A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

30/08/2015 14:23

Indígenas caminham por 3 km em cortejo de liderança morta em conflito

Priscilla Peres e Antonio Marques, enviado especial a Antônio João
Indígenas fazem suas orações para pedir proteção. (Foto: Marcos Ermínio)Indígenas fazem suas orações para pedir proteção. (Foto: Marcos Ermínio)
Índios velam corpo em fazenda onde ele morreu. (Foto: Marcos Ermínio)Índios velam corpo em fazenda onde ele morreu. (Foto: Marcos Ermínio)

Cerca de 40 índios fazem neste momento, uma cerimônia fúnebre em torno do corpo do indígena Kaiowá Guarani Semião Fernandes Vilhalva, 24, morto ontem durante conflito por disputa de terra em Antônio João - distante 279 km de Campo Grande.

Veja Mais
Prefeito decreta emergência e pede à Funai alimentos para índios com fome
Entre liminares e tiros, área reclamada por índios é marcada por mortes

O corpo está sendo levado por um carro da funerária para a fazenda Fronteira, onde ele foi morto. Os indígenas acompanham o veículo em caminhada, sob um sol de 35°C por cerca de 3 quilômetros, enquanto fazem suas orações.

Um veículo da Força Nacional acompanha o cortejo para garantir a segurança dos indígenas. O corpo de Semião será velado hoje na fazenda Fronteira e enterrado amanhã, provavelmente no local onde ele foi morto, próximo a um córrego.

Desde ontem, o corpo passava por perícia feita pela Polícia Civil. Polícia Militar, DOF (Departamento de Operações de Fronteira), Força Nacional e Exercito fazem a segurança do local, a fim de evitar novos conflitos entre índios e proprietários rurais.

História - A reserva dos guarani-kaiowá em Antonio João foi homologada em 2005 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois de duas décadas de luta entre índios e fazendeiros. Naquele mesmo ano, no entanto, o STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu a homologação e o caso está parado há uma década. Conforme o Cimi, os índios já ergueram acampamentos nas fazendas Primavera, Pedro, Fronteira, Barra e Soberania.

“Restam apenas duas para ÑanderuMarangatu ser ocupada na íntegra pelos indígenas. Os guarani-kaiowá exigem do governo a presença da Força Nacional na região”, afirma o órgão. As fazendas pertencem ao ex-prefeito de Antonio João, Dácio Queiroz Silva e seus irmãos.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions