A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

04/09/2015 09:56

Produtos de limpeza ficam mais caros e inflação sobe 0,31% em agosto

Priscilla Peres
Em compensação, alguns hortifrutis tiveram queda de preço. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)Em compensação, alguns hortifrutis tiveram queda de preço. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

Campo Grande registrou inflação de 0,31% em agosto, índice maior que a média para o mês. Com esse resultado, a inflação acumulada no ano soma 7,57% e ultrapassa o teto da meta que é de 6,5%, o que significa que para voltar ao patamar normal os próximos quatro meses teriam de ser de deflação.

Veja Mais
Inflação e lei do caminhoneiro devem elevar pedágio em MS a R$ 5,78
Com energia e água mais caras, inflação sobe 0,52% e atinge teto da meta

Os dados divulgados pelo IPC/CG (Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande), mostram ainda que a inflação acumulada em doze meses soma 9,47%. O coordenador do Núcleo de Pesquisas Econômicas da Uniderp, Celso Correia de Souza, alerta para o índice em dois dígitos.

"É hora do retorno à ortodoxia, mantendo os juros mais elevados, reduzindo o papel dos bancos oficiais, diminuindo a quantidade de créditos por eles ofertadas, fazendo diminuir o consumo. Com isso, a inflação deve ceder”, acredita o professor que explica que a inflação alta tem impacto negativo na vida das famílias.

Sobre o impacto dos grupos, o Habitação chegou a 0,38%, sendo o que mais contribuiu para a elevação da inflação na Capital, isso devido ao preço de produtos de limpeza e de eletrodomésticos. Saúde (0,76%), Despesas Pessoais (0,64%), Vestuário (0,46%) e Transportes (0,32%), também tiveram altas em agosto

Só o grupo Alimentação teve índice negativo de -0,18%, em um comportamento atípico e após várias altas. Dessa vez, a queda se deve a retração nos preços de vários hortifrútis e consumo diário, como batata (-24,50%), chuchu (-19,41%), salsa (-17,55%) e laranja pera (-14,26%).

Em análise do cenário, o professor Celso Correia acredita que só haverá contenção da inflação acumulada caso os próximos índices sejam menores que os registrados nos últimos meses de 2014. Se essa expectativa se concretizar “a partir de outubro pode ocorrer que a inflação acumulada deste ano não ultrapasse os 10%, resultado que seria muito interessante às autoridades governamentais", diz.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions