A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Finanças & Investimentos
  • Finanças & Investimentos

    Emanuel Steffen - www.mayel.com.br


31/03/2014 08:59

Como montar uma reserva de emergência? Quanto eu preciso ter?

Francisco Júnior

A empresa passou por maus bocados e uma enxurrada de trabalhadores inclusive você foram desligados da mesma. Um sinistro acometeu seu imóvel, mas o seguro não cobre este tipo de dano. Um familiar próximo teve um acidente, ou foi diagnosticado com uma doença grave que requer grandes despesas com o tratamento e medicação. Todos esses casos são exemplos de situações extremas que ninguém imagina que possa acometer suas vidas. O fato é que poucas pessoas se preparam para imprevistos que exigem mais de nossa capacidade financeira, e como consequência as dividas podem surgir e fazer ruir tudo o que foi construído até o momento.

Veja Mais
Como os atletas perdem milhões
Qual é a melhor hora para comprar?

Com estes exemplos fica obvia a necessidade e importância de se construir a chamada reserva de emergência. A reserva de emergência deve ser o “primeiro investimento” de qualquer pessoa. Não adianta pensar na aposentadoria, investir em imóveis, ou ações sem antes guardar uma reserva para as necessidades imediatas. Para começar a principal referencia deve ser o seu padrão de vida atual. Quanto maiores os “gastos mensais” da família (não os rendimentos), maior a reserva. Em caso de desemprego, o mais confortável seria economizar o valor equivalente á um ano de despesas. Por exemplo, se a pessoa tem um gasto mensal de R$ 1,5 mil, ela deve ter uma reserva de pelo menos R$ 18 mil. Mas o tamanho da reserva pode variar conforme o risco de ficar sem renda. Um funcionário público, por exemplo, pode destinar apenas 3 (três) meses das despesas para este fim, pois essa possibilidade é baixa depois de conquistada a estabilidade. Já um funcionário do setor privado possui um risco maior de perder seu emprego, precisando poupar um pouco mais. Outros profissionais são ainda mais sujeitos ao risco de desemprego, como pequenos empresários e profissionais liberais. Para eles a reserva recomendada é de 12 meses de gastos. Pode levar alguns meses para completar o investimento, ou até alguns anos, dependendo da capacidade de poupança de cada pessoa. Uma dica importante é a de destinar pelo menos 10% de sua renda mensal para construir essa reserva.

A primeira coisa ao começar a investir para criar uma reserva de emergência, é esquecer a rentabilidade e pensar em acumular patrimônio. O rendimento da aplicação não importa muito, mas sim o baixo risco, e a liquidez diária, que permitam resgatar o dinheiro assim que ele for necessário. A caderneta de poupança e os CDBs (Certificados de Depósito Interbancário), e os títulos de curto prazo do Tesouro Direto possuem estas características (liquidez e segurança), além de alguns fundos DI. Poupança e CDBs são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que garantem seu investimento em até R$ 250 mil por cpf. Isso significa que, se o banco quebrar, o fundo ressarci o investidor até este limite. Após completar o valor estipulado para a reserva, você pode parar de aplicar e deixar o dinheiro intocado para quando for necessário. Lembre-se sempre de utilizar esta reserva apenas para “necessidades”, pois esta é a finalidade deste recurso. Fica o exemplo da própria natureza onde muitos seres vivos possuem á sabedoria de colher no verão para usufruir no inverno.

Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen – Opatriarca.com.br

Como os atletas perdem milhões
Recentemente, um amigo me enviou um artigo de revista que continha alguns exemplos divertidos dos gastos fora de controle de atletas profissionais. C...
Qual é a melhor hora para comprar?
Quando fui convidado a escrever este artigo para o Dinheirama, pelo Renato De Vuono, encarei isso como um grande desafio. Intuitivamente, e para ser ...
Analfabetismo financeiro em alta na era da informação
Vamos fazer uma viagem ao passado? Anos 70, que tal? Neil Armstrong chegará à Lua.“Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade”....
Armadilha das promoções: qual a lógica do “tão barato”?
Semana começando! E essa, em especial, após a “black friday”! E aí? Rolando uma “black ressaca” financeira, ou você conseguiu controlar esses instint...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions