A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

01/11/2011 22:55

Sem dinheiro suficiente para incentivar cultura, bons projetos acabam na gaveta

Paula Maciulevicius

Com tentativas de emplacar, sentimento de grupo teatral é de tamanha frustração, que este ano a companhia nem submeteu projeto

Com duas tentativas de emplacar projetos, grupo de teatro Prisma segue há 16 anos sem R$ 1 de incentivo à cultura municipal. (Foto: Pedro Peralta)Com duas tentativas de emplacar projetos, grupo de teatro Prisma segue há 16 anos sem R$ 1 de incentivo à cultura municipal. (Foto: Pedro Peralta)

A história que o Lado B se propõe a contar é a daqueles que fazem a cultura de Campo Grande. Gente que dança, atua, canta e compõe, que de boa vontade e bom trabalho está cheio, mas esbarra na falta de recurso destinado ao meio artístico.

O personagem que ilustra esta realidade é Mário Filho, diretor do Prisma Grupo de Teatro, daqui da Capital. Desde 1995 atuando nos palcos da cidade com elenco profissional o grupo nunca foi contemplado com verba de fomento à cultura, repassada através de editais do FMIC (Fundo Municipal de Incentivo à Cultura) e Fundo de Incentivo ao Teatro, mesmo tendo projetos inscritos por dois anos seguidos.

“Nas duas vezes o valor sempre foi o motivo, eles acham que está muito alto, então pedem para reduzir ou não aprovam”, explica.

Em todos esses 16 anos o Prisma sobrevive do dinheiro do próprio bolso, às vezes compensado pela bilheteria das apresentações, que cobrem apenas os gastos da produção. “Aí o ator acaba trabalhando de graça”, acrescenta.

Produções como “O Fantasma da Ópera”, que incluía três cenários e o figurino de época, assim como “Drácula” e “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque foram pagas com o dinheiro do grupo.

“O mínimo para uma produção dessas é R$ 7 mil R$ 8 mil, e o Fundo não atende esses valores”, coloca Mário.

O valor destinado ao FMIC é de R$ 250 mil por ano a ser dividido entre os projetos aprovados, já específico ao teatro, a verba é ainda menor, de apenas R$ 136 mil por ano, o que acaba deixando bons projetos na gaveta.

Com tentativas de emplacar projetos que não deram certo o sentimento é de tamanha frustração, que este ano a companhia nem submeteu projeto. Em geral o valor destinado às produções é muito pequeno para a quantidade de grupos de teatro.

Mário relata que os que são aprovados ficam no valor de R$ 1,5 mil R$ 2 mil, o que para quem faz teatro é irrisório, defende.

“A Imaginação Move a Cidade – 1% para a Cultura, reuniu música, dança e teatro de graça. (Foto: Pedro Peralta)“A Imaginação Move a Cidade – 1% para a Cultura, reuniu música, dança e teatro de graça. (Foto: Pedro Peralta)

O Lado B encontrou Mário justamente no movimento feito para pedir uma fatia maior de do orçamento municipal para a cultura, dentro show-manifesto batizado de “A Imaginação Move a Cidade – 1% para a Cultura, na Praça do Rádio que reuniu música, dança e teatro de graça.

“A prefeitura fala que já repassa 1%, só que esse percentual tem embasado o valor de obras onde deveria ser o fomento, mas prédio não é fomento à cultura”, argumenta.

O que é muito colocado pelos artistas é o Centro Cultural Belas Artes, ainda em construção no bairro Cabreúva. “Construir prédios lindos se não tem quem faz acontecer é fazer um elefante branco. Quanta coisa não daria para fazer em termos de produção se o repasse para o fomento fosse 1%”, acredita o diretor.

Na bagagem o Prisma carrega peças teatrais conceituadas e o primeiro musical sul-mato-grossense que ficou em cartaz durante dois anos.

“O Vida Plástica ficou dois anos em cartaz sem R$ 1 do dinheiro público”, diz Mário.

“Tenho orgulho até hoje, sem nenhum tipo de recurso, em 2009, nós ganhamos quatro prêmios no 28º Festival Sul-mato-grossense de Teatro, na categoria adulto, tenho os troféus até hoje”, conta.

Peça em cartaz por dois anos, encenada pelo Prisma. (Foto: Divulgação)Peça em cartaz por dois anos, encenada pelo Prisma. (Foto: Divulgação)

Sem ter como contar apenas com o valor da venda dos ingressos, o grupo acabou por fechar apresentações teatrais com muitas escolas para garantir parte do retorno financeiro gasto na produção.

O grupo se prepara agora para subir ao palco no próximo dia 22, com a peça “O Mágico de Oz”, no Aracy Balabanian.

Quem fizer a comparação entre um grupo que apresenta a mesma peça, mas com incentivos de peso envolvendo verba federal e iniciativa privada, vai ver menos troca de cenário e figurino, mas interpretação de primeira.

“É pobre porque faz com recurso pequeno que é o que a gente tem, mas pela qualidade dos artistas não pode falar que é pobre, porque são excelentes”, afirma categoricamente Mário.

Para quem produz teatro em Campo Grande com o mesmo esforço e dedicação que atua no palco, a destinação de uma fatia maior do orçamento municipal para a cultura é a garantia de produções maiores e ainda melhores.

“Tem produções lindas e grupos legais, imagina como ficaria com repasse maior, mas o que barra ou é a burocracia ou o valor e isso é frustrante, desanima quem faz arte”, encerra Mário.

Praça do Rádio Clube é palco de manifesto “1% para a cultura”
Com o tema “A Imaginação Move a Cidade – 1% Para a Cultura”, acontece nesta terça-feira na Praça do Rádio Clube manifesto cultural com o objetivo de ...
Show-manifesto 1% para Cultura terá todos os ritmos, além de dança e teatro
Com música, dança e teatro de graça, no centro de Campo Grande, artistas farão um manifesto na próxima terça-feira para pedir uma fatia maior do orça...
Nelsinho diz que destinação de 1% para cultura teria que incluir obras
O prefeito Nelsinho Trad (PMDB) disse há pouco, durante abertura da matrícula digital na rede municipal de ensino, que a destinação de 1º do orçament...



Sou da área da educação artística e tive conhecimento de que os valores dos projetos culturais aprovados neste ano pelo FMIC-2011 (Fundac) até agora sequer foram liberados. Assim, os projetos aprovados ainda não puderam iniciar a execução programada. Como pode, né? Por que este atraso na liberação? Tem-se que se ver isto também. 2011 já está no fim. Viva a cultura!!!
 
Marta Dias em 03/11/2011 11:25:09
Prezado jeferson, primeiramente toda sociedade esta baseada em um tripe composto por educacao e cultura, saude e seguranca publica. Faltando qualquer um destes tres, uma sociedade nunca sera uma sociedade de fato e de direito. Pois um povo sem cultura, nao passa de massa de manobra na mao de politicos inescrupulosos. Todos temos que ser a favor da saude, mas sem abrir mao da cultura e da seguranca
 
Catiane barone em 03/11/2011 08:46:29
por mim a cultura pode acabar, o que tem que se reenguer é a saude chega de cultura e turismo, chega de construir praças e orlas, cade o dinheiro para a santa casa e os medicos, eu e minha familia pode viver numa boa sem artes, turismo, mas não pode viver sem saude.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
jefferson roberto em 02/11/2011 10:57:01
Fantástico! Nunca vi tantos talentos juntos em uma noite mágica, inesquecivel. Se sem recursos foram capazes de produzir tanto imaginem com o apoio do poder público. Nossa capital merece mais atenção e fomento à cultura. Parabens! Tenho orgulho de ser campograndense e ser representada por profissionais deste gabarito.
 
madah mereb greco em 02/11/2011 09:03:43
Dinheiro para investir na cultura tem, mas poucos são privilegiados, são escolhidos a dedo, coloca um filho de algum assessor do governador no grupo que vc recebe os incentivos que vc precisa. Infelizmente é assim no nosso Grande Brasil. Boa Sorte a todos.
 
Mariana Souza e Silva em 02/11/2011 08:07:34
Campo Grande tem muita gente talentosa, nas várias areas culturais, mas, infelizmente, o pouco recurso, aliado a burocracia, só dificultam a evolução cultural desta linda cidade, porque quem faz arte é o artista e não o prédio ou a estrutura física, que é importante ter um local adequado, mas são os artistas que precisam de apoio para mostrar seu trabalho.
 
Samuel Aguiar em 02/11/2011 05:56:47
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.