A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

28/09/2015 16:35

Com queda nas vendas, mercados reduzem perdas com perecíveis

Renata Volpe Haddad
Volume de vendas vem apresentando queda e consumidores deixam de lado os supérfluos. (Foto: Gerson Walber)Volume de vendas vem apresentando queda e consumidores deixam de lado os supérfluos. (Foto: Gerson Walber)

As vendas nos supermercados de bairro em Campo Grande têm caído nos últimos meses e há estabelecimentos que contabilizam perda de até 8% no volume vendido. Com essa situação, a solução é reduzir o estoque dos produtos perecíveis e fazer promoções para atrair os clientes que estão pesquisando mais antes de comprar.

Veja Mais
Com dólar alto, supermercados lucram com clientes estrangeiros
Para economizar energia, rede de supermercados fecha mais cedo

De acordo com o proprietário do supermercado Pag Poko, localizado no bairro Mata do Jacinto, Denyson Prado, as vendas caíram cerca de 2%. "Estamos sentido a queda no volume de vendas aos poucos. Nós percebemos que antes as pessoas vinham 3 vezes na semana ao supermercado e atualmente, esse consumidor vem apenas uma vez na semana", comenta.

Para poder equilibrar a perda, Prado afirma que trabalha com tabloides o mês todo. "Temos dois tabloides por mês, fazemos várias promoções para poder atrair o consumidor para evitar que as vendas caiam mais", explica.

Sobreviver as grandes redes também não tem sido tarefa fácil para o Pag Poko. "Temos aqui perto o Atacadão e o Assaí que são conhecidos como "atacarejo", porque eles vendem nos cartões de crédito, débito, dão sacolinha plástica, e isso acaba atrapalhando um pouco nas nossas vendas", afirma.

Felipe afirma que trabalha com estoque baixo e não pensa em reduzir quadro de funcionários. (Foto: Gerson Walber)Felipe afirma que trabalha com estoque baixo e não pensa em reduzir quadro de funcionários. (Foto: Gerson Walber)

Revezamento de estoque – O supermercado Lunardi, localizado no bairro Estrela do Sul, tem uma filial no Nova Lima. Com a queda nas vendas, o jeito que os proprietários encontraram para amenizar a situação, é trocar estoque com a outra loja.

Quem explica isso é o gerente Felipe Pereira. Ele conta que os supermercados estão trabalhando com o estoque baixo e quando uma loja não vende tanto um certo produto, encaminha para a outra. "Foi o jeito que achamos para poder equilibrar os gastos. Esse ano tudo subiu, como a conta de água, luz e combustível, só que o salário das pessoas não sobe e isso atinge diretamente o comércio", explica.

Questionado se há possibilidade de reduzir o quadro de funcionários, o gerente afirma que não. "Não tem porque reduzir o quadro de trabalhadores, isso porque o final do ano está aí, não compensa demitir agora para contratar depois. Os funcionários já são treinados", avalia.

Vendas caíram até 8% nos últimos 70 dias no supermercado Mister Júnior, no Nova Lima. (Foto: Gerson Walber)Vendas caíram até 8% nos últimos 70 dias no supermercado Mister Júnior, no Nova Lima. (Foto: Gerson Walber)

Construção Civil – O supermercado Mister Junior tem percebido uma queda nas vendas de até 8% nos últimos 70 dias. Localizado no bairro Nova Lima, o gerente José Rodrigues explica que a maioria dos moradores, trabalham na construção civil. "Que a gente sabe que é um setor que tem demitido muitas pessoas e que está em queda, isso reflete nas compras dos consumidores", informa.

Os produtos supérfluos estão sendo deixados de lado pelas pessoas, que estão comprando apenas o necessário. "Por exemplo, o consumidor que sempre comprou um tipo de desodorante, hoje em dia opta por um mais barato. Isso tem acontecido sempre", informa.

Para poder superar essa queda no volume das vendas, o gerente explica que o jeito é negociar com os fornecedores. "Deixamos de ter estoque, estamos comprando menos dos fornecedores e tentando negociar um preço mais em conta. Promoção também é fundamental para atrair o cliente", explica.

Estratégia - Para o presidente da AMAS (Associação Sul-mato-grossense de Supermercados), Marcelo Gonçalves, os proprietários precisam ter além de uma ação estratégica, um pensamento estratégico. "Promoção é uma ação, mas pode ser que demore certo tempo para conquistar 100% todos os clientes e não é tão barato. O correto é conhecer os clientes que frequentam o seu supermercado, saber o público que entra para fazer compras", alega.

Gonçalves diz que o cliente continua existindo com crise ou sem crise, mas os hábitos deles têm mudado. "Os consumidores trocam a marca por uma mais barata e reduzem a quantidade de idas ao supermercado. O dono pode conhecer os clientes através do cupom disponibilizados na loja, e saber a quantidade de público feminino ou masculino. A partir dai, o proprietário do mercado, pode fazer uma ação com os fornecedores", avalia.

Congresso - Empresários do setor de supermercados de Mato Grosso do Sul se reúnem amanhã (29) a partir das 9h, para analisar estratégias a fim de superar as dificuldades econômicas do país e manter os negócios equilibrados. O evento em forma de Congresso tem como pauta temática “Resiliência: Como se Adaptar às Adversidades e Buscar Oportunidades”.

Liderado pela AMAS e o SINDSUPER (Sindicato do comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Campo Grande), o movimento vai além do setor supermercadista trazendo para os debates lideranças de outros segmentos do comércio varejista, da indústria e do atacado distribuidor.

O congresso acontece no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, em Campo Grande.O Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o presidente da Abras (Associação Brasileira de Supermercados), Fernando Yamada, vão estar presentes.




Aumentam perdas, supermercados aumentam perdas, e não reduzem....
 
Rafael Pacheco Vitorio em 28/09/2015 16:47:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions