A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

05/02/2016 11:16

Ubiratã, a madeira dura

Por José Tibiriçá Martins Ferreira (*)

Até hoje não sei quem deu o nome de UBIRATAN ao time de futebol de Dourados, denominado Ubiratan Esporte Clube. Em tupi-guarani significa madeira dura, talvez um nome idealizado para ser duro contra seus adversários.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Assim ele foi por muito tempo em épocas do futebol amador, vice-campeão do estado por várias vezes, pois não conseguia ser campeão pois existia o Marítimo de Ladário - Corumbá que sempre foi forte, tendo ali muitos jogadores pertencentes à Marinha, oriundos da cidade do Rio de Janeiro.

Foi fundado em 5 de fevereiro de 1947, quase septuagenário, seu uniforme é composto de camisa preta com detalhes amarelos, calção preto e meias pretas. Obteve muitas glórias na época do amadorismo, tornou-se profissional, ganhou vários títulos também, mas aos poucos surgiram as dívidas e consequentemente a sua decadência. É lamentável que seu patrimônio construído com a ajuda de colaboradores, amantes do esporte, desportistas foi delapidado pelos maus administradores que por ali passaram.

Tinha muitos sócios e não se sabe o que foi feito com os títulos dos quais fui um. Muitos de seus sócios antevendo o caos o abandonou. Naquela época existia o futebol arte, a rivalidade entre os leoninos e os obreiros que lotavam o Estádio Napoleão Francisco de Souza. A empolgação foi tanta que construíram um estádio para o Ubiratã, houve promessa de trazer o Santos Futebol Clube que estava no auge na década de 60 para inaugurá-lo.

Hoje o time praticamente vive de saudosismo, uma vila com o seu nome surgiu ao lado e ao lado do campo de futebol existe um salão de eventos onde nos finais de semana, principalmente nas domingueiras acontecem somente bailes e não sabemos para onde vai o dinheiro arrecadado. Caso para os vereadores de nossa cidade investigarem via CPI. O Leão da Fronteira perdeu a maior parte do seu patrimônio para a União, a terceiros, onde estão instaladas várias lojas, uma delas vende produtos oriundos de Portugal.

O rival do pau forte, o Operário está um pouco pior, o seu ginásio coberto foi destruído, parte de sua estrutura roubada e o terreno também confiscado pelo INSS e anos atrás servia de lugar para os mendigos dormirem. Teve péssimos administradores também e seu pequeno patrimônio diluiu com o tempo e no local foram construído apartamentos para moradia.

A LEDA – liga esportiva douradense onde aconteciam as peladas dos times amadores, ainda está em pé, mas é um mau cartão de visita para quem chega de fora. Não sabemos até quando no local haverá jogos.

(*) José Tibiriçá Martins Ferreira é advogado e produtor rural

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions