A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

19/07/2016 10:20

Programa habitacional reduz oferta e MS tem 139 mil famílias em espera

Anny Malagolini
Redução da oferta chega a 7,9% em MS (Foto: Alcides Neto)Redução da oferta chega a 7,9% em MS (Foto: Alcides Neto)

O programa habitacional Minha Casa Minha Vida foi criado em 2009, para suprir o déficit habitacional no país. Sete anos depois, o número de pessoas que buscam a casa própria ainda é alto, só em Estado de Mato Grosso do Sul são mais de 139.6 mil pessoas na fila de espera.

Veja Mais
Famílias com caso de microcefalia terão prioridade no Minha, Casa Minha Vida
Chega na capital um novo padrão de casa pelo "Minha Casa, Minha Vida"

Em consonância a crise economia e indefinições políticas que tem marcado a conjuntura nacional, o estandarte do governo petista começa a mostrar sua decadência e o Estado deve receber menos moradias do programa, em comparação a anos anteriores. O número de pessoas efetivamente atendidas ao longo desses anos pelo Minha Casa, Minha Vida chega 63.311 mil, menos da metade déficit do Estado. Os investimentos durante esse período passam dos R$ 6,1 bilhões.

No primeiro semestre deste ano foram realizadas 5.016 mil contratações do programa em Mato Grosso do Sul, equivalente a R$ 522 milhões em investimentos. Já as unidades habitacionais entregues às famílias neste ano somam 9.041 para todo o Estado.

No comparativo com anos anteriores, o programa mostra sua fragilidade: redução de 7,9% em 12 meses. Em 2015 foram 9.339 contratações e 14.305 mil em 2014, nestes dois anos os investimentos chegaram a R$ 2,1 bilhões.

A fila de espera corresponde aos cadastros da Agehab (Agência Popular de Habitação de Mato Grosso do Sul), mas conforme foi explicado pelo governo do Estado, apenas 33.990 mil estão aptos a participar de processos seletivos. O restante dos inscritos apresentam o cadastro incompleto ou desatualizado.

E de acordo com o Ministério das Cidades, as novas contratações seguem indefinidas. Isso porque o governo federal sustenta que está revendo as possibilidades orçamentárias e financeiras com a intenção de assegurar os recursos necessários ao andamento das obras já contratadas.

Na semana passada, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, disse que a faixa 1,5 do Programa Minha Casa, Minha Vida – criada em 2015, mas que nunca saiu do papel - deve ser relançada até agosto. Segundo o ministro, a meta é contratar entre 40 mil e 50 mil unidades nessa faixa até o fim do ano. A faixa 1,5 é destinada a famílias com renda entre R$ 1,8 mil e R$ 2.350 e oferece subsídio de até R$ 45 mil para financiamento de imóveis que custem até R$ 135 mil. Já a faixa 1, que atende as famílias que ganham até R$ 1,8 mil, estão suspensas desde o ano passado e ainda sem previsão de serem retomadas

Cidades - Na Capital, o número de moradias contratadas pelo Minha Casa, Minha Vida em 2016 é de 2.046 mil – em 2015 as contratações chegaram a 4.603 mil. De 2009 até este ano, os investimentos são de R$ 3,2 bilhões.

Na segunda maior cidade do Estado, Dourados, o número novos investimentos de janeiro a julho de 2016 é de 502. Em todo o ano passado, o município recebeu 855 contratações. O programa demonstra seu declínio em comparação a 2014, naquele ano, as concessões do governo federal chegou a 2.024 mil.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions