A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

06/03/2014 06:26

Em container, lanchonete quer criar espaço para cultura e servir o gosto mineiro

Paula Maciulevicius
Abrir e fechar de portas será no automático no Contêiner Lanches. (Fotos: Marcos Ermínio)Abrir e fechar de portas será no automático no "Contêiner Lanches". (Fotos: Marcos Ermínio)

Os tapumes ainda não deixam tão visível, mas na rua Jeribá, no bairro Chácara Cachoeira, em Campo Grande, um container está virando lanchonete. Com portas em automático, quatro abas viram tablado para as mesas e cadeiras. Grafitado à base dos traços de Romero Britto com inspiração sul-mato-grossense, a estrutura já revela que o sabor vai caminhar junto à cultura.

Veja Mais
Traços da nossa arquitetura, desde o “Gabinete Téchnico de Desenho" na Calógeras
Casa de madeira mantém as lembranças de 92 anos de dona Nazira na 14 de Julho

A previsão é de abrir entre o final da semana que vem, começo da próxima. Entre a correria para os preparativos, a proprietária Teresa Tânia da Silva, de 43 anos, resume “é um trailer de lanches, mas moderno e bem chique”. O container é, segundo ela, lataria de aço legítimo. Vindo de Itajaí, as quatro portas laterais obedecem ao comando de um botão para o abrir e fechar da lanchonete, que quando tocam o chão viram espaço para as mesas e cadeiras.

Em meio aos pontos da cidade, do obelisco, relógio da 14, passando pela fauna campo-grandense e marcos do Parque das Nações Indígenas, da cozinha do que parece um trailer sairão lanches tradicionais, mas com um toque de mineiro. Resultado da experiência de dois anos com um carrinho de lanches na mesma rua, quadras abaixo.

 

As quatro portas laterais, quando abertas, abrigarão tablado para mesas e cadeiras. As quatro portas laterais, quando abertas, abrigarão tablado para mesas e cadeiras.
Quando fechado, lugar revela estrutura semelhante a um trailer. Quando fechado, lugar revela estrutura semelhante a um trailer.

Teresa é uma das donas, o negócio tem outros dois sócios, mas foi ela quem trocou o trabalho no Tribunal de Justiça do Estado para vender lanche. Advogada, passou para o ramo da alimentação já pensando no container, mas começou pequeno, até saber o que iria cair ou não no gosto popular. “Aqui se come muito aquele molho de alho, vai ter também pastas assim”, diz. O cardápio ainda não foi fechado e parece ser segundo plano quando o espaço e a vontade é de abrigar cultura.

Como o container está em dois terrenos, a área permite um jardim para clientes e artistas ficarem à vontade. “Minha ideia é produzir cultura, que viessem para cá exposições, a única coisa que não posso apoiar é música, por aqui ser área residencial”, explica.

Teresa não fechou nada com patrocinadores, para ter a liberdade de abrir as portas a quem quiser se achegar. Acima do container ainda vai um deck, mas isso pode ficar para depois da inauguração. “Vou abrir sem, porque já tem muita cobrança”, brinca.

O espaço realmente é inédito em Campo Grande. A ideia do container como arquitetura gastronômica veio do México. “Lá é comum encontrar restaurantes e bares em containers, agora com esse boom das obras é que tem vindo para cá, mas para residências”, afirma.

Entre tantos detalhes, ela desabafa que é “suspeita para falar”, já que o lugar tem até assinatura de um cenógrafo do Rio de Janeiro para harmonizar grafite, iluminação e espaço.

O muro do fundo leva também o grafite de Sullivan, artista daqui que começou os traços para uma homenagem ao mestre, Manoel de Barros. “Queria trabalhar com arte, eu enxergo arte, cultura no grafite e aqui, os bares, restaurantes, não têm a cultura de homenagear o que é daqui. Eu adotei Campo Grande e aqui mostra que eu acredito no Estado, na arte e na cultura”, reforça Teresa.

O mesmo painel que hoje abriga Manoel de Barros será livre para quem quiser grafitar, liberdade que aliás estará por todo lugar. “Quem quer expor, pode nos procurar, tem gente aqui o dia todo”, convida.

A lanchonete levará o nome da estrutura. “Contêiner Lanches”, vai abrir as portas, em automático, de terça a domingo, das 18h às 2h da manhã.

Container leva os pontos da cidade no grafite. Obelisco, Relógio da 14 e até capivara. Container leva os pontos da cidade no grafite. Obelisco, Relógio da 14 e até capivara.
Muro que hoje homenageia Manoel de Barros servirá como painel vivo, para quem quiser grafitar. Muro que hoje homenageia Manoel de Barros servirá como painel vivo, para quem quiser grafitar.



Muito boa a reportagem, de vez em quando passo ali na frente e sempre tive dúvidas do que seria. O container fica próximo á escola Paulo Freire.
 
Matheus Borges em 06/03/2014 11:14:04
Interessante a reportagem, porém, não tem o endereço.
 
LUCIENE R. A. CAIRES em 06/03/2014 08:29:59
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.