A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

21/09/2014 17:40

Menina passa mal em festa, morre e a suspeita é de dengue hemorrágica

Alan Diógenes

Thalita Jorge de Moraes, de 6 anos, que ficou em segundo lugar no concurso princesinha da última da Exposição de Sidrolândia, morreu ontem no Hospital Elmíria Silvério às 22h45, onde deu entrada por volta das 13h30, com febre alta e vomitando. O diagnóstico clínico do médico que a atendeu, Jorge La Torre, é de que Thalita possa ter morrido vítima de dengue hemorrágica.

Veja Mais
Menino estuprado por dois adolescentes deve ter alta neste sábado
PF apreende 60 kg de cocaína e prende traficante de 28 anos na MS-164

De acordo com o site Região News, entretanto, como a menina só fez exame de sangue quando seu estado piorou, a confirmação de que se trata de dengue dependeria da necropsia que a família não autorizou porque o corpo da criança precisaria ser levado para Campo Grande e a liberação poderia demorar até dois dias. “Já estamos sofrendo demais para autorizar este procedimento”, confirma a mãe da menina, Érica Rocha.

Há vários meses o Instituto Médico Legal de Sidrolândia não faz necropsia, muito embora a Secretaria de Saúde pague dois médicos legistas para fazer o processo. O serviço não é executado porque a funcionária encarregada de digitar os laudos está de licença-médica. Segundo informações de familiares da criança, a mãe de Thalita a levou segunda-feira passada a Unidade Central de Saúde por causa dos sintomas de uma alergia.

Como ela teve uma infecção de garganta e recebeu medicação, a médica que a atendeu interpretou que a alergia seria uma reação ao remédio. Thalita voltou para casa e até quinta-feira estava bem. A médica pediu um exame de sangue (sem urgência) que a mãe pretendia fazer nesta sexta-feira, num laboratório particular.

Como ontem a menina acordou com febre alta e vomitando, a mãe, levou Thalita de volta ao posto de saúde. Lá o plantonista a colocou no soro e aplicou a medicação contra febre e vômito. Por volta do meio-dia ela foi liberada. Ao chegar em casa voltou a vomitar, a mãe e a avó decidiram levá-la direto para o hospital onde foi internada permanecendo sob observação.

Além da febre e do vômito, apareceram sinais de vermelhidão no seu corpo. O exame de sangue mostrou que o nível de plaquetas estava muito baixo (19 mil quando o normal é no mínimo 150 mil). Como a febre não passava, teve convulsão, foi entubada e o médico plantonista, Jorge La Torre, pediu seu encaminhamento para Campo Grande.

A vaga foi liberada quase nove horas depois e quando estava sendo providenciado seu translado, a menina não resistiu e acabou morrendo.

Escritor douradense lança na terça livro sobre 40 anos de carreira
Será lançado na próxima terça-feira (6) em Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - o livro "A Felicidade pela Literatura: Ensaio entr...
Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions