A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

14/05/2015 20:00

Comerciantes apresentam proposta de redução de ICMS de 17% para 10,5%

Renata Volpe Haddad
Varejistas querem que MS adote modelo de MT para que setor possa crescer na economia. (Foto:Divulgação/ Chico Ribeiro)Varejistas querem que MS adote modelo de MT para que setor possa crescer na economia. (Foto:Divulgação/ Chico Ribeiro)

Representantes do setor varejista de materiais de construção reivindicam a redução do ICMS em Mato Grosso do Sul. Eles querem que o imposto passe de 17% para 10,5%. Na tarde de hoje foi feita uma reunião com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), para que o Estado adote a mesma medida que Mato Grosso, reduzindo a carga tributária para que o setor possa apresentar resultados positivos para a economia.

Veja Mais
Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas

De acordo com o governador, o momento é de realizar um estudo do impacto que uma redução nesse segmento poderia causar na arrecadação do Estado. “Estamos em um momento de retração da economia, ou seja, diminuição das vendas e consequentemente dos impostos, e já assumimos compromissos como baixar o ICMS do diesel de 17% para 12%, o que já é difícil para o governo abrir mão de R$ 160 milhões na arrecadação”, explicou.

Conforme Azambuja outro setor que está sendo analisado é o da energia elétrica, onde cogita-se abolir o ICMS da bandeira tarifária. “Também tem o acordo de unificação de alíquotas, que em breve deveremos ter uma resposta. Então ficará a cargo do secretário de Fazenda realizar o desenho desse pedido, ver qual o impacto e as possibilidades para a economia de Mato Grosso do Sul”, avaliou.

Segundo o governo estadual, atualmente o ICMS praticado sobre materiais de construção e similares é de 16% a 17% e de acordo com o presidente do Sindiconstru (Sindicato do Comércio Varejista de Materiais de Construção de Campo Grande) e da Acomac/MS (Associação do Comércio Varejista de Materiais de Construção), Fabiano José Lopes, o pleito é que seja reduzido para 6,5%. “Acreditamos que foi uma primeira conversa positiva, vimos que o governador está disposto a ouvir e avaliar realmente a viabilidade do nosso pedido”, ressaltou.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas
Para atrair novos passageiros e fidelizar seus clientes, as companhias aéreas garantem preços e condições de pagamento especiais. Cada empresa define...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions