A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

08/07/2014 06:23

Casa colonial e rústica tem acabamento artesanal e janelas se abrem para jardim

Elverson Cardozo
Casa chama atenção pela fachada, com janelas em madeira maciça e acabamento artesanal. (Foto: Marcos Ermínio)Casa chama atenção pela fachada, com janelas em madeira maciça e acabamento artesanal. (Foto: Marcos Ermínio)

Quando deixou Alagoas para morar em Campo Grande, há 43 anos, a professora aposentada Maria Giselda Albuquerque Costa, 76, foi parar em uma casa comum, na Rua Arthur Jorge, mas com o passar do tempo viu a necessidade de ter um espaço que tivesse mais a ver com ela e com a vida na fazenda, passando que não esquece.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

Ela contratou, então, um arquiteto de São Paulo para projetar uma residência rústica, colonial, com acabamento artesanal e janelas que abrissem para um jardim. O imóvel saiu como o planejado e foi entregue há 28 anos.

Construída em 4 terrenos, a casa, que fica na rua Colina, bairro Miguel Couto, chama a atenção de quem passa pelo local, primeiro, pelo cercado com portões de ferros vazados, sustentados por toras de aroeira e, depois, pelo imenso jardim ladeado por paralelepípedos. A fachada com reboco em alto relevo e em formato de conchas é outro detalhe de encher os olhos.

Sala tem jogo de sofás em estilo Luís XV. (Foto: Marcos Ermínio)Sala tem jogo de sofás em estilo Luís XV. (Foto: Marcos Ermínio)
Giselda sempre quis morar em uma casa colonial. (Foto: Marcos Ermínio)Giselda sempre quis morar em uma casa colonial. (Foto: Marcos Ermínio)

O desenho permitiria uma simetria perfeita, não fossem as pequenas diferenças de tamanhos decorrentes do processo artesanal e do manuseio das formas.

As janelas de madeira maciça, de vidros temperados, com folhas duplas, abertas para o jardim, garantem o destaque da frente, mas o interior é ainda mais interessante.

Os degraus de entrada são de granito preto, mas o piso da sala de estar, decorada com tapete persa, cristaleira de época e um conjunto de sofá estilo Luís VX, é com lajotas marrom.

O primeiro cômodo dá acesso à sala de jantar, com seu conjunto de pratos de família na parede, à “de bagunça”, como a dona costuma se referir, e à cozinha, que fica distante dos quartos. À época da construção essa foi a única exigência dos filhos adolescentes, que agora já são casados.

“Eles não queriam que o barulho atrapalhasse eles dormir. Eu mesma desenhei e o arquiteto colocou na planta”, conta.

A parte dos quartos, cinco no total, assim como a sala de TV, tem pisos de taco. Os ambientes, de forma geral, são decorados com móveis rústicos, antigos, retratos de família, luminárias em estilo colonial e um enorme quadro de São Francisco, além de uma coleção de imagens do santo em resina.

Do quarto, professora vê jardim e horta. (Foto: Marcos Ermínio)Do quarto, professora vê jardim e horta. (Foto: Marcos Ermínio)

O fundo abriga a área social, com churrasqueira, garagem e um imenso terraço com vista para outro jardim, com pés de coqueiro e um muro coberto por plantas trepadeiras. O verde toma conta do espaço e da à casa a paz e aparência de uma fazenda.

Quanto todos os filhos casaram, dona Giselda, como é conhecida, até tentou morar em um apartamento junto com o marido, mas ficou apenas 4 meses no codomínio. “Não gostei e nem me acostumei. Senti falta de espaço. De manhã acordava e queria abrir a porta do meu quarto para o jardim, mas só tinha prédios. Me senti uma prisioneira”, conta.

A residência, hoje, não tem mais a bagunça dos filhos, que viviam fazendo festas, mas os 14 netos e 2 bisnetos garantem o movimento.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.