A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

08/11/2016 08:27

Regiões do Noroeste e Veraneio lideram em focos do Aedes aegypti

Christiane Reis
Cristiane na porte de casa; ela diz que sem a colaboração dos moradores, visita de agentes não é suficiente. (Foto: Christiane Reis)Cristiane na porte de casa; ela diz que sem a colaboração dos moradores, visita de agentes não é suficiente. (Foto: Christiane Reis)

A chuva está cada vez mais frequente e, com ela, a preocupação com a proliferação do Aedes aegypti, mosquito que transmite dengue, chikungunya e zika vírus. Dados do Lira (Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypit), divulgados pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), revelam que a região dos jardins Noroeste e Veraneio é líder no ranking de focos do mosquito.

Veja Mais
Bairro líder em dengue está sem agentes de saúde, dizem moradores
Após oito dias da cirurgia, homem que recebeu rim do irmão recebe alta

Nestas regiões, foram encontrados 10 focos do inseto. A informação é referente ao período de 24 a 28 de outubro.

Quem mora por ali se indigna com a postura dos próprios moradores. “Não adianta o agente de saúde passar e orientar, se as pessoas ão fizerem a parte delas. O agente passou por aqui hoje mesmo, na minha casa está tudo certo e espero que na casa dos vizinhos também”, disse a dona de casa, Cristiane de Oliveira Egídio, 34 anos. Ela mora no Noroeste há dez meses e já teve dengue no início do ano.

Moradora há menos de um mês no Noroeste, Germina Gonçalves Alonso, 27 anos, conta que já teve dengue e que está com sintomas, do que ela imagina se tratar da mesma doença. “Na rua que eu moro o agente passou, mas acredito que não adianta muito se as pessoas não colaboram”, constata.

A auxiliar de limpeza Joana D'Arc da Silva, 27 anos, contou que mora ali há quatro anos e que o agente costuma passar com frequência, “mas as pessoas precisam colaborar mesmo, senão o trabalho fica perdido”. A amiga dela, a também auxiliar de limpeza, Benvinda da Silva Souza, 29 anos, contou que o marido já teve dengue e que só a presença dos agentes não evita que as doenças ocorram.

Regiões do Noroeste e Veraneio lideram em focos do Aedes aegypti

Ranking – Segundo os dados do Lira, depois da região do Noroeste, aparecem Tijuca e Caiobá (08); Guanandi, Taquarussu e Jacy (08); Nova Esperança, Cohab, Alves Pereira e Botafogo (06); Planalto, Amambaí, Cabreúva e Carvalho (06); Cruzeiro, São Francisco e Jardim dos Estados (06); Estrela Dalva , Chácara dos Poderes e Novos Estados (05); Tiradentes e São Lourenço (04); Universitário (03); Centro, Itanhangá Park, Monte Líbano, Glória, São Bento e Bela Vista (05); Vilas Boas, Paulista, Carlota, Dr. Albuquerque e TV Morena (05); Seminário, Nasser parte e Monte Castelo (04). As regiões estão em alerta, conforme as informações do Lira.

Segundo a Prefeitura, são feitas visitas quinzenais aos pontos estratégicos como borracharias, ferro velhos, oficinas, cemitérios equipes de visitadores, supervisores, borrifadores e fiscal sanitário para inspeção, controle mecânico de criadouros, tratamento focal com larvicida e perifocal com inseticida e educação em saúde para controle do mosquito.

Na Capital, o combate ao mosquito é feito pela Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais, com visitas quinzenais e bimestrais pelos agentes de saúde.

Segundo o chefe de Serviço de Controle de Vetores, Vagner Ricardo Santos, os agentes de endemias somam 450 profissionais que fazem visitas às casas a cada dois meses. “Cada agente visita uma média de mil residências”, disse.

Além dos agentes de endemias, a Capital também conta com o trabalho dos agentes comunitários, que somam pelo menos 1.500 profissionais, ligados às unidades de saúde e fazem visitas mensais.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions