A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

29/05/2013 09:13

Trabalhando para todos, não para alguns

Por Semy Alves Ferraz (*)

Desde sua posse, há menos de seis meses, o Prefeito Alcides Bernal tem, por reiteradas vezes, dado provas eloquentes de que a Administração Democrática de Campo Grande está trabalhando para todos, não para alguns. Em outras palavras, exercer o mandato conferido pelo cidadão campo-grandense significa fazer chegar os serviços públicos oferecidos pelo Município até o lugar mais recôndito em que houver um morador, uma família, por mais pobre que seja, ou resida na periferia, nos distritos ou na área rural.

Veja Mais
Educação e o futuro da alimentação
Convenções internacionais e competitividade

Coerente com esse princípio norteador, além de executar todos os serviços públicos na Avenida Afonso Pena e demais vias do perímetro central de Campo Grande, a equipe do Prefeito Bernal tem o orgulho de comprovar que o até há pouco esquecido morador dos bairros populares, dos distritos e da área rural começa a desfrutar do bem-estar proporcionado, por exemplo, pelas obras de limpeza e cascalhamento que vêm sendo realizadas em vias não pavimentadas.

É o caso do Jardim Manayra, Aimoré, Vila Quely, Ouro Verde, Rita Vieira, Nova Lima, Jardim das Perdizes, Conjunto Ramez Tebet, Canguru, Los Angeles e Bálsamo. Algumas ruas estavam interrompidas e intrafegáveis havia vários anos. Muitos moradores não conseguiam guardar seus carros nas garagens. Inclusive, não eram poucas as reclamações de moradores que não conseguiam chegar a casa nos dias de chuva ou denúncias de problemas de saúde decorrentes da poeira espalhada pelo bairro no período de estiagem.

Além disso, temos priorizado a recuperação das vias públicas dos distritos de Rochedinho e Anhanduí e a estrada vicinal que dá acesso ao Aeroporto Santa Maria e as estradas do Assentamento Estrela. Aliás, o Prefeito Bernal determinou prioridade para a recuperação das estradas vicinais que atendem os produtores e o transporte escolar. Até porque as estradas vicinais são de suma importância para o escoamento da produção rural e o barateamento dos produtos da cesta básica, em que o chacareiro e assentado são fundamentais.

A definição dessas prioridades não é fruto da vontade imperial do assessor ou do técnico, mas de uma interlocução permanente com a população, por meio de seus canais de participação popular. Levamos em conta as demandas dos dirigentes de associações de moradores e conselheiros regionais. Recentemente, eu me reuni com os presidentes dos sete conselhos regionais para discutir sobre as prioridades na recuperação das vias não pavimentadas por cascalhamento.

Não é demais reiterar que os valores republicanos, para o fortalecimento do Estado de Direito que com muito custo conseguimos construir há menos de três décadas, têm que ser exercitados, de modo efetivo, sincero e desinteressado, no dia-a-dia, com base no marco regulatório de uma gestão democrática, como preconizam as diretrizes do Plano Diretor e legislação correlata.

Por certo, essa inversão de prioridades tem causado desconforto a certos setores da sociedade, acostumados a fazer valer seus interesses sobre os demais, desde os tempos do Mato Grosso uno, quando Campo Grande era uma cidade provinciana. Mas os tempos mudaram, e a Capital começa a escrever uma nova página em sua rica história, repleta de marcos inovadores, e até ousados, de décadas atrás.

E é desse rico período de inovações institucionais que ouso extrair uma citação para concluir este artigo: “Cabe aos Conselhos Regionais, no âmbito da respectiva Região Urbana, entre outras atribuições: acompanhar a aplicação das diretrizes do Plano Diretor e legislações pertinentes, sugerindo modificações e prioridades, inclusive no que se refere às obras e serviços; acompanhar a discussão do Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Anual; e, acompanhar a elaboração dos Planos Locais.” (Extraído do site da Prefeitura de Campo Grande / PLANURB)

(*) Semy Ferraz é engenheiro civil e secretário de Infraestrutura, Transporte e Habitação de Campo Grande.

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



Bom artigo, até que fim estão reconhecendo qual o fator de impacto contra a nova administração.
 
Adriano Volpini em 29/05/2013 09:35:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions