A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

02/12/2014 12:02

Pedágio em ponte é para atender interesse de MS, diz André Puccinelli

Caroline Maldonado e Leonardo Rocha

O governador André Puccinelli (PMDB) disse nessa manhã que pretende seguir com o projeto de instalação da praça de pedágio na ponte rodoferroviária na BR-436 sobre o Rio Paraná, entre as cidades de Aparecida do Taboado, a 481 quilômetros de Campo Grande, e Rubinéia, no interior de São Paulo.

A disputa para selecionar empresa que irá explorar o pedágio na ponte pelos próximos 25 anos foi aberta pelo governo do Estado no dia 20 de outubro. Em seguida, o presidente da Amop (Associação dos Municípios do Oeste Paulista), Liberato Caldeira, abriu ações contra a iniciativa de Puccinelli no Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul e na Justiça Federal de Três Lagoas.

Segundo o governador, o objetivo do projeto é “atender os interesses de Mato Grosso do Sul e não os bussines de São Paulo”, afirmou Puccinelli. O deputado federal por São Paulo Edinho Araújo (PMDB) também quer parar a concorrência em andamento.

Puccinelli explicou que a concessionária que vencer a licitação terá que fazer nove quilômetros de duplicação do perímetro urbano de Aparecida do Taboado até a ponte. “É por isso [obra de duplicação] que os paulistas estão reclamando, mas o que devo dizer é que dessa vez poderemos ganhar de São Paulo”, disse o governador.

Pedágio – A Seop (Secretaria de Estado de Obras Públicas) não forneceu ainda informações sobre a concorrência, mas conforme apurado pelo Campo Grande News, o grupo FB Participações S.A. propôs o menor valor para o pedágio entre os concorrentes.

O preço máximo estabelecido no edital é R$ 5,20 e o grupo FB Participações S.A. fez proposta de R$ 4,50.

Ponte - A estimativa é que a ponte tenha custado entre R$ 550 milhões a R$ 800 milhões. Ela foi inaugurada em 1998 pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Antes de sua conservação e administração ser transferida para o Mato Grosso do Sul, a ponte era gerenciada pelo Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes).No entanto, a manutenção era precária e entre 2005 e 2006, o Exército foi acionado para executar obras emergenciais.

Deputado de SP e associação vão à Justiça contra pedágio em ponte na divisa
Representantes políticos do Estado de São Paulo querem barrar a instalação de uma praça de pedágio na ponte rodoferroviária sobre rio Paraná entre as...
Menino de três anos morre afogado em buraco deixado por empreiteira
Um menino de três anos de idade morreu afogado na tarde de ontem (22) em Dourados, a 233 km de Campo Grande. De acordo com a polícia, Ademir dos Sant...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions