A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

12/11/2011 14:38

PF ouve testemunhas e aguarda laudos sobre morte de bombeiro

Nadyenka Castro

O soldado Paulo Sérgio da Silva Pompeu, 22 anos, morreu com um tiro no abdômen disparado pelo policial federal Carlos Roberto Statquevios durante um desentendimento entre eles em uma casa noturna de Ponta Porã

A PF (Polícia Federal) ouve testemunhas e aguarda laudos da Polícia Civil para esclarecer as circunstâncias da morte do soldado do Corpo de Bombeiros Paulo Sérgio da Silva Pompeu, 22 anos, atingido por um tiro disparado pelo policial federal Carlos Roberto Statquevios, na madrugada deste sábado em uma boate de Ponta Porã, distante 323 quilômetros de Campo Grande.

Estão sendo ouvidas pessoas que viram a discussão entre os dois servidores públicos e os disparos de tiros, que segundo relatos, começaram a ser feitos pelo bombeiro. Mais depoimentos serão tomados no decorrer da semana.

As declarações das testemunhas e os laudos elaborados pela Polícia Civil, que fez perícia no local, irão ajudar a esclarecer as circunstâncias da confusão que terminou em tiros e morte.

O policial federal e um colega estavam na boate com a intenção de prender um traficante. O bombeiro, em folgam, estava no local para se divertir.

Em um determinado momento o funcionário público estadual se desentendeu com um dos policiais e teria o ameaçado de morte.

Em seguida, o soldado foi até seu carro, que estava no estacionamento, pegou uma pistola calibre 765 e efetuou quatro disparos para o alto. O policial ainda o advertiu dizendo que também estava armado.

Mesmo com o alerta, o bombeiro efetuou mais disparos contra o policial, que reagiu e acertou um tiro no abdômen da vítima. Policiais militares socorreram o soldado e o encaminharam para o hospital do município. Porém, ele não resistiu ao ferimento e morreu.

Após o fato, o policial federal entregou a arma e foi levado para a sede da Polícia Federal O velório e o sepultamento do bombeiro serão realizados em Campo Grande.

Além do inquérito policial, foi aberto procedimento disciplinar.




É a própria PF de Ponta Porã?
É a PF de Campo Grande, ou a CORREGEDORIA da PF?
Seria interessante solicitar essas informações, pois se o que mata também investiga é complicado.
 
Orlando Lero em 12/11/2011 08:26:43
PF MATA MAIS UM E NOVAMENTE É HEROI AFINAL ELES SAO SUPERIORES NAO COMETEM ERROS SAO ASSIMA DE SUSPEITOS SAO PERFEITO. NAO SAO HUMANO POIS NAO ERRAM. MAIS UMA COISA EU SEI SUAS HISTORIAS SEMPRE SAO VERIDICAS .... IRONIA OU AO DO DESTINO.
 
JOAO CARLOS em 12/11/2011 07:51:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions