A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

31/12/2009 15:18

Retrospectiva: Alta tensão entre índios e fazendeiros

Redação

Invasões de fazendas, bloqueios de rodovias, confrontos, feridos e mortes. Apesar do saldo, 2009 pode ser apenas o começo da "guerra" pela posse da terra entre índios e produtores rurais em Mato Grosso do Sul. O clima é de confronto em duas regiões importantes para a economia do Estado, a sul e sudoeste.

A situação termina de forma tão delicada, que o governador do Estado, André Puccinelli (PMDB), vem reiterando os alertas de que mais mortes poderão ocorrer em Mato Grosso do Sul. Em nota, a Igreja Católica, por meio dos bispos, emitiu nota, cobrou uma solução e acusou a "milícia do agronegócio" de promover a execução dos índios no Estado.

Mais atuante em defesa dos índios, o Cimi (Conselho Indiginista Missionário) classificou a situação de "guerra silenciosa" contra os índios. Organizações não-governamentais e movimentos sociais, como o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) também promoveram manifestações em defesa dos índios, que chegaram a ganhar a defesa do juiz federal Odilon de Oliveira.

Mas os produtores rurais não estão sozinhos na luta para não perder suas terras. Sindicatos rurais e a Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul) promoveram uma ofensiva judicial contra os trabalhos da Funai (Fundação Nacional do Índio). Na guerra, já conseguiram vitórias, como a suspensão da demarcação na região de Miranda, e da realização de estudos na área de Campo Grande, Jardim e outros municípios.

Confronto

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions