conta de energia, parece uma alternativa popular de o governo demonstrar que está apenas se preocupando com a camada mais humilde da população.

(*) Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina – FASM
Faculdade Santa Marcelina

 

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions