A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


21/08/2015 10:35

Qual a pior? A crise econômica ou política?

Manoel Afonso

GRAVE – com tendência a gravíssima! É a situação da maioria das nossas prefeituras. Quase sempre a culpa não decorre de má gestão e sim do Governo Federal, que além de tirar-lhes várias fontes de renda – ainda repassou-lhes vários encargos.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

O IDEAL seria administrar a cidade como empresa. Mas como? Impossível; sejamos sensatos. Ela é fruto da ação política que envolve múltiplos interesses. Aplique essa concepção em qualquer cidade brasileira e concluirá pela utopia.

INSISTO A culpa é do eleitor que pecou na escolha e do prefeito que exagerou nas promessas para se eleger. A reflexão inevitável: vale a pena tantos desgastes para massagear o ego sentado no ‘trono municipal’? Os ônus superam os bônus.

INCOERÊNCIA Nas conversas com lideranças do interior constato: apesar da situação ruim, das perspectivas preocupantes, dois ou três nomes já são citados como pré-candidatos à prefeito de algumas cidades. Seriam eles masoquistas?

AYACHE Será candidato à prefeito da capital por qual grupo? Qual seu destino após 13 anos no PT? Ele se livrará do estigma do partido do Zé Dirceu, Vaccari e Genoíno? Quais lideranças de peso agregará? Questões que já se discute por aí.

A CANDIDATURA de Ayache estaria alicerçada em qual segmento eleitoral? Essa questão é interessante, pois deixando o PT presume-se que perca parte dos votos que obteve em 2015. Aí terá buscar novos nichos e apoiamentos emblemáticos.

É POSITIVO o surgimento de novos nomes, mas construir uma liderança é difícil, exige uma série de atributos e sorte. Ayache está tendo coragem de ousar, mas o seu discurso será determinante. Igual ao cantor calouro; se errar no tom, dança!

O MESMO! O ex-governador André ocupando espaços, atrai a mídia e capricha nas colocações pronominais. Foi a presença surpresa na posse da Acrissul; até conversou com Jonathan Barbosa com quem as relações estavam estremecidas. Só ele.

DE PLANTÃO? Dependendo do quadro, dos candidatos e da situação administrativa da capital, André poderia mudar o discurso. Esperto, se posta de articulador do PMDB mas aproveita para observar. Mais que provado: não é adepto da ociosidade.

JANELA PARTIDÁRIA É proposta de emenda a Constituição; precisa da aprovação de 1/3 do Senado, onde os pequenos partidos não tem tanta força como na Câmara. Os grandes partidos não tem interesse nela e hoje seria reprovada.

O MOMENTO político é de expectativa no Planalto por conta da guerra entre Eduardo Cunha e Dilma. Os desdobramentos são imprevisíveis, mas pode contaminar algumas votações no Senado, entre elas a abertura da ‘janela da salvação’.

O RELÓGIO De olho nele, os deputados Beto Pereira, Elizeu Dionízio e Marcos Trad querem mudar de partido para viabilizar seus projetos pessoais. Sem essa janela, terão recorrer à justiça, morosa e complicada. Aí nada é garantido.

O ENTRAVE O dinheiro dos depósitos judiciais e administrativos que os Estados e municípios poderão usar por força da Lei Complementar 151, pode ser barrado pelo STF que analisa a ADIN proposta pela Associação de Magistrados Brasileiros.

AS RAZÕES: Para a entidade, esse dinheiro dos depósitos, se repassado aos Estados e Municípios, na forma prevista, não teria garantida a sua devolução no prazo desejado, obrigando a parte prejudicada recorrer ao Judiciário. Mais um pepino.

O PLANALTO faz cortesia aos Estados e municípios com o dinheiro que não é seu e que um dia voltará aos donos. Aliás, o Governo Estadual torce para que essa medida seja implementada reforçando seus cofres. Uma chuva em plena estiagem.

PREOCUPAÇÕES Por onde passa ele agrada. Mas Azambuja sabe: não se governa só com discursos. A retração econômica pode azedar esse 2º semestre com direito a 13º inclusive. Sem contar os inevitáveis movimentos por reajustes salariais.

DESAFIOS Pagar fornecedores, dívidas de empréstimos, salários, duodécimos aos poderes, garantir dinheiro das emendas parlamentares, investir em obras/ações e pagar precatórios. Pela lista a gente conclui: governar o Estado não é fácil.

‘LEGAL’ Dilma ferra a maioria dos patrões com o aumento da carga tributária e poupa a indústria automobilística. É a compensação pelas doações delas – por baixo do pano – aos políticos nas eleições? A ‘Lava Jato’ deve comprovar essa barbaridade.

SOMBRIAS as previsões. Até funerárias estão demitindo. Pode? Se supermercados (vendem comida) enxugam o quadro e fecham mais cedo, o que esperar com aumento de impostos? E o governo continua gastando adoidado. Quanta incoerência.

AS PLACAS de ‘aluga-se ou vende-se’ resumem bem a situação do brasileiro que busca as duas saídas para tentar resolver seus problemas. E as taxas de juros estão nas alturas confirmam que aquela ‘marolinha do Lula’ virou tsunami.

NA CAPITAL A interpretação do quadro prefeitural varia segundo as conveniências e a ótica de análise. Para alguns – quanto pior, melhor! Há dois aspectos: o político que envolve a Câmara e o de ordem legal à cargo do Judiciário. Complicado.

SUSPENSE A decisão do Tribunal de Justiça sobre a volta de Bernal tem motivado comentários. Afinal, ele foi o estopim de tudo isso que temos aí. As comparações entre o passado e o presente são inevitáveis. O povo pagando pelas suas escolhas.

“Quando a gente atingir a meta, nos dobramos a meta.” ( Presidenta Dilma)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions