A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

02/12/2011 11:59

Teatro em Campo Grande só lota com ator global, santo de casa não faz milagre

Ângela Kempfer
Peça A Gaiola das Loucas, encenada este ano em Campo Grande, com Miguel Falabella. (Foto: Divuylgação)Peça A Gaiola das Loucas, encenada este ano em Campo Grande, com Miguel Falabella. (Foto: Divuylgação)

Há 30 anos na tarefa de fazer teatros de Campo Grande lotarem, o produtor Pedro Silva tem uma fórmula conhecida. Não fecha contrato se no elenco da peça não houver um ator global.

Veja Mais
Em clipe de rock alternativo, casal coloca tudo a perder por mensagem de celular
Poeta Ferreira Gullar morre aos 86 anos devido a problemas respiratórios

A experiência mostrou que isso é mais importante para o público da cidade, diz. “Penso no bom texto, no bom diretor, mas não esqueço do fundamental: sempre tem de ter algum ator da Globo, porque senão fracassa.”

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, principal eixo de difusão teatral, o comportamento é bem diferente, lembra Pedro Silva. “Lá as pessoas vão assistir a peça, não só o ator. Mas no interior do Brasil o público vai para ver artista de novela da Globo.”

Outro item da fórmula que sustenta Pedro Silva há décadas é o gênero do espetáculo. “Trabalho muito com comédia, dificilmente trago drama, 80% são comédias”.

Ultimamente ele anda investindo também em outro canal, na Band, com espetáculos da turma do CQC, outra certeza de casa lotada.

Pedro Silva traz até 15 peças por ano, sempre nacionais. Começou com “Quando o coração floresce”, com Carlos Zaha e Eva Vilma. Depois veio “Gatão de Estimação”, com Claudia Raia e elenco.

Para o empresário cultural, “santo de casa não faz milagre”, por isso não investe em produções locais, apesar de saber da qualidade dos textos. “São peças boas, mas a produção deixa a desejar pela própria falta de patrocínio. Não vingam”, avalia.

Responsável pelo Festival Sul-Mato-Grossense de Teatro que começa hoje em Campo Grande, Jair de Oliveira tenta fazer o teatro local vingar há décadas, mas sabe que sem investimento da iniciativa privada não há chances. “O empresário quer retorno rápido, por isso patrocina o cara do CQC que já é famoso”.

Jair garante que poderia montar uma super produção em Campo Grande, como a recentemente encenada por atores nacionais, O Mágico de Oz, promovida por Pedro Silva. “Dá o dinheiro que eles têm e a gente consegue produzir a mesma coisa aqui, com a mesma qualidade, para rodar o estado e viajar pelo País”.

Ele diz que até pouco tempo a falta de divulgação em emissoras de TV também atrapalhava, mas isso mudou com a força da internet. “Hoje as pessoas são mais informadas pelos sites”.

Mesmo assim, ele sabe que o preconceito é algo difícil de combater, mesmo com os ingressos bem mais baratos que os espetáculos nacionais. “Custam R$ 10,00 R$ 5,00 mesmo assim o teatro não lota”.

Peça de MS, El Magnífico Duelo. (Foto: Divulgação)Peça de MS, El Magnífico Duelo. (Foto: Divulgação)

Veja a programação completa do Festival de Teatro que começa hoje, com ingressos de R$ 3,00.

15h

Espetáculo Infantil: A Varinha Mágica

Grupo Libertart/ Três Lagoas

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: A alegria da criança é ver as atrapalhadas, cambalhotas e as brincadeiras dos palhaços, se encantam com os truques do mágico. Mas o que mais fascina uma criança, uma história bem contada com as fadas, com começo, meio e fim. Varinha Mágica conta uma dessas historias com fada, a mágica e três palhaços atrapalhados que com suas trapalhadas colaboram para que a mágica encontre a sua varinha mágica. Traga seus filhos para se divertirem com os palhaços, a fada e a mágica.

20h

Cerimônia de Abertura

Teatro Aracy Balabanian

21h

Espetáculo Adulto: Espelho Partido

Grupo Libertart/ Três Lagoas

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: Quando se tem amor às pessoas perdem o controle de tudo e às vezes fazem coisas absurdas, uns chegam a matar até pessoas da própria família para provar esse amor doentio, amor que maltrataas pessoas. Dizem que só se vê em filmes, por exemplo, Romeu e Julieta em uma trama absurda morreram por tentar provar o amor que existia entre os dois. E com Marina ela a todo custo faz loucuras para provar seu amor por um homem ambicioso usurpador que só visa dinheiro mesmo que para isso tenha que passar por cima até da própria mãe. Espelho Partido também é uma lição para muitos. Que acredita no amor de outra pessoa.

Sábado (3)

15h

Espetáculo Infantil: A Roupa Nova do Imperador

Grupo Teatral Unicórnio/Campo Grande

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: A história acontece há muitos e muitos anos atrás, onde havia um Imperador tão apaixonado pelas roupas novas, que gastava com elas todo o dinheiro que possuía. Pouco se incomodava com seus soldados, com o teatro ou com os passeios pelos bosques, contanto que pudesse vestir seus trajes.

Tinha um traje para cada hora do dia, ao invés de se dizer dele o que se diz de qualquer Imperador: Está na Câmara do Conselho, diziam sempre a mesma coisa: O Imperador está vestindo ou desfilando?

21h

Espetáculo Adulto: Os Corcundas

Grupo Circo do Mato/ Campo Grande

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: Uma pantomima que conta a saga de dois corcundas errantes: ele, o corcunda, simpático, feio e puro! Como um cão, tenta ser amigo, mas, tem medo dos homens! Ela, a corcunda, é feia e brincalhona. Esperta como um macaco, não percebe a opinião ou lógica das pessoas. Depois de caminharem pelo mundo, sem nada para vender ou comprar, são arrebatados por um amor sincero, avassalador, verdadeiro, engraçado e puro. Um espetáculo que diverte e emociona!

Domingo (4)

15h

Espetáculo Infantil: O Rei que não sabia rir

Grupo Identidade Teatral/Campo Grande

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: Um Rei rabugento propõe a troca de função com o Bobo da Corte sem o conhecimento do Guarda – Real, instalando a partir de então uma série de confusões e equívocos, garantindo o que nos atrevemos a denominar “Comédia Para Infância”. Com apenas dois atores em cena e lançando mão do ator coringa, o espetáculo brinca e abusa do faz de conta.

18h

Espetáculo de Rua: Mix

Circo Escola do Pantanal

Praça dos Imigrantes

21h

Espetáculo Adulto: Apareceu a Margarida

Teatral Grupo de Risco

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: A sua complexidade e contradições. Uma professora que começa muito docemente a dar um aula de biologia e no decorrer do percurso altera seu comportamento abruptamente, indo da doçura maternal, sedução e lascívia ao ápice da crueldade e violência, psicológica.Com um comportamento ditatorial e opressor acaba por se estabelecer como o poder supremo e inquestionável diante dos alunos, exaltando a característica manipulável do ser humano. Suas atitudes são tão absurdas que ate lhe fará rir em algumas situações, mas muito cuidado, não se deixe enganar pelo nervosismo!

Segunda-feira (5)

18h

Espetáculo de Rua: Tekoha - Ritual de vida e morte de Deus pequeno

Teatro Imaginário Maracangalha/Campo Grande

Praça dos Imigrantes

Sinopse: narra a trajetória do líder indígena guarani Marçal de Souza e sua resistência histórica na luta pela terra e direitos dos povos indígenas. A palavra que dá nome ao espetáculo, TEKOHA, tem um significado muito peculiar para o povo Guarani. “Teko” significa modo de estar, sistema, lei, hábito, costume. Tekoha, assim, refere-se à terra tradicional, ao espaço do pertencimento da cultura guarani. É no Tekoha que os guarani vivem o seu modo de ser. O Teatro Imaginário Maracangalha faz da rua a representação deste espaço tão sagrado aos Guaranis.

19h30

Espetáculo de Rua: El Magnifico Duelo

Desnudos del Nombre

Praça dos Imigrantes

Sinopse: Ao chegar à cidade um falido apresentador de circo se depara com duas garis, responsáveis pela limpeza da cidade – as duas estão sempre em atrito, mas para Atuxadinho as palhaças podem ser a grande salvação do seu circo. O espetáculo trás no universo clownesco uma grande busca do próprio ridículo, transformando as debilidades pessoais em força teatral.

Terça-feira (6)

15h

Espetáculo Infantil: O Mágico de Oz

Grupo Prisma/Campo Grande

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: O Mágico de Oz conta a história de Dorothy Gailey, que vive na fazenda dos seus tios Henry e Emily. Durante um tempestade, a casa da fazenda onde ela mora foi arrancada do chão por um ciclone e é atirada em lugar que ela nunca viu. Tentando achar o caminho de casa, ela conhece um espantalho que quer ter um cérebro e, como visitará um mago, pode ser que ele arrume um cérebro para o espantalho. Assim resolvem viajar juntos. Mais adiante encontram um homem de lata, que anseia por um coração, então os três passam a viajar juntos. Logo depois se deparam com um Leão covarde, que quer ter coragem, então o quarteto fica mais do que determinado em achar o Mágico de Oz.

18h

Espetáculo de Rua: Conto da Cantuária

Teatro Imaginário Maracangalha/Campo Grande

Praça dos Imigrantes

Sinopse: O espetáculo enfatiza as características estéticas do teatro medieval, abordando duas categorias básicas: o religioso e o profano, privilegiando a mistura de tons e estilos, fundindo os contrários: elevado e popular, sublime e humilde, passado e presente.

21h

Espetáculo Adulto: Pobre Diabo Louco e seu discurso para moscas

Grupo Teatral Palco/Campo Grande

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: É um monólogo que narra os problemas enfrentados no Estado de Mato Grosso do Sul e no Brasil. Conta a história de Praculá Makob, um indigente que anda perdido pelo Brasil com o sonho de chegar ao Distrito Federal e falar poucas e boas ao Presidente da República, assim, caminha de cidade em cidade e em cada uma delas que chega pergunta: Pra que lado fica o Distrito Federal ? E as pessoas respondem: Praculá.

Quarta-feira (7)

15h

Espetáculo Adulto: Uma Arte de Quinta

Cia. Teatral Adote/Campo Grande

Teatro Aracy Balabanian

Sinopse: São em torno de 18 esquetes (pequenas sequencias cômicas, normalmente apresentadas juntas com outros esquetes, sem necessariamente terem ligações entre si) por apresentação. Uma arte de quinta é um show de humor com uma proposta de interpretação ao estilo “Standy-up comedy”, que consiste em um ou mais humoristas em frente ao público, relatando situações cotidianas com a intenção de fazer rir. Abordam assuntos como problemas políticos, sociais, relacionamento humano, sexo e acontecimentos do dia-a-dia.




teamo
 
rhayslla ferreira dias em 22/01/2013 09:43:18
Ledo engano, Companhia Teatral Fulano Di Tal, de Campo Grande, já lotou o Glauce Rocha por dois dias seguidos, tendo que utilizar cadeiras extras. Mais de 1500 pessoas assistiram a peça intitulada Humor naquele final de semana. É só saber fazer...;)
 
Thiego Pacheco em 02/12/2011 06:11:38
Não é só no teatro.
O campograndense tem o costume de valorizar o que é de fora.
Empresas de abrangência nacional, por vezes, têm mais clientes que empresas locais que possuem produtos com maior qualidade!
 
Roger Nascimento em 02/12/2011 05:44:56
O teatro em Campo Grande está caríssimo, é um preço absurdo para o custo de vida em Campo Grande, tem peça gratuita, mas aí voce não consegue ficar até o fim de tão ruim que é, o fato de atores famosos lotarem é normal, vivemos afastados dos grandes centros e nunca temos a oportunidade de ver famosos ao vivo, fora isso nossos artistas bons estão todos fazendo peça fora do estado.
 
MAXIMILIANO NAHAS em 02/12/2011 05:26:56
estudei nos anos 80 no colégio Maria Constança(famoso Estadual) lá aprendi a apreciar as apresentações de cunho teatral,sem esse negócio de prestigiar baseado na midia nacional,apenas assistir,sentir o que a peça,os atores tem a passar de mensagem,pois cada encenação é uma mensagem que deve ser percebida,temos que esninar então desde pequeno os jovens a apreciar o teatro ai esta cultura muda.
 
antonio costa em 02/12/2011 03:48:22
Ah isso é oq eles falam, claro...eles estao preocupados com a renda no fim da peça, temos artistas regionais que são bons e pouco valorizados! Mas é assim mesmo, mal acostumaram nossa gente, eu mesmo... não tenho grana pra pagar um espetaculo so para ver artistas, eu qro conteúdo e bom preço! Nem todos adivinham as programações e qdo serão, pois pra variar a divulgação é bem precária!
 
wanessa martins em 02/12/2011 03:43:41
É que infelizmente nós moramos num estado em que a cultura ainda é a "bovina". As pessoas vivem em torno de status, aparencias e não de conteúdo, qualidade. Os valores são distorcidos
 
Loreta zardo em 02/12/2011 02:20:28
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.