A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

28/02/2016 12:52

Número de pessoas que não conseguiram pagar dívidas dobrou em janeiro

Priscilla Peres

O índice de pessoas que não conseguiram arcar com suas dívidas em janeiro, dobrou em relação ao mesmo período do ano passado. Análise feita pela ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande), também mostra que nesse período aumentou o número de consumidores tentando saldar suas contas.

Veja Mais
Vendas do comércio varejista de MS caem 4,1% em dezembro de 2015
Com fechamentos na região Norte, comércio busca jeito de fidelizar cliente

O Índice de Negativação do Comércio terminou janeiro em 307 pontos, contra os 154 pontos registrados no primeiro mês do ano passado. “Nos primeiros 16 dias de janeiro, o comportamento do indicador foi bastante semelhante a 2015, entretanto, nas duas últimas semanas o crescimento foi explosivo", comenta o economista da ACICG, Normann Kallmus.

Ele analisa que uma das causas desse movimento é o término dos recursos adicionais, como o 13º salário. "A partir daí as famílias não tiveram condições de honrar seus compromissos, resultando em um aumento nas negativações registradas”.

Em compensação, o Índice de Recuperação do Crédito de janeiro alcançou 390 pontos, contra os 121 registrados no mesmo período de 2015, e 103 os em 2014. Isso demonstra crescimento significativo dos consumidores saldando suas dívidas.

“O fator preocupante, no entanto, reside na queda em relação a dezembro de 2015, quando o mesmo indicador atingiu 435 pontos. Isso o levou para o mesmo patamar de agosto de 2015, momento no qual as famílias contavam com a perspectiva de receitas adicionais pelo 13º salário”, compara o economista.

Diante do cenário, Normann recomenda que o empresário “redobrar os cuidados em relação à concessão de crédito, visto que a tendência é de aumento do risco de inadimplência; especial atenção à administração financeira, buscando reduzir a dependência de capital de terceiros; atenção à exposição em moeda estrangeira, visto que a iminente perda do grau de investimento, aliada à tendência de atuação condescendente do Banco Central em relação à inflação, deverá acarretar também uma pressão cambial”.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions