A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

19/04/2013 15:07

Hidrovia Tietê/Paraná pode baratear custo de transporte no Bolsão de MS

Edivaldo Bitencourt
Grupo debate sobre hidrovia em Aparecida do Taboado (Foto: Divulgação)Grupo debate sobre hidrovia em Aparecida do Taboado (Foto: Divulgação)

O escoamento de grãos e produtos industrializados pode ficar mais barato por meio da Hidrovia Tietê/Paraná. Os municípios de Aparecida do Taboado e Cassilândia, na região do Bolsão, querem viabilizar a construção de porto intermodal e a inclusão do rio Aporé.

Veja Mais
Seminário em Corumbá discute investimento na hidrovia
DNIT prevê investimento de R$ 8,5 bilhões em hidrovia

A hidrovia tem 3.290 quilômetros dos rios Paraná, Tietê e seus afluentes para a navegação. A nova modalidade de transporte vai facilitar e baratear o escoamento de cerca de 65% do combustível e 75% dos grãos que são escoados por rodovias de Aparecida do Taboado (MS).

O Projeto Hidroviário Paraná-Tietê abrange uma área de influência compreendida pelos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais.

O prefeito de Aparecida, Robinho Samara, contou que uma área de 161 hectares foi adquirida para ser transformada em porto intermodal pela Constran/Ferronorte no rio Paranaíba. Ele defende a construção do porto para a conclusão do transporte intermodal, de hidrovia e ferrovia.

O objetivo é aproveitar os investimentos federais, que totalizam R$ 145 bilhões em hidrovias, para viabilizar os projetos na região. O projeto da Hidrovia Tietê/Paraná foi apresentado quinta-feira à noite, em Aparecida do Taboado, pelo consórcio formado pelas empresas Ebei, Dzeta e Hidrotopo, que venceu a concorrência pública realizada pelo Ministério dos Transportes.

O consultor técnico da Ebei (Empresa Brasileira de Engenharia de Infraestrutura), Rui Gelehrter da Costa Lopes, explica que a hidrovia está contemplada no Plano Nacional de Viação (PNV), apta a receber investimentos do Governo Federal.
“Os estudos e projetos em torno da hidrovia estão incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e são o marco inicial das ações de melhoria do transporte na região, levando em conta a redução de custos, além de promover o Desenvolvimento Regional na área de influência da Bacia Hidrográfica do Paraná”, detalhou.

O prefeito de Cassilândia (MS), Carlos Augusto da Silva, solicitou a inclusão do Rio Aporé nos estudos. Ele explicou que o município está se tornando o complexo da borracha e que já possui uma área de aproximadamente 30 mil hectares para o plantio de seringueira. Cerca de 300 pessoas já trabalham na extração do látex.

Seminário em Corumbá discute investimento na hidrovia
Um seminário que será realizado nesta terça-feira em Corumbá sediará discutirá os investimentos na hidrovia previstos na segunda fase do PAC (Program...
DNIT prevê investimento de R$ 8,5 bilhões em hidrovia
Projeto do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte) propõe investimento de R$ 5,5 bilhões, no período de quatro, para ampliar de ...
Hidrovia do rio Paraguai passa por vistoria ambiental
As condições ambientais e de navegação da hidrovia do rio Paraguai estão sendo analisadas, ao longo desta semana, por técnicos da Ahipar (Administraç...
Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
A Sanesul e a prefeitura de Nova Alvorada do Sul - cidade localizada a 120 km de Campo Grande - terão que criar no município rede coletora e estação ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions