A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

27/03/2015 23:07

FDCO pretende investir R$ 1,2 bilhão em projetos que mudem realidades

Daniel Machado
Para Agrício Braga, R$ 1,2 bilhão será investido só para Mato Grosso do Sul. (Foto: Divulgação) Para Agrício Braga, R$ 1,2 bilhão será investido só para Mato Grosso do Sul. (Foto: Divulgação)

Tida como linha complementar do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste), o FDCO (Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste) tem R$ 1,2 bilhão disponível para 2015. A informação foi apresentada ao governador Reinaldo Azambuja pelo coordenador geral do FDCO, Agrício Braga, na tarde desta sexta-feira (27).

Veja Mais
Dólar comercial fecha a semana em alta e cotado na venda a R$ 3,25
Intenção de compra cai, mas dia das crianças pode movimentar R$ 146 mi

O FDCO é gerido pela Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste), abrange toda a região e seu diferencial está em assegurar recursos acima de R$ 30 milhões para financiamentos.

Segundo o coordenador do Fundo, este ano estão disponíveis R$ 1,2 bilhão para serem aplicados em toda a região. “Apresentamos hoje um panorama geral do Fundo com taxas, prazos e montante. Para 2015 estarão disponíveis esses R$1,2 bilhão enquanto o FCO disponibilizará só para Mato Grosso do Sul R$ 1,3 bilhão”, pontuou.

De acordo com o titular da Semade (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico), Jaime Verruck, que também participou da reunião, enquanto os recursos do FCO são divididos por estados da região Centro-Oeste, o FDCO prevê um valor único a ser utilizado pelos componentes, a depender da demanda de cada um.

“Em conversa com o governador e a Sudeco hoje, tomamos conhecimento que temos no portfólio do Estado quatro grandes empreendimentos que poderão ser financiados pelo FDCO. Então já vamos entrar em contato com os empresários e discutir esses financiamentos”, disse.

Ainda segundo Jaime Verruck, o objetivo do FDCO é financiar empreendimentos que mudem uma realidade regional. “Esse fundo pode trazer benefícios para a área de fronteira, regiões mais pobres e ele financia indústria, infraestrutura, agroindústria, turismo, enfim boa parte dos empreendimentos de maior porte. Mas, sobretudo ele deve provocar uma mudança local”, ressaltou.

A diferença entre o FCO e o FDCO reside principalmente na amplitude da aplicação dos recursos. O primeiro tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento econômico e social da região, mediante a execução de programa de financiamento aos setores produtivos. Já o FDCO foi instituído com a finalidade de assegurar recursos para a implantação de projetos de desenvolvimento e a realização de investimentos em infraestrutura, ações e serviços públicos considerados prioritários no Plano Regional de Desenvolvimento do Centro-Oeste.

Durante o encontro também foram traçadas as estratégicas de articulação entre o Governo do Estado e Sudeco para levar ao FDCO empreendimentos competitivos.

Dólar comercial fecha a semana em alta e cotado na venda a R$ 3,25
Apesar do dólar ter fechado em queda de 0,12% no dia, e cotado a R$ 3,252 na venda, a moeda norte-americana fechou a semana com uma leve alta de 0,14...
Bandeira tarifária de outubro é verde, sem valor adicional nas contas de luz
A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz em outubro será verde, sem custo para os consumidores de energia elétrica. Este é o sétimo m...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions