A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

06/06/2013 09:40

Semeadura de soja e a escolha de cultivares

Por Carlos Pitol (*)

A escolha das cultivares de soja a serem utilizadas em cada safra é um ponto importante na busca de bons resultados de produção.

Veja Mais
A atuação das empresas na era do talentismo
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna

Às vezes este aspecto passa despercebido do produtor, pois ao longo dos anos, ele vai fazendo os ajustes de variedades no seu sistema de produção, definindo as cultivares quase que automaticamente, dentro do que o mercado disponibiliza para aquela safra.

Inicialmente, deve-se considerar se as áreas a serem semeadas são áreas já tradicionalmente cultivadas e que tem um histórico de produção, ou são áreas de abertura ou de início de agricultura. Neste último caso, deve-se considerar a fertilidade original e a acidez do solo e o nível de correção realizado. Nas áreas já em cultivo deve-se considerar o nível de acidez e fertilidade do solo, e o nível de correção e de adubação utilizados.

Visto isto, já se pode pensar nas cultivares adaptadas a estas condições e, dentro disso, as que podem apresentar melhor produtividade.

A época de semeadura também é um fator que interfere na escolha das cultivares preferenciais. Assim como há aquelas mais indicadas para cada período de semeadura, há cultivares que são mais produtivas e competitivas em períodos mais específicos.

O ciclo das cultivares também é um fator de escolha, visando escalonamento de semeadura e de colheita aliado a busca de um bom resultado de produção, além de procurar não concentrar excessivamente a fase de granação, para amenizar o risco de ser atingido por adversidades climáticas na fase mais crítica da cultura.

A condição natural de umidade do solo, solos úmidos ou solos secos também influenciam na escolha da melhor cultivar, devido à tolerância das cultivares à solos úmidos, ou de maior tolerância à seca.

A existência de problemas específicos numa área, tais como doenças de solo, nematóides, superfície do solo muito irregular, ou outro qualquer problema, exigem a escolha de uma cultivar mais indicada para contornar a adversidade específica do local.

Como o melhoramento de soja é dinâmico, e a cada ano novas cultivares são recomendadas, os técnicos e produtores devem manter-se atualizados e optar por novas cultivares quando estas demonstrarem viabilidade, sempre considerando a realidade de cada área e os objetivos que o produtor pretende alcançar.

(*) Carlos Pitol é engenheiro agrônomo, especializado em manejo do solo e do estado nutricional de plantas e atua como pesquisador do setor de Fitotecnia Soja da Fundação MS.

A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil
Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, ...
Inclusão bancária no Brasil
O sistema bancário brasileiro atravessa um momento de aceleração na prestação dos serviços bancários, resultado da estabilidade econômica dos últimos...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions