A notícia da terra a um clique de você.
 
06/01/2014 07:45

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

Mário Sérgio Lorenzetto
Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

O estouro das ferrovias e a barreira do galope

Veja Mais
Prefeituras iniciam decretos de calamidade financeira
O ronco da barriga é o fator decisivo

Você sabe o que é quebrar a barreira do som ou da luz, mas já ouviu falar da barreira do galope? Era ultrapassar a velocidade máxima do galope de um cavalo, que em 1829 chegava a 40 km/h. Para aquela época, um fenômeno indescritível. Robert Stephenson tinha acabado de criar a primeira locomotiva a vapor “veloz”, quase atingia 50 km/h. Foi denominada Rocket, como a atual loja de auto peças em Campo Grande. Era uma maria-fumaça que levaria pessoas de um lugar para outro rapidamente, mas ela seria responsável também por uma das maiores bolhas especulativas da história.

A ultra rápida Rocket não tinha uma estrada de ferro de verdade onde pudesse “voar” à vontade. Com a invenção da Rocket, um grupo de investidores resolveu tomar a iniciativa – lançaram ações no mercado para financiar a estrada. Em 1830, estava concluída. Tinha 56 km e ligava Liverpool a Manchester. O povo adorou a ideia de viajar mais rápido, e sem perder a classe empoeirando a roupa na estrada. Vivia lotada.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

Investidores aproveitam boom do momento mágico das ferrovias

Rendeu tanto dinheiro aos acionistas quanto uma companhia de foguetes que viajassem de São Paulo a Campo Grande em 10 minutos renderia nos dias atuais. Os acionistas compravam algo como R$ 100 mil em ações e a cada 12 meses, recebiam R$ 50 mil limpos na conta. E isso só de dividendos. Um negócio bom demais para ser verdade. Mas era verdade.

E o que não faltou foi investidor a fim de capitalizar com esse momento mágico. Se as pessoas queriam andar de trem, como hoje desejam transportar soja e milho, toca a fazer mais ferrovias. Lançaram mais ações no mercado e botaram um exército de operários para marretar trilhos pelo país todo. Nada de muito diferente do que estão tentando fazer por aqui e pelo vizinho Mato Grosso. Em 1842, 13 anos depois da Rocket, a Grã-Bretanha já tinha 3,2 mil km de linhas. Algumas empresas de ferrovias valorizaram 500% de uma hora para outra. Em janeiro de 1845 apareceram mais 16 projetos de estradas de ferro. Em abril mais 50. Em setembro, 450.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

A demanda por ações dessas empreitadas estava indo além da conta

Culpa de uma falha de regulamentação governamental. Um projeto de ferrovia precisava ganhar a chancela do governo para virar realidade. Mas os investidores poderiam lançar ações no mercado antes disso, sem nem saber se teriam autorização para operar algum dia.

A loucura era maior ainda. As pessoas não precisavam pagar no ato pelos papéis. Alguém reservava 1 mil ações de uma empreitada por 1 mil libras e só precisava dar o dinheiro depois que o projeto fosse aprovado. Como todos queriam ter essas ações, os mais espertos corriam para reservar as suas. E os muito mais espertos faziam isso sem nem ter dinheiro no bolso: reservavam ações e vendiam os próprios recibos das reservas com ágio no dia seguinte. Faziam dinheiro do nada. Estava armada a bomba de uma das maiores pirâmides da história da economia.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

E, como não deveria deixar de ser, no meio do caminho – do trilho – havia uma bolha

A bolha tinha inflado da forma mais perversa – eram compradores de mentira negociando ações de mentira. Dois anos depois era tanta gente vendendo e tão pouca se aventurando comprar que o valor dos papéis tinha ido ao chão. Só os boatos de que havia alguma coisa de podre no reino das ferrovias bastou para estourar a bolha. A desvalorização somada de todas as ações seria como se mais de US$ 1 trilhão tivessem evaporado.

A Grã-Bretanha sairia dessa crise depois e teria um novo “produto” de exportação: engenheiros. Criaram a fama de eficiência e rodaram o mundo. O melhor de sua época, James Brunlees veio para o Brasil construir a nossa primeira ferrovia que levava passageiros de Petrópolis à baía de Guanabara. Quem investiu para a construção dessa estrada foi o Barão de Mauá que, inicialmente, pensava em unir o Sul até o porto de Santos para escoar a produção de café, açúcar e algodão. Alguma semelhança com as estradas projetadas na atualidade?

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário
Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

Um novo capim promete revolucionar a pecuária do Cerrado

O capim-paiaguás é uma excelente opção para a diversificação de pastagens em solos de média fertilidade no Cerrado. Foi selecionada com base na produtividade, vigor, produção de sementes e, apesar de não apresentar resistência à cigarrinha-das-pastagens, mostrou ter elevado potencial de produção animal no período seco, com alto teor de folhas e bom valor nutritivo.

A grande vantagem dessa brachiária é durante o período seco, quando apresenta maior acúmulo de forragem de melhor valor nutritivo, resultando em maiores ganhos de peso por animal e por área. Na média de três anos produziu em ganho de peso vivo por área 45kg/há/ano a mais que o capim-piatã usado na comparação feita pela Embrapa.

Brachiária-paiaguás é um dos mais de 200 experimentos da Embrapa voltados à pecuária

A brachiária-paiaguás foi criada nos três mil hectares do Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Corte – CNPGC – unidade da Embrapa, situada em Campo Grande. Lá existem mais de 200 experimentos visando à melhoria de uma pecuária que ocupa 170 milhões de hectares de terras no país, com um rebanho estimado em 211 milhões de cabeças. Essa imensa área de pasto, equivalente a mais do triplo da ocupada pela produção de grãos como soja, milho, feijão e trigo, poderia ser menor e utilizada para outras finalidades caso aparecessem forrageiras melhores e mais nutritivas para o gado. A promessa da Embrapa é de que chegou o dia de usar a melhor forrageira que conseguiram criar em quase 10 anos de pesquisas – o capim-paiaguás.

O comércio dessa braquiária está por conta das empresas ligadas à Associação para o Fomento à Pesquisa de Melhoramento de Forrageira – Unipasto – de Brasília, que funciona como multiplicadora das sementes melhoradas.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário
Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário
Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

Oxitocina, o hormônio da identificação de uma pessoa com outra, pode determinar o PIB dos países

Quem garante é Paul Zak, um dos maiores especialistas em oxitocina, professor na Universidade de Claremont (USA). Ele entende muito bem o que estimula o sentimento de segurança que surge na presença de amigos e familiares. Quando foi descoberta em 1906, pelo médico britânico Henry Hallet Dale, a oxitocina foi apontada como responsável pela ligação entre mães e filhos. Dale notou que, durante as contrações do parto e a amamentação, o nível do hormônio no sangue da mulher cresce. Pesquisas mais recentes desmentiram que a oxitocina era residual nos homens como são os mamilos. A substância também afeta os homens.

Foi um estudo econômico que estimulou o cientista a juntar as peças. A pesquisa mostrava que países com grandes níveis de confiança entre seus habitantes, como Dinamarca e Suíça, tinham índice maior de prosperidade e, por consequência, economia em alta. Em países considerados “desconfiados”, como Brasil e Colômbia, a população tinha dificuldade em alcançar um nível econômico maior.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário
Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

Desafio para o mercado moderno é obter confiança

Como estimular a confiança? Como fazer com que uma pessoa tenha uma boa impressão de um estranho e confie nele? Afinal, é nisso que se baseia o comércio moderno.

Zak respondeu a essas indagações com a possibilidade de ser a oxitocina, a responsável pela empatia, a identificação de uma pessoa com outra. Ao analisar o sangue de pessoas nas mais diversas situações, em busca dessa molécula, ele afirma que comprovou, que de fato, esse é o papel da oxitocina.

A suposta relação entre as substâncias químicas do cérebro e a economia, mediada pela oxitocina, ajudou o pesquisador a forjar o termo “neuroeconomia”. A partir disso, criou um centro de estudos na Universidade de Claremont. Lá, são analisados os efeitos dessas substâncias na maneira de comprar, vender e, em última instância, na economia e no PIB de cada país.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário
Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário

Ricos e nem tão pobres pretendem viajar mais em 2014

O brasileiro pretende viajar mais em 2014 e não apenas que tem renda média elevada. Segundo o Ministério do Turismo, os brasileiros com renda de até R$ 2,1 mil elevaram os planos para viajar de 8,8% para 17,9% no ano passado. Quem ganha mais também pretende viajar mais. Entre as famílias com renda média mensal de R$ 9,6mil, subiu de 53,3% para 61,4% a vontade de viajar. Os percentuais consideram dezembro de 2012 e dezembro de 2013 e apontam o desejo dos brasileiros de viajar pelos próximos seis meses tanto para destinos nacionais como os internacionais.

Aqueles que estão nas faixas salariais intermediárias – R$ 2.101 a R$ 4.800 – também querem viajar mais, só que em proporção menor que os dos extremos em rendimento. Para eles, saiu de 25,2% para 26,2% o desejo de viagens. Entre os que ganham R$ 4.801 e R$ 9,6 mil, de 39,7% para 41,9%.

Além de querer viajar mais, os brasileiros também aumentaram o desejo de conhecer destinos nacionais. São 76,2% que pretendem trechos nacionais contra 22% que planejam outros chegar a outros países. A Região Nordeste é a prefeitura, com 40,1%. Em segundo lugar está o Sul, com 23,3%, segundo pelo Sudeste, 21,7%. A maioria quer usar o avião para descolamento, 53,2%. O automóvel é a preferência de 35%, e o ônibus, com 7,8%.

Da locomotiva a vapor à loucura do mercado de ações no setor ferroviário



Há muitos anos passo em frente todos os dias da loja Rocket nunca imaginei a historia que tinha nesse nome. Muito boa. Acho que nem o dono da loja sabe dessa hist´roia. Também é muito importante saber que por tras havia um grande golpe na indústria das ferrovias tão em voga no nosso país e no Mato Grosso do Sul.
 
Erminio Assunção em 06/01/2014 16:37:54
Ótima informação sobre o capim paiaguás.
 
Gerson Elizandro em 06/01/2014 10:11:24
Interessante matéria sobre a "barreira do galope." À tal velocidade as pessoas sentiam tontas.
Só para ajudar o pessoal daqui, a palavra inglesa "rocket" significa foguete e é lida assim "r'óque't" e não "róquétchhhhh". Essa pronúncia não existe e por isso não é compreendida nem aceita no enorme resto do mundo. Alguns podem pensar que a palavra "rocket" possa ter vínculo com a palavra "rocha". E de fato tem. Rocket vem do italiano "roccheta" (diminutivo de rocha ou fortaleza).
Fontes:
The Free Dictionary http://www.thefreedictionary.com/rocket
Google Translator (italiano => inglês)
rocca - noun (substantivo)
fortress, fortezza, rocca, roccaforte
rock, roccia, scogliera, rocca, scoglio, rupe
 
Cristiano Arruda em 06/01/2014 09:46:03
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.