A notícia da terra a um clique de você.
 
08/04/2014 09:00

Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização

Mário Sérgio Lorenzetto
Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização

Os muçulmanos de Mato Grosso do Sul

Veja Mais
Diga sim à vida. O aborto é inaceitável
EUA: a homeopatia terá de informar que não funciona

A história do Islam começa com o profeta Maomé, cujo nome completo é Muhammad ibn ‘Abdallah. Os muçulmanos o denominam “O Profeta de Deus” ou o “Bem Guiado”, e o consideram não só o maior dos profetas de Deus, mas o melhor exemplo de vida humana. Todavia, consideram que ele foi somente humano, que não foi divino, se bem que não teve pecado. Maomé nasceu na cidade de Meca, na Arábia Saudita. Foi mercador e caravaneiro. Por volta do ano 610, quando se dedicava às orações no mês do Ramadã, Maomé relatou que recebeu a visita do anjo Gabriel, que lhe ordenou recitar as palavras que lhe comunicaria. Maomé descobriu que podia recitar a mensagem ao pé da letra. Os muçulmanos denominam esse evento como “Noite do destino” ou “Noite do Poder”.

Maomé denominou “Islam” ao sistema religioso que estabeleceu. Seu significado é “entrega” ou “submissão”, sendo os muçulmanos submissos a Deus. O Islam estabeleceu leis: de matrimônio- permitia um máximo de quatro esposas desde que as amasse e tivesse condições de sustentá-las; comerciais – proibia a usura ou interesses sobre empréstimos; um dízimo para ajudar os pobres – 2,5% do que a pessoa ganhava no ano; orar todos os dias – cinco vezes ao dia; e a peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida a menos que uma enfermidade ou a pobreza o impeçam.

Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização
Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização

Verdades ainda pouco conhecidas sobre mulheres e crianças

Além da questão da belicosidade, muito mal compreendida no mundo ocidental, a outra consideração comum ao islamismo está no trato com as mulheres. Maomé, ao contrário de seus contemporâneos, tinha uma relação livre e de aceitação das mulheres. As leis do Corão, o livro maior do islamismo, outorgavam a elas alguns direitos que eram raros na Europa do século VII. Por exemplo, tinham direito à propriedade e ao divórcio. Ele falava abertamente com as mulheres e as escutava. Respondia com clareza a suas perguntas sobre o Corão e o Islam. Mas, talvez, a maior contribuição de Maomé para as mulheres raras vezes é divulgada, ele eliminou a prática do infanticídio, que era comum principalmente contra as meninas, menos desejadas que os meninos. Tal prática era corriqueira não apenas no Oriente Médio, mas também na Europa e na China.

E foi com as mulheres que o islamismo expandiu muito rapidamente. Da atual Arábia Saudita, em três anos, conquistaram Damasco, um centro de grande importância na época. Em seguida, foi a vez de Jerusalém, Egito e Síria. Continuaram a divulgação de sua fé e conquistaram a Turquia, a Palestina e os países dos Balcãs. Em 20 anos, a quase totalidade do que tinha sido o império persa, inclusive sua capital Ctesifonte, não existia. O mesmo destino teve o império bizantino. Era muçulmano. Avançaram no sul da Itália. Dominaram a quase totalidade do território espanhol e parte considerável do francês. Nunca havia ocorrido uma expansão tão rápida de uma religião em tão pouco tempo.

Tradição que cresce e está em Mato Grosso do Sul

A comunidade muçulmana brasileira, pequena, supostamente chegaria a um milhão de fiéis. Não é o que diz o IBGE, apenas 35 mil seriam muçulmanos, mas por outro lado é a religião com um enorme crescimento percentual, nada menos que 29% no comparativo entre os dois últimos censos. Como título de comparação: os católicos apostólicos romanos decresceram 9% e os evangélicos cresceram 6% no mesmo período. Talvez, a metade dos muçulmanos resida em São Paulo, com outras concentrações importantes no Paraná, especialmente em Foz do Iguaçu onde estão em elevado percentual, Santa Catarina e Rio de Janeiro. Uma parte deles descende de escravos negros trazidos da África para a Bahia. Tradições islâmicas se mantiveram graças à memorização do Corão entre alguns escravos instruídos. Uma parte bem maior descende dos imigrantes árabes vindos principalmente do Líbano, Palestina e da Síria, no primeiro terço do século XX. Aliás, é provável que existam mais libaneses no Brasil do que no Líbano.

E são desses países que vieram os primeiros muçulmanos para o Mato Grosso do Sul. Não chegam a um milhar, mas estão muito organizados em volta da Mesquita Luz da Fé e contam com a liderança do experiente Sheik Nasser Sohaim.

Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização
Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização

Quanto tempo é preciso para reconstruir a confiança?

O Ministério da Fazenda iniciou a difícil jornada de convencer os empresários de que voltará a levar a sério os fundamentos da organização econômica. Esses fundamentos foram maltratados nos últimos anos. A pasta agia como se fosse possível criar dinheiro sem sofrer consequências. Os resultados foram: inflação inarredável, juros mais altos e, além de tudo, muito receio por parte dos investidores. Receio exagerado.

O passo inicial e importante para tentar recuperar a confiança foi definir a meta de 2014 para conter gastos, a fim de pagar juros da dívida pública. O Ministério da Fazenda tentará destinar ao pagamento de juros R$ 109 bilhões em conjunto com os Estados e os Municípios. Para chegar a esse resultado, a pasta se compromete a não gastar R$ 44 bilhões que estão liberados no Orçamento da União. Missão difícil em qualquer ano comum. Missão muito mais difícil em ano eleitoral.

Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização
Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização

Aluguel: BID aponta dados reveladores

Alugar reduz o déficit habitacional. Isso quem comprovou foi o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) por meio de estudo divulgado ontem. A pesquisa aponta que uma a cada quatro famílias latino-americanas aluga a moradia. No fim, somam-se 30 milhões de famílias em uma tendência que aumenta desde a década de 90 não só no Brasil, mas também na Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Nicarágua, Peru, República Dominicana e Uruguai. A análise envolveu 19 regiões metropolitanas nesses países.

O aluguel, aponta a pesquisa, seria alternativa para 54 milhões de famílias latino-americanas, onde 37 por cento dos lares têm algum tipo de situação reveladora de déficit habitacional. Traduzindo: é a superlotação das residências, falta de serviços básicos, construções inadequadas e inapropriadas. Esta última condição é vivida por cerca de 9 milhões de famílias.

Conforme a pesquisa, a idade está diretamente ligada à situação que culmina no aluguel. Há países em que um jovem de 25 a 34 anos tem uma tendência de três a oito vezes de alugar que um adulto mais velho. Entre as vantagens apontadas no estudo para o aluguel estão: concentração nas áreas centrais e consolidadas, adaptação às necessidades do morador e mobilidade facilitada.

Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização

Brasil é o terceiro melhor destino para viajar

Foi o que responderam 30 milhões de viajantes em comunidade virtual que reúne frequentadores do Pinterest, Facebook, Twitter e Google+. Na última semana, a comunidade elegeu os vendedores do prêmio Social Destination Awards e o resultado foi o seguinte:

Os dez países considerados melhores destinos turísticos

1 - Espanha

2 - França

3 - Brasil

4 - Itália

5 - Índia

6 - México

7 - Grécia

8 - Estados Unidos

9 - Dinamarca

10 - Malta

As dez cidades consideradas melhores destinos turísticos

1 - Paris (França)

2 - Cancun (México)

3 - Madri (Espanha)

4 - Roma (Itália)

5 - Zaragoza (Espanha)

6º - Barcelona (Espanha)

7 - Londres (Inglaterra)

8 - Nova York (EUA)

9 - Rio de Janeiro (Brasil)

10 - San Francisco (EUA)

Os muçulmanos no Mato Grosso do Sul e seus exemplos de organização



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.