A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

14/09/2015 06:26

Personagem do Mercadão, artista não dá entrevista por "ser pobre e morar na rua"

Naiane Mesquita
Antony também não quer fotos, mas aparece no vídeo que ele nem sabia que estava rodando na internet (Foto: reprodução)Antony também não quer fotos, mas aparece no vídeo que ele nem sabia que estava rodando na internet (Foto: reprodução)

De cabelos curtos e dedos ágeis, um senhor ensaia algumas notas de Bossa Nova no violão. Para acompanhar, galões de plástico compõe o cenário e ajudam em uma bateria improvisada.

Veja Mais
Descobertos na adolescência, Rafa e Ruan mesclam clássicos e pop sertanejo
Em clipe de rock alternativo, casal coloca tudo a perder por mensagem de celular

A primeira vez que vi Antony foi em uma publicação na internet. O vídeo compartilhado em um perfil pessoal chamou a atenção da equipe do Lado BO reflexo do cotidiano e o talento do artista me fizeram voltar vários dias até o local em busca daquela história.

Ontem, domingo de manhã, o encontrei no Mercadão, mas a recepção não foi de longe a esperada. Antony não queria conversa, não via sentido na minha abordagem. "Pra que falar com pobre, com mendigo? Para espantar barata lá no barraco, o meu é barraco, o seu é chatô. Tem muita gente mais impecável e mais brilhante que eu", diz.

Tentei explicar, em vão, que a proposta do Lado B é fugir do comum, contar histórias. Ele como artista há anos e conhecido por todos no Mercadão nos chamou a atenção. Mas, nada o persuadiu. Para ele, por ser morador de rua, não havia sentido em contar a sua história. "Não adiantaria nada".

O pouco que consegui é que Antony era trabalhador da construção civil, mas um problema nos tendões o afastaram do emprego. Nasceu em Campo Grande, nos Jardins dos Estados, mas no mesmo dia se mudou para a Vila Carvalho. "Toco samba, bolero, polca paraguaia, o que vier", diz, orgulhoso.

Peço para ele tocar um pouco, ele concorda, mas pede ao fotógrafo que não registre. "Não faz filmagem não". Depois de um tempo, conto a Antony que vídeos com ele já estão rodando na internet, o que ele acha engraçado. "Como pode?", questiona. Depois engata uma conversa sobre a necessidade de uma certidão de nascimento para tentar a aposentadoria. "Vou ver se consigo o dinheiro".

Nem com toda a minha insistência ele deixou que fizéssemos fotos, disse que o "não de um homem é só uma vez". Respeitamos e fomos embora. 

 

 




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.