A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

25/07/2012 19:25

Artista curitibana escancara poluição dos rios e leva “reflexão” a Bonito

Elverson Cardozo
Artista plástica e a instalação Reflexão. (Foto: Rodrigo Pazinato)Artista plástica e a instalação "Reflexão". (Foto: Rodrigo Pazinato)

A curitibana Leo Stinghen, de 65 anos, demonstra ser uma artista plástica de conceito, além de uma ativista ambiental polêmica. Não só fala como escancara o problema a todos que passam.

Veja Mais
A artista, o peixe, a menina de papel em uma lição de sustentabilidade
Festival de Inverno de Bonito começa nesta quarta com a cidade lotada

O amontoado de lixo em um dos cantos do Pavilhão da Arte, em Bonito, é dela. Trata-se da instalação “Reflexão”, elaborada especificamente para o 13º Festival de Inverno. A proposta, como o nome sugere, é fazer refletir e o motivo principal é falar sobre a poluição dos rios brasileiros e importância da reutilização de materiais recicláveis.

O trabalho é composto por um varal que segura cerca de 3 mil tiras de garrafas pet e traz de tudo. Tudo o que é jogado nas ruas das pequenas e grandes cidades e nos leitos dos rios brasileiros todos os dias.

Copos descartáveis, garrafas, latinhas de cerveja, sacolas plásticas e embalagens de bala são alguns dos itens pendurados ao ar livre. Ao lado da instalação, fixado no tronco de uma árvore, um cartaz traz quatro fotografias de rios. Todos eles tomados por lixo urbano.

Diferente das outras mostras, quem passa por essa exposição não tem dúvidas sobre o seu conteúdo. A mensagem é clara e de fácil interpretação e foi feita pensando em atingir todas as classes, como defende a artista plástica. “Porque o intelectual também joga lixo nas ruas”, esclarece.

“Porque o intelectual também joga lixo nas ruas”, afirmou a artista, Leo Stinghen. (Foto: Rodrigo Pazinato)“Porque o intelectual também joga lixo nas ruas”, afirmou a artista, Leo Stinghen. (Foto: Rodrigo Pazinato)

“Reflexão” também fala sobre o consumo desmedido, falta de critérios e de atitudes adequadas para o bem estar social. Para viver, pontua a artista, “não precisa de um monte de coisas”.

Embora seja uma defensora do meio ambiente, Leo Stinghen é polêmica em alguns aspectos. Enquanto alguns ambientalistas apóiam a idéia de proibir a distribuição de sacolinhas plásticas no mercado, a artista afirma que a medida não resolve o problema.

Isso porque o plástico está presente na maioria dos produtos à venda nas gôndolas dos mercados e é utilizado com frequencia em outros setores da indústria O ideal, afirmou, seria promover, por meio de campanhas de conscientização, a reutilização dos materiais.

Um processo que envolveria toda a cadeia produtiva, do fabricante ao consumidor final. Medida que poderia tornar o uso consciente e a redução de consumo uma realidade.




Essa é a nossa querida Léo !! Fala muito através de sua arte !!
Eu corroboro com a mensagem da instalação, pois no final do ano passado fui visitar a passarela do lado argentino que vai até a garganta do diabo em Foz e vi que o nome é bem merecido, pois junto com a água vi dezenas de sacos plásticos e garrafas pet descendo as cataratas !!! É uma vergonha internacional !!
Ricardo
 
Ricardo Mesquita em 10/09/2012 05:13:24
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.