A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

29/03/2013 08:00

Coitado do coelho, depois da festa de Páscoa acaba abandonado por aí

.
Coelho assustado, em terreno que serve para criação, no bairro São Lorenço.Coelho assustado, em terreno que serve para criação, no bairro São Lorenço.

Para fazer do próximo domingo um dia especial para a criançada, tem muita mãe por aí que exagera. Nas casas de animais, funcionários contam que o sábado que antecede a Páscoa é sempre de grande movimento, com pessoas em busca do principal símbolo da festa: o coelho.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

“Todo ano é assim, é a época que mais vende. Vem muita gente no sábado e também no domingo”, conta o atendente da casa de rações ao lado do Mercadão Municipal de Campo Grande. Ontem, as gaiolas estavam cheias de animais de orelhinhas baixas, por R$ 20,00 ou R$ 40,00.

Como o preço relativamente baixo, a maioria não se importa em investir e fazer a gracinha da comemoração e incrementar a entrega de ovos de chocolate. Não haveria problema se na semana seguinte a brincadeira não perdesse a graça e os coitados dos bichinhos fossem despejados de casa e abandonados em parques da cidade.

“A incidência de denúncias sobre esse tipo de abandono começa assim que a Páscoa termina”, diz Élson Borges, biólogo e coordenador do CRAS (Centro de Recuperação de Animais Silvestres).

Na gaiola, coelhos á venda em loja de ração. (Marcos Ermínio)Na gaiola, coelhos á venda em loja de ração. (Marcos Ermínio)

Foi assim no ano passado, quando em uma tarde de caminhada no Parque das Nações Indígenas, no lugar das capivaras, um coelhinho branco ficou me encarando.

Ele não deveria estar ali, confirma Élson. Provavelmente, foi deixado por alguém que queria se livrar do trabalho. “As pessoas abandonam porque não dão conta”.

É só o bichinho mostrar os dentes e sair pela casa roendo os móveis, para a família tomar uma providência radical. “Os coelhos roem porque precisam desgastar os dentes, então ficam o tempo todo roendo. Mas tem algumas espécies que podem muito bem ser criadas como pet”, explica.

O mini coelho, ou “coelho anão”, não cresce muito e o trabalho é proporcionalmente igual. “Mas tem de se informar bem antes de comprar, para não ter surpresas”, recomenda Élson.

A organização Abrigo dos Bichos também se preocupa com essa “gracinha de Páscoa”, principalmente, porque ninguém doa o animal depois da festa. As pessoas preferem abandonar em um terreno qualquer.

A entidade recebe sempre ligações sobre animais soltos e considera mais uma prova da irresponsabilidade. Uma das coordenadoras da ONG diz que a situação é ainda pior com os coelhos porque as pessoas ficam constrangidas de fazer a doação, justamente, por saber que isso não está certo.

“Se comprou, tem de cuidar como de qualquer outra animal. Dar a ração apropriada, deixar em espaço adequado. Mas se não der certo mesmo, é melhor doar”, avisa Ana Clara Baldé.




Pessoa que faz isso não tem coração, eles são tão amaveis, come sua raçãozinha e suas verduras, e faz um ano que tenho o meu até agora não roeu nada em casa, sempre fica ao redor da casa, e não tenho nenhum trabalho...
 
Luciana Santos em 30/03/2013 19:31:12
Dizer que o coelho é o principal símbolo da pascoa, é uma afronta a Jesus Cristo, o único e verdadeiro motivo da celebração dessa festa.
 
itamar rocha em 30/03/2013 18:40:25
O que eu não entendo é como essas pessoas conseguem colocar a cabeça no travesseiro e dormir após terem abandonado um animal indefeso como esse. Falta de caráter, de escrúpulos e, principalmente, falta de ser humano.
 
Fernanda Barros em 30/03/2013 13:19:52
Sidnei Antonio, sua idéia é ótima, muito humana. Mas esse povo de Pet e casa de produtos agropecuários, onde geralmente esses animais são comercializados não pensam nos animais, sim em $$$$$$.
Hoje tudo virou comércio, cada esquina tem um Pet ou uma igreja evangélica. Muitos não sabem lavar o próprio pé e trabalham lavando animais nesses Pets. Muitos veterinários atualmente estão mais preocupados com a $$$ da lavagem de bicho, do que atender a um animal em sua clínica ou mesmo na casa do paciente. Está tudo um ABSURDO....tenho observado cada coisa...
Faz -se necessário, um medida drástica para coibir esse tipo de comércio na época da páscoa.
Parabéns!!aos colegas do Campo Grande News pela matéria, assim muita gente toma consciência desse tipo de crime e quem sabe ajuda de alguma forma
 
Neyde de Oliveira em 29/03/2013 16:40:54
no parque Sotter ha um monte desses bixinhos abandonado, a noite qndo vamos lá da p/ ver eles lá comendo gramas, verduras q/ colocam p/ eles é uma graça, até anima as crianças, mas se for ver por outro lado é uma judiação pq els precisam de cuidados.
 
silvania rosa em 29/03/2013 14:57:15
É uma pena que isso ainda aconteça, acho que deveria ser criado um cadastro de compradores e que os pet´s, tivessem a responsabilidade de visita-los tempos depois e verificar as condições e se os animais encontram-se com seu compradores, tudo é muito lindo mais responsabilidades nada.
 
SIDNEI ANTONIO em 29/03/2013 10:16:46
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.