A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

17/12/2015 10:47

Com redução de custos, indústria de alimentos prevê crescer 1% em 2016

Priscilla Peres
Setor acredita que em 2016 terá que focar mais em gestão. (Foto: Fiems)Setor acredita que em 2016 terá que focar mais em gestão. (Foto: Fiems)

Em meio ao cenário de crise, a indústria de alimentos e bebidas de Mato Grosso do Sul afirma que terá de reduzir custos para poder crescer em 2016. A previsão é de que no ano que vem o valor da produção de R$ 2,23 bilhões para R$ 2,25 bilhões, com aumento e 1%, segundo avaliação do presidente do Siams (Sindicato das Indústrias da Alimentação do Estado de Mato Grosso do Sul), Sandro Mendonça.

Veja Mais
Após dois dias, negociação 'trava' e greve dos bancários continua
Bancos repetem proposta de reajuste de 7% e negociação prossegue

Dados levantados pelo Radar Industrial da Fiems mostram que o setor tem 721 estabelecimentos e 8.887 trabalhadores com carteira assinada. “Em um momento de crise algumas empresas deixam de atender o mercado e, nesse contexto, pode surgir espaço para outras que estejam melhor estruturadas e que busquem inovar seus produtos. É hora de cuidar minuciosamente da gestão”, declarou.

Enquanto vários setores desaceleram, os alimentos saudáveis tem ganho força no mercado. “O mercado abriu espaço para a linha natural de alimentos, um segmento que vem sendo fomentado graças às mudanças de hábito da população brasileira. Trata-se de um tipo de alimentação que está em evidência relacionada diretamente ao aumento da qualidade de vida das pessoas, que têm buscando cada vez mais ingerir alimentos mais saudáveis”, afirmou o presidente.

Em termos sindicais, Sandro Mendonça destaca que, para o próximo ano, o desafio do Siams é traçar um planejamento estratégico para amenizar os impactos da crise e tentar uma saída para criar um ambiente mais favorável e competitivo. “Por ter acredito que o ano seria de maior crescimento alguns empresários investiram e hoje estão endividados, então será um ano de precaução e encurtar custos. Vamos estudar alguma forma de compensar esse momento, porque juntos somos mais fortes”, falou.

Bancos repetem proposta de reajuste de 7% e negociação prossegue
A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) e o Comando Nacional dos Bancários retomaram a 9ª rodada de negociações nesta quarta-feira (28) em São Paul...
Após segunda queda consecutiva, dólar fecha cotado a R$ 3,22
O dólar comercial inverteu o movimento no final da tarde, após operar em alta durante quase toda a sessão. A moeda norte-americana fechou esta quarta...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions