A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

31/03/2015 22:16

Diretor e produtora do “Em Nome da Lei” falam de roteiro, elenco e gravações

Alan Diógenes e Helio de Freitas, de Dourados
Diretor Sérgio Rezende e produtora falaram sobre roteiro do filme, elenco e dificuldades de gravar em Dourados. Diretor Sérgio Rezende e produtora falaram sobre roteiro do filme, elenco e dificuldades de gravar em Dourados.

O diretor do filme “Em Nome da Lei”, longa-metragem inspirado na trajetória do juiz federal Odilon de Oliveira, Sérgio Rezende, e a produtora Erica Iootty, da Morena Filmes, falaram um pouco sobre roteiro, elenco e dificuldades de se gravar em Dourados. As gravações começaram no dia 21 deste mês e o protagonista, Mateus Solano, que vive o juiz Vítor, também conversou com os jornalistas no final da coletiva de imprensa na noite desta terça-feira (31).

Veja Mais
“Em Nome da Lei” mobiliza 730 pessoas em 70 cenários de gravação
Paolla Oliveira entra em cena e começa a gravar “Em Nome da Lei”

Conforme a produtora Erica, o lançamento do filme será no primeiro semestre do ano que vem. As gravações contam com 600 figurantes locais, além de 20 douradenses que fazem parte da equipe técnica de 70 integrantes. “Dourados foi escolhida pelo Sérgio dentro do panorama do filme para a fronteira”, comentou.

O diretor Sérgio Rezende disse que escolheu o juiz Odilon para compor o enredo do filme para mostrar as facetas do contrabando e do tráfico de drogas na região de fronteira. “Comecei a ver a história dele e achei uma coisa rica. Essa é uma questão do Brasil que ganha um calor do público que quer ver um judiciário ativo, eficaz, honesto. Percebemos isso pelo fato de juízes terem se tornado heróis brasileiros, como a juíza assassinada no Rio e como o juíz Joaquim Barbosa no Supremo”, mencionou Sérgio.

Para isso, o diretor esteve em Campo Grande onde conversou com o juiz para conhecer os personagens reais da história para tornarem em fictícios. “O cinema brasileiro é forte quando conta histórias brasileiras, não podemos ficar clonando filmes europeus. O que ganha nas bilheterias são filmes brasileiros como Carandiru e Cidade de Deus. O objetivo é mostrar a atuação do judiciário e a questão das fronteiras brasileiras junto com a tentativa de barrar as drogas. Sabemos que temos um prejuízo de 100 bilhões com o contrabando”, destacou.

Questionado porque escolheu os atores Mateus Solano e Paolla Oliveira para viverem os principais personagens, o diretor respondeu: “Os atores são os artilheiros do time, são eles que fazem o gol e essa escolha é de suma importância. Escolhemos o Mateus e a Paolla pela qualidade dos seus trabalhos na televisão e no cinema”, salientou.

Segundo o diretor o que vai chamar a atenção do público é a história em si. “Cinema é para a história, como a melodia é para a canção. É a história que seduz, que atrai. O roteiro deste filme foi escrito ao longo de três anos entre conflitos e apostas. É uma superprodução por que gosto de superprodução”, apontou.

Ele também falou da escolha da cidade de Dourados para as gravações. “Grande parte do que estamos fazendo aqui poderíamos fazer no Rio de Janeiro, dentro de estúdios, mas não teria a mesma geografia, essa paisagem física e humana própria da região. Queria uma cidade menor, tipo filme de faroeste. Será um filme atraente”.

O diretor disse ainda não ter encontrado grandes dificuldades para gravar em Dourados. Apenas está tendo um contratempo. “Estou preocupado com a chuva. Saímos com a previsão de Sol, mas acaba chovendo. Quando começarmos a gravar fora de casa, podemos encontrar problemas. O tempo tem que nos ajudar como ajuda as pessoas que trabalham no campo”.

O ator Mateus Solano apareceu no final da entrevista e deu uma “palavrinha” sobre a experiência de gravar em Mato Grosso do Sul, além de falar um pouco sobre o seu personagem. “É um barato estar aqui no Estado, a gente recebe um carinho das pessoas que é excepcional. Meu personagem Vitor tem uma sede de Justiça muito grande e vai para a fronteira tentar resolver o problema do contrabando e onde conhece a personagem da Paolla que também tem essa sede. É muito legal contracenar com uma pessoa com quem já trabalhou mais de uma vez”, finalizou.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.