A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 24 de Setembro de 2016

23/12/2014 14:23

Demanda aumenta e preços de frutas natalinas deixam ceia mais cara

Viviane Oliveira
Frutas como pêssego, nectarina e ameixa são as mais vendidas  nesta época do ano e também as mais caras. (Foto: Marcos Ermínio) Frutas como pêssego, nectarina e ameixa são as mais vendidas nesta época do ano e também as mais caras. (Foto: Marcos Ermínio)
Joãozinho diz que apesar do aumento nas vendas, teve ano que já foi bem melhor. (Foto: Marcos Ermínio) Joãozinho diz que apesar do aumento nas vendas, teve ano que já foi bem melhor. (Foto: Marcos Ermínio)

A procura de consumidores por frutas natalinas aumentou em até 200% e o preço vai deixar a ceia do sul-mato-grossense mais cara. O valor das frutas tropicais típicas dessa época como a ameixa, nectarina e pêssego subiu de 40% a 50% de acordo com os comerciantes da Ceasa (Central de Abastecimento), em Campo Grande. No entanto, produtos como limão, melancia, melão e uva tiveram queda no preço. O tomate se manteve estável de duas semanas para cá.

Veja Mais
Greve dos bancários chega ao 19º dia com 144 agências sem atendimento
FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano

O interesse pelas frutas começou a aumentar na semana passada e deve continuar subindo até a primeira quinzena de janeiro, conforme a responsável pelo setor de pesquisa e preços do Ceasa, Iris Balbuena. Ela explica que mesmo sendo época das frutas os preços sobem devido a lei da oferta e da procura. “É muita demanda para pouca oferta, no entanto, cada caso é um caso e tem frutas que diminuiu e outras que aumentou em até 100%”, diz.

A seca ao longo do ano, principalmente em São Paulo e Minas Gerais, maiores fornecedores do Brasil, fez com que o custo de produção ficasse mais alto para o produtor rural. Depois da estiagem, no final de novembro, veio as chuvas e os preços começaram a baixar, Mas na semana passada por causa das festas de fim de ano subiu novamente. A batata, por exemplo, que era vendida para os mercados a R$ 70 foi para R$ 110. A maça de R$ 50 passou de R$ 60 e agora está em R$ 75.

No ramo há 18 anos, o proprietário de um box no Ceasa, Joãozinho Pedrinho Tonin, 51 anos, conta que em época de festas não se compra uma caixa de pêssego de 6 quilos, que chegou a custar R$ 20, por menos de R$ 30. Por outro lado, ele reclama que o consumidor está mais atento na hora de levar o produto para a casa. “O cliente percebeu que para se ter uma mesa bonita não precisa exagerar na compras. Teve anos anteriores que a gente vendia muito mais para a ceia de Natal e Réveillon ”, destaca.

Já o proprietário de outra distribuidora, Carlos Renato da Silva, 30 anos, diz que em relação aos anos anteriores não houve aumento significativo no setor de hortifrúti. “A estiagem não afetou a Serra Gaúcha (RS), cidades da frutas de onde compramos o maioria dos produtos vendidos aqui”, explica, dizendo que é responsável por distribuir 70% das frutas no Estado. Os preços voltam a cair na segunda quinzena de janeiro, conforme Iris.

FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano
Foi aprovado nesta semana pelo Ceif (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis) do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) ...
Dólar comercial fecha a semana em queda e cotado a R$ 3,24
Após duas altas seguidas do dólar comercial durante a semana, a moeda norte-americana fechou nesta sexta-feira (23) cotado a R$ 3,247 na venda e com ...
Desemprego desacelara, e MS cria mais 1.077 vagas de trabalho em agosto
Mato Grosso do Sul abriu 1.077 empregos formais a mais no mês de agosto -equivalentes ao acréscimo de 0,21% -, em relação ao estoque de assalariados ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions