A notícia da terra a um clique de você.
 
02/06/2014 08:48

Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano

Mário Sérgio Lorenzetto
Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano

A pesquisa científica em Mato Grosso do Sul desponta e será ampliada

Veja Mais
Presídios: é sempre mais do mesmo
O caminho onde as bananas valem mais que as pessoas

Desenvolvimento focado na definição de estratégias alcançadas por meio da pesquisa científica. Em Mato Grosso do Sul, entre os exemplos profícuos está a Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul), criada em 1998. Conforme o presidente da entidade, Marcelo Augusto Santos Turine, somente no ano passado, a Fundect investiu R$ 14.741.410,69 em recursos próprios do Estado e de parceiros. “Para 2014, a previsão é investir o montante de R$ 28,5 milhões, sendo R$ 7 milhões especificamente em projetos de inovação em empresas sul-mato-grossenses”.

A composição dos recursos para a pesquisa científica financiada pela Fundect foi definida pela Emenda Constitucional nº 13 de 23 de junho de 1999, artigo 42 da Constituição Estadual. Assim, a principal fonte de receita da Fundação é, no mínimo, 0,5% (meio por cento) da receita tributária do Estado. A distribuição ocorre em 12 parcelas mensais. Turine explicou que além do recurso legislativo, a Fundect celebra acordos e convênios com as agências de fomento do governo federal (Capes, CNPq e Finep) para a execução de programas de Ciência Tecnologia Inovação em parceria. E a Fundect também está autorizada a receber contribuições e doações de pessoas físicas e jurídicas de direito público e privado, nacionais e internacionais, além de receitas advindas de convênios, acordos e ajustes. “O grande desafio é o cumprimento constitucional para o investimento em Ciência em Tecnologia e Inovação. O importante é que anualmente estamos aumentando o investimento em projetos de inovação, e esperamos que as mudanças políticas não influenciem no crescimento da política de Ciência Tecnologia e Inovação de Mato Grosso do Sul”.

Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano

E realmente é desafiador

Criada em 1998 pela lei 1.860, de 03/07/1998, a Fundect é pessoa jurídica de direito público, sem fins lucrativos, com patrimônio próprio e autonomia administrativa e financeira. O mesmo ocorre com as demais 26 fundações de amparo à pesquisa do país. Turine explica também que todas as ações apoiadas pela Fundect são selecionadas por meio de chamadas públicas e devem ter mérito técnico-científico ou caráter inovador. “Quando uma proposta é inovadora tem prioridade na avaliação. Quem tem grande potencial de inovação são as empresas. As instituições de ensino e/ou pesquisa geram conhecimento para sua potencialização nas empresas. Nosso grande desafio, como governo, é aproximar as empresas com as instituições de ensino e/ou pesquisa”, explica.

Também são olhados de maneira diferente os projetos apresentados por jovens talentos que tenham relevância e visem ao desenvolvimento econômico e social como meio de contribuir para o crescimento do setor empresarial (startups). O mesmo ocorre para as propostas cujo objetivo é fortalecer as incubadoras de base tecnológica e as parcerias da academia com o sistema empresarial de Mato Grosso do Sul. “A educação, ciência, tecnologia e inovação são instrumentos centrais para um projeto de desenvolvimento capaz de combinar crescimento econômico, justiça social e sustentabilidade”.

Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano

Fundação apoia mil projetos de pesquisa

Não há uma área considerada prioritária para o direcionamento da pesquisa, contudo, a vocação do Estado para o agronegócio, a maioria dos programas é voltada para este segmento. “O setor é responsável por 70% do Produto Interno Bruto e a existência de vários programas de mestrado e doutorado em ciências agrárias, o número de propostas de projetos aprovadas é sempre maior na área de Ciências Agrárias, seguidas pelas Biológicas e Ciências Exatas e da Terra e Ciências da Saúde”, aponta Turine. O presidente indica que há necessidade de estimular a pesquisa em áreas estratégicas como Biotecnologia, Bioenergia e nas Engenharias. “São áreas fundamentais para geração de patentes e impacto direto no desenvolvimento econômico”, justifica.

No campo atual, 18.765 pesquisadores, estudantes e empresários estão cadastrados no SINGFAP (Sistema de Informação e Gestão de Projetos das Fundações Estadual de Amparo à Pesquisa), ferramenta criada pela Fundect em parceria com o Laboratório de Engenharia de Software da Faculdade de Computação da UFMS. O SIGFAP gerencia informações do Sistema Estadual de Ciência Tecnologia e Informação, como o cadastro de pesquisadores, de instituições de ciência e tecnologia, empresas, consultores ad-hoc, além de processo de padronização de pesquisa, bolsas, indicadores e programas da Fundação. No sistema, além dos pesquisadores, estão agrupados 2.552 projetos concluídos e 1.005 projetos de pesquisa em andamento. “Em MS temos o financiamento de 1.005 projetos de pesquisa e bolsas para formação de recursos humanos”.

Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano

Para os cadeirantes não bastam as rampas

...as portas têm de ser automáticas e com botões de acesso

Parece óbvio, mas os cadeirantes não têm apenas direitos, eles fazem parte da economia moderna. Aliás, quanto mais moderna é a economia, maior o número de cadeirantes e de sua inserção na economia.
Muitas lojas já perceberam e começaram a implantar os botões que facilitam o acesso dos cadeirantes. São botões enormes que os cadeirantes dão um tapa e a porta se abre automaticamente. E eles vão às compras, e como compram. E vão de ônibus com acessibilidade e de táxis que começam a ter uma frota especializada - automóvel diferenciado e motorista treinado.

Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano
Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano

A proibição mais inacreditável da história

O fascismo é até hoje detentor da alcunha de uma tirania moderada. Em nada comparável ao nazismo quando se trata do quesito crueldade e mais distanciado ainda pelas galhofas que protagonizou. Ainda que, aparentemente, todo o poder estava alocado nas mãos de Mussolini, não existia e não existe poder de um homem só. Mussolini era detentor de um imenso poder, mas sabia que não poderia preservá-lo sem o apoio de outros fascistas.

Quatro personalidades, muito diferentes umas das outras, ocupavam posição privilegiada: Italo Balbo, o “condottiero” sedutor, cuja imensa popularidade adquirida com os grandes voos transoceânicos, dois para os Estados Unidos, fará sombra ao Duce (Mussolini); Giuseppe Bottai e Dino Grandi, os dois intelectuais do entourage mussoliano que formarão o núcleo de comando junto com Achile Starace, secretário do Partido Nacional Fascista e considerado o inventor do “estilo fascista”. Starace foi encarregado de organizar as práticas destinadas a fazer nascer o “novo homem”.

No decurso de seus oito anos na direção do partido, chamou sobre si toda a zombaria que podiam provocar nos italianos a introdução do “passo romano” nos desfiles militares, a proibição de beber café ou ainda a condenação da macarronada, considerada um alimento “amolecedor” da raça. Proibir macarrão, para a imensa maioria dos italianos, se aproxima da proibição de beber água. O fascismo só poderia acabar com Mussolini e o “genial” Starace: mortos e pendurados pelos pés, de cabeça para baixo.

Orçamento previsto para pesquisa em MS chega a R$ 28,5 milhões neste ano



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.