A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

04/05/2014 07:32

Cinema alemão ganha mostra especial, com 10 filmes até o dia 16 de maio

Ângela Kempfer
Cena de Adeus Lenin, filme de 2003.Cena de "Adeus Lenin", filme de 2003.

O Sesc faz um “Encontro com o Cinema Alemão” a partir do dia 5 de maio. Dez filmes serão exibidos em Campo Grande, sempre às 19h, de segunda a sexta. As sessões seguem até o dia 16, de graça.

Veja Mais
Final de semana tem a volta de Anjos da Noite, comédia nacional e animações
Semana tem ação com a volta de Jack Reacher, além de ficção e terror

São produções de 1999 até 2007, que tratam, principalmente, de questões como a Segunda Guerra Mundial e a unificação das duas Alemanhas, Oriental e Ocidental.

Alguns filmes tiveram reconhecimento com grandes bilheterias mundo afora, como Adeus Lenin, de 2003, que fala de uma mulher que ficou em coma por anos e acordou depois de mudanças radicais na Alemanha socialista.

Veja a programação completa divulgada pelo Sesc:

Adeus Lenin (Goodbye Lenin).
Direção: Wolfgang Becker, 120 min., 2003.
Berlim (leste), outono de 1989: A mãe de Alex Kerner entra em coma após sofrer um infarto, razão pela qual a queda do muro lhe passa despercebida. No verão de 1990, ela recobra a consciência, porém o médico adverte que qualquer excitação pode ser-lhe fatal. Alex terá de esconder da mãe a extinção do Estado do Partido Socialista Único.

Sonnenallee (Sonnenallee).
Direção: Leander Haußmann, 94 min., 1999.
No filme ousa-se fazer uma retrospectiva da Alemanha Oriental (RDA) – não de modo lamurioso, mas claramente nostálgico e bastante exagerado. O filme enfoca os jovens, as canções e danças proibidas bem como o „grande amor“ que transforma tudo.

A Vida é um Canteiro de Obras (Das Leben ist eine Baustelle).
Direção: Wolfgang Becker, colorido, 118 min., 1997.
Inverno em Berlim: um jovem operário perde seu emprego e é condenado a pagar uma multa. Seu pai morre e Vera, sua nova namorada, vai com ele ao velório. Um filme provocante e, às vezes, cômico, sobre a postura de vida de uma nova geração da cidade grande.

Bem-Vindo à Alemanha (Almanya).
Direção: Yasemin Samdereli, 95 min., 2010.
Em 1964, Hüseyin Yilmaz sai da Turquia e vai para a Alemanha. Mais tarde, traz a esposa e os filhos. Agora, sua neta relata com afeto e humor a história da família durante a viagem de férias do clã a seu lugar de origem. Qual é sua verdadeira pátria é a questão que cada um deverá colocar para si mesmo.

Yella (Yella).
Direção: Christian Petzold, 88 min, 2007.
Yella anseia pelo futuro. Deseja que a existência que tem levado se torne passado. Ela conhece um homem que opera no mundo do capital de risco. Yella dá provas de competência como sua assistente. Mas momentos de sua vida pregressa misturam-se à sua nova vida.

O Que Permanece (Was bleibt).
Direção: Hans-Christian Schmid, 88 min., 2012.
Um universo familiar aparentemente intacto, um fim de semana prolongado em família – depois disso, nada mais será como antes. Aparentemente, tudo está em ordem e garantido – até o momento em que Gitte, que já sofre de depressão há vários anos, comenta já estar curada e de ter deixado de tomar os medicamentos. As fachadas da família supostamente intacta caem por terra.

Todos os Outros (Alle anderen).
Direção: Maren Ade, 119 min, 2009.
O filme conta a história de Gitti e Chris, um casal no início da casa dos trinta que tenta desfrutar suas férias isolando-se a dois, longe de todos os outros. Só não conseguem fugir um do outro.

4 Dias em Maio (4 Tage im Mai).
Direção: Achim von Borries, 95min, 2011.
Quatro dias antes do término da Segunda Guerra Mundial, soldados tanto russos quanto alemães, na costa do mar Báltico, estão cansados da batalha. Apenas um órfão de 13 anos quer virar herói e tenta provocar um confronto.

Nenhum Lugar Para Ir (Die Unberührbare).
Direção: Oskar Roehler, preto e branco, 100min, 1999.
A escritora Hanna Flanders não consegue lidar nem com o próprio desenvolvimento pessoal nem com o desenvolvimento político responsável pela extinção da RDA e pela reunificação alemã.

Berlin Is In Germany
Direção: Hannes Stöhr, 90min, 2001.
Após um longo período de reclusão, que teve início ainda nos tempos da antiga RDA, Martin é posto em liberdade na nova Berlim unificada. Involuntariamente, ele entra em conflito com a polícia.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.