A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

29/08/2013 17:59

Jovem de 21 anos é acusada de vender filho recém-nascido em Três Lagoas

Edivaldo Bitencourt

Uma jovem de 21 anos está sendo acusada de vender a filha recém-nascida em Três Lagoas, a 338 quilômetros da Capital. Eles foram indiciados pelo delegado Paulo Henrique ROsseto de Souza, da 1ª Delegacia de Polícia da cidade. A mulher recebeu eletrodomésticos, cesta básica e R$ 200 durante a gravidez para entregar o bebê.

Veja Mais
Mãe é presa depois de doar recém-nascido em Três Lagoas
Pistoleiro morre baleado durante confronto com a polícia do Paraguai

Conforme a assessoria da Polícia Civil, o fato ocorreu na terça-feira, mas só foi divulgado nesta quinta-feira (29). Pela manhã o delegado foi acionado pelo Conselho Tutelar, que informou que Bruna Martins de Oliveira, 21 anos, deu a luz a um menino no domingo (25) e vendeu o filho para o casal Alessandra de Oliveira Pires, 25 anos, e Edmar Gonzaga da Silva, 32 anos, moradores de Três Lagoas. Maria Lúcia Pereira Martins, 43 anos, mãe de Bruna, foi quem denunciou o caso.

Segundo Rosseto, após deixar o hospital, Bruna entregou a bebê ao casal. “O Edmar e a Alessandra acompanharam parte da gravidez e o nascimento do bebê, tendo inclusive ficado com a Bruna no hospital, durante o período de intermação. Após o parto, ela e a criança tiveram alta médica, foram levados pelo casal até em casa, onde ocorreu a venda do recém nascido”, explica o delegado.

De acordo com a Polícia Civil, na casa de Bruna não havia nenhum móvel ou roupa de bebê, demonstrando que realmente a intenção da acusada era vender o filho. Bruna alegou a polícia, que o filho seria registrado por ela e Edmar.

O casal confessou o crime. “Eles disseram ter ‘ajudado’ Bruna com cestas básicas, televisão, cama, colchão, geladeira e R$ 200, além de dar assistência para transporte, conduzindo a acusada aos lugares que precisava para resolver problemas pessoais, o que caracterizou a venda do recém nascido”, contou o delegado.

Bruna, Alessandra e Edmar foram indiciados por dar parto alheio como próprio; registrar como seu o filho de outrem e por entregar filho menor a pessoa inidônea e podem ser condenados a até 6 anos de prisão.

Mãe é presa depois de doar recém-nascido em Três Lagoas
Uma mulher de 21 anos foi presa pela Polícia após ter doado o próprio filho, um recém-nascido de quatro dias. O fato foi registrado pela Polícia Civi...
Médico nega que tenha abandonado pacientes e diz que foi autorizado a sair
O médico Carlos José da Costa Duran, de 41 anos, nega que tenha abandonado o plantão no hospital e maternidade Idimaque Paes Ferreira, o único em Rio...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions