A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

31/10/2014 21:35

Juiz acata denúncia e oito vereadores viram réus em ação por corrupção

Helio de Freitas, de Dourados
Mesmo em liberdade e exercendo mandato, o vereador Elias Alves também virou réu em ação por corrupção (Foto: Portal do MS)Mesmo em liberdade e exercendo mandato, o vereador Elias Alves também virou réu em ação por corrupção (Foto: Portal do MS)

O juiz Eduardo Magrinelli Junior acatou nesta sexta-feira a denúncia do Ministério Público contra os cinco vereadores de Naviraí (a 366 km de Campo Grande), presos desde o dia 8 deste mês durante a Operação Atenas, da Polícia Federal. O magistrado também aceitou a denúncia contra outras oito pessoas, sendo três delas vereadores que não foram presos, mas acabaram denunciados pelo MP. Os acusados têm dez dias para responderem às acusações por escrito e arrolar testemunhas de defesa.

Veja Mais
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Condutor abandona veículo carregado com 800 kg de maconha na BR-163

Em relação a outros cinco legisladores do município, também denunciados pelo MP, Magrinelli Junior indeferiu a denúncia por entender que não existem indícios suficientes da participação deles no crime de organização criminosa.

Com a medida, as dez pessoas que estão presas, mais três vereadores que permanecem em liberdade e exercendo o mandato na Câmara passam a ser considerados réus na ação penal.

O juiz acatou a denúncia contra o presidente da Câmara Cícero dos Santos, o Cicinho do PT; os vereadores Marcus Douglas Miranda, Carlos Alberto Sanches, Solange Gomes e Adriano José Silvério; os ex-assessores da Câmara Wagner Nascimento Máximo Antônio, Rogério dos Santos Silva, o “Rogério Dill”, e Thiago Caliza da Rocha; Carlos Brito de Oliveira, que prestava serviço de sonorização e gravação de vídeo para a Câmara e a empresária Mainara Gessika Malinski, mulher de Cícero dos Santos. Todas essas dez pessoas estão presas.

Magrinelli Junior também acolheu a denúncia contra os vereadores Elias Alves (Pros), o “Elias Construtor”, Gean Carlos Volpato (PMDB) e Vanderlei Chagas (PSD) e indeferiu o pedido em relação aos vereadores Moacir Aparecido de Andrade (atual presidente), Jaime Dutra, José Roberto Alves, José Odair Gallo e Mário Gomes, todos citados nas conversas gravadas pela Polícia Federal.

“Nesses diálogos percebe-se nitidamente indícios suficientes de autoria do crime de organização criminosa – que é o que estou a tratar aqui – em relação aos vereadores Cícero dos Santos, Solange Melo, Marcos Douglas, Carlos Sanches, Adriano Silvério, Jean Volpato, Vanderley Chagas e Elias Alves, de modo que a denúncia se sustenta. Mas em relação aos vereadores Moacir, Jaime Dutra, Odair Gallo, Mário Gomes e José Roberto, não vejo indícios de autoria ou de participação deles no crime de associação criminosa”, afirma o magistrado.

O juiz diz em seu despacho que o fato de os vereadores serem citados nas conversas gravadas pela PF não é motivo suficiente para transformá-los em réus. “Observe-se que também o nome do prefeito Léo Matos é inúmeras vezes citado e nem por isso ele foi denunciado pelo crime de associação criminosa. A denúncia, portanto, é temerária na atribuição do crime de organização criminosa a esses cinco vereadores”.

Acusações - Cícero dos Santos, apontado como o articulador do esquema de corrupção montado na Câmara de Naviraí, é o único dos 13 réus acusado de cinco crimes – organização criminosa (pena de 3 a 8 anos), corrupção passiva (2 a 12 anos), peculato (2 a 12 anos), fraude em licitação (2 a 4 anos) e lavagem de dinheiro (3 a 10 anos).

Marcus Douglas vai responder por organização criminosa, corrupção passiva e peculato (quando servidor público se apropria de valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desvia em proveito próprio ou alheio).

Adriano José Silvério, vereador mais votado nas eleições de 2012, passa a ser réu por corrupção passiva e organização criminosa. A policial civil aposentada e vereadora Solange Melo responderá por peculato e organização criminosa e Carlos Alberto Sanches, o Carlão, agora é réu por organização criminosa e corrupção passiva.

Com base na denúncia dos promotores de Justiça Paulo da Graça Riquelme de Macedo Junior e Letícia Rossana Pereira Ferreira, Mainara Géssica Malinski vai responder por lavagem de dinheiro e organização criminosa. Carlos Brito de Oliveira responde por fraude à licitação, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Os ex-assessores da Câmara Wagner, Thiago Caliza e Rogério são réus por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Previsto no artigo 1º, paragrafo 1º e 4º, II da Lei 12.850/2013, o crime de organização criminosa ocorre quando um grupo de pessoas se organiza de forma estruturada e concatenada para obter vantagem ilícita, mediante a prática de infrações penais, valendo-se, para tanto, de suas condições de empresários ou funcionários públicos.

O vereador Vanderlei Chagas, relator da comissão que analisa cassação de cinco colegas, também virou réu (Foto: Jr. Lopes/Naviraí Diário)O vereador Vanderlei Chagas, relator da comissão que analisa cassação de cinco colegas, também virou réu (Foto: Jr. Lopes/Naviraí Diário)
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Mesmo algemada, mulher usa isqueiro e coloca fogo em viatura policial
Elaine Cristina da Silva de 37 anos foi presa na noite de ontem (8) em Sonora, distante 364 km de Campo Grande, por porte ilegal de arma. Porém, mesm...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions