A notícia da terra a um clique de você.
 
29/08/2014 11:00

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Mário Sérgio Lorenzetto
Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Veja Mais
Diga sim à vida. O aborto é inaceitável
EUA: a homeopatia terá de informar que não funciona

Uma cidade humana e equilibrada, onde a moradia está próxima do emprego, a água vem de mananciais próprios e protegidos, onde o lixo é reciclado e a emissão de gases reduzida. Este é um cenário bastante próximo daquilo que se convencionou chamar de cidade sustentável. Um espaço urbano que preserva o futuro com sua própria ocupação e recursos, e dá conta dos restos que produz. Campo Grande está longe de ser enquadrada nesse conceito. Aliás, nem mesmo discute a possibilidade dessa transformação.

Na esteira do processo global de urbanização, o conceito de desenvolvimento sustentável, dos anos 1980, evoluiu para o de cidades sustentáveis. Não há, no Brasil, nenhum modelo a ser copiado, nenhuma cidade que mereça o título de sustentabilidade. Mas existem debates e algumas ações em grandes e pequenos municípios espalhados pelo território nacional. A pequena cidade mineira Extrema vem pagando os pequenos produtores para preservarem as matas junto aos mananciais. Em Campo Grande, iniciativa como essa com os moradores no entorno dos córregos que cortam a cidade seriam muito mais eficazes e baratas que as tomadas pela administração municipal na avenida Ernesto Geisel para ficar apenas em um deles.

Pedra Branca em Santa Catarina, um condomínio de alto padrão, trata seu esgoto, recicla o lixo da coleta seletiva e coleta água da chuva. Não há em Campo Grande um só condomínio que realize um desses serviços. Nem condomínios e nem bairros. Campo Grande tem lei que trata do assunto, mas está esquecida e sepultada no monte de escombros da administração Bernal e Olarte. Londrina é uma média cidade paranaense. Lá os fundos de vale e as matas ciliares estão preservando os mananciais aquáticos, sem canalização e sem cimentar seus riachos.

Rio Branco é a pobre capital do Acre. Os governantes criaram parques lineares que atravessam a cidade e servem para a retenção da água e espaço de cultura e lazer. Esta é uma iniciativa que ocorreu nas últimas administrações de Campo Grande que sua continuidade foi relegada a alguma prateleira da prefeitura.

Curitiba é uma rica e grande cidade, capital do Paraná, adotou projeto de orientação de desenvolvimento imobiliário ao longo dos eixos de transporte. É uma proposta dos anos 1970 que até hoje vem dando o tom para o crescimento da cidade. Lenta e paulatinamente seguem o mesmo conceito há décadas. O mesmo projeto veio a Campo Grande, os mesmo formuladores do conceito de sustentabilidade foram pagos e desenvolveram a ideia. Ela também foi parar em alguma prateleira da prefeitura.

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Melhor saneamento - Campo Grande dá um salto gigantesco de 20 posições

Se as críticas para com os cuidados ambientais necessários com as nascentes dos córregos ainda persistem, não existe dúvida da enorme melhoria no saneamento propiciada pelos elevados investimentos realizados pela concessionária Águas de Guariroba. O Ministério das Cidades acaba de publicar um ranking dos municípios com melhor saneamento.

Os três melhores colocados são Franca (SP), Maringá (PR) e Limeira (SP). Campo Grande ficou com a posição 33 que pode ser considerada muito boa tendo em conta a existência de 5.570 municípios no país. Mas o dado mais alvissareiro é o do investimento. Foram investidos R$ 113 milhões que possibilitou sairmos da posição 53 para a 33. Ultrapassamos 20 municípios com bons cuidados no saneamento. Há muito a ser feito, mas os dados são promissores. Felizmente o sistema de águas e saneamento de Campo Grande não está sendo gerenciado pela Prefeitura. Um bom exemplo de privatização que deveria ser melhor estudado por todos os municípios.

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável
Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Agrotecnologia - a fazenda em um computador

Demorou, mas chegou. Os softwares sob medida para os agricultores estão chegando ao mercado. Os módulos que compõem os programas permitem um melhor gerenciamento da contabilidade, dos tributos e das contas bancárias envolvendo as finanças e controles de uma fazenda de qualquer porte. Mas existem também os módulos que visam o planejamento da produção, o orçamento e os pedidos de vendas e ainda para a gestão das compras e estoques. Com os novos programas da SAP, Totvs, Accenture e da Sênior, os agricultores terão ferramentas que ajudam a produzir mais, com um menor custo, por gerir melhor o fluxo de caixa e facilitar a logística do negócio.

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável
Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Sem-teto recebem casas que são edificadas em seis horas

Mas isto está disponível somente em Astin, a capital do Texas. A organização Mobile Loaves & Fishes vai oferecer micro-casas para 240 pessoas na cidade após passar dez anos recolhendo fundos. O objetivo é ajudá-las a viver em comunidade, segundo a coordenadora da Ong, Donna Emery. E viver em comunidade não significa, no entendimento da organização, obter tutela vitalícia. Ao contrário, os residentes terão que pagar uma renda abaixo do mercado em valor que chega a R$ 205 mensais. Faz parte do projeto fazer com que os beneficiários sintam-se cidadãos.

As pequenas casas ficarão em uma espécie de bairro com centro comunitário, jardim, teatro ao ar livre e um centro médico. A iniciativa não trata somente de benfeitoria para os abrigados, a comunidade vai poupar. O cálculo da entidade é de que os contribuintes deixem de gastar até R$ 22,7 milhões anuais somente com cuidados médicos direcionados aos, agora, ex-moradores de rua.

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável
Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Zara retira camiseta que remetia a uniformes dos campos de concentração nazistas

Aconteceu nesta semana e o grupo Inditex, proprietário da Zara teve que emitir comunicado público pedindo desculpas. A peça integra a linha “Cowboy Collection” de verão infantil da Zara e trazia uma estrela amarela de seis pontas com a inscrição Sheriff. A tal estrela, porém, foi colocada sobre um fundo branco com listas azuis horizontais. Tudo bem que o uniforme dos presos pelos alemães traziam listas verticais, mas o design levou uma enxurrada de reclamações nas redes sociais por parte dos consumidores.

No site oficial, o grupo Inditex reforça que a t-shirt foi desenhada para lembrar os “American Westerns”, mas aceita as críticas e retira as peças do mercado. No pedido de desculpas, a empresa enfatiza que respeita todas as religiões, culturas e raças. Esta não é a primeira vez que o embaraço de coleções que remetem ao racismo força a Zara a retirar peças e pedir desculpas. A empresa já colocou no mercado uma mala com a suástica e, em outra ocasião, uma T-shirt com a inscrição: "White is the new black" levou a interpretações racistas, tendo que ser retirada também.

É motivo de reflexão o objetivo da Zara de manter-se em evidência. No Brasil, a empresa já foi notificada e levada à Justiça por incentivar o trabalho similar ao escravo nas oficinas de costuras de suas peças, em São Paulo. O Brasil é, contudo, um entre 180 nações que contam com a marca, cujo lucro caiu 7,3% neste ano, chegando a 406 milhões de euros no primeiro trimestre. O EBITDA (resultados operacionais reais antes de provisões, impostos e amortizações) chegou a 732 milhões de euros, resultado abaixo dos 749 milhões de há um ano. Já o EBIT (lucro líquido de exploração) foi de 530 milhões de euros, abaixo dos 559 milhões de euros de 2013.

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável
Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável

Leite bom? Qualidade está no DNA das vacas, aponta pesquisa sueca

O resultado dos trabalhos foi apresentado nesta semana na Universidade de Lund e aponta que por meio do DNA do animal é possível conhecer a utilização correta do leite que ela produz. Frida Gustavsson, responsável pelo estudo, aponta que há genes que controlam as propriedades da coagulação do leite, o que é apropriado para destiná-lo a beber ou fazer leite.

A pesquisadora aponta que, quanto mais rápido acontecer a coagulação do leite, menos indicação haverá para beber e maior para a produção de queijo. O inverso da lógica também se aplica: quanto maior o tempo de coagulação, menor a indicação para queijo e maior para beber.

Por meio de nota, a Universidade de Lund apontou que o estudo vai auxiliar na produção de queijo e poderá direcionar o trabalho dos criadores a oferecerem leite de alta qualidade. Além disso, a pesquisa ajuda a simplificar a logística do processo de produção e aumentar a rentabilidade da pecuária leiteira.

Campo Grande está muito distante de ser uma cidade sustentável



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.